news:

Ciência & Tecnologia

O preto absoluto: inventaram uma tinta tão escura que torna os objetos 2D


foto_principal.png
31/12/2017

Se, num sentido figurado, a maneira com que vemos as coisas é sempre relativa, dependendo da perspectiva, no sentido literal, a maneira com que conseguimos enxergar a perspectiva e as diferentes dimensões das coisas pode ser simplesmente uma questão de cor. Basta ver como ficam os objetos pintados pela Vantablack, a tinta mais escura já produzida pela humanidade. As coisas ficam tão pretas que parecem perder suas três dimensões e se transformar em objetos em 2D, como se tivessem sido recortados por um editor de imagem.

 

O segredo da tinta e seu efeito está na capacidade que a Vantablack possui de absorver a luz: 99,8% dos raios visíveis são retidos pela superfície pintada. Isso faz com que, no lugar do reflexo que normalmente um objeto preto produz contra uma luz, com a nova tinta o objeto deixa de ter a quantidade de luz refletida necessária para que nosso cérebro seja capaz de interpretar as dimensões e profundidades das coisas. Assim, o que a Vantablack tinge fica mais parecendo um buraco.

 

O desenvolvimento dessa tinta se deu a partir de profundos estudos nanoscópicos a respeito da absorção de luz pelos objetos. O custo da tinta e o nível químico da substância faz com que ela não possa ser usada em roupas ou carros, por exemplo, mas a invenção já está disponível para pesquisa, em universidade e museus.

 

A parte mais divertida da ciência é revelar o quanto o espanto pode morar nos mínimos detalhes – e que as coisas podem ser impressionantes sempre, bastando, por exemplo, mudar sua cor.

 

 

Veja mais:

 

Se, num sentido figurado, a maneira com que vemos as coisas é sempre relativa, dependendo da perspectiva, no sentido literal, a maneira com que conseguimos enxergar a perspectiva e as diferentes dimensões das coisas pode ser simplesmente uma questão de cor. Basta ver como ficam os objetos pintados pela Vantablack, a tinta mais escura já produzida pela humanidade. As coisas ficam tão pretas que parecem perder suas três dimensões e se transformar em objetos em 2D, como se tivessem sido recortados por um editor de imagem.


 


O segredo da tinta e seu efeito está na capacidade que a Vantablack possui de absorver a luz: 99,8% dos raios visíveis são retidos pela superfície pintada. Isso faz com que, no lugar do reflexo que normalmente um objeto preto produz contra uma luz, com a nova tinta o objeto deixa de ter a quantidade de luz refletida necessária para que nosso cérebro seja capaz de interpretar as dimensões e profundidades das coisas. Assim, o que a Vantablack tinge fica mais parecendo um buraco.


 


O desenvolvimento dessa tinta se deu a partir de profundos estudos nanoscópicos a respeito da absorção de luz pelos objetos. O custo da tinta e o nível químico da substância faz com que ela não possa ser usada em roupas ou carros, por exemplo, mas a invenção já está disponível para pesquisa, em universidade e museus.


 


PATROCINADORES

A parte mais divertida da ciência é revelar o quanto o espanto pode morar nos mínimos detalhes – e que as coisas podem ser impressionantes sempre, bastando, por exemplo, mudar sua cor.


 


 


Veja mais:


 



Se, num sentido figurado, a maneira com que vemos as coisas é sempre relativa, dependendo da perspectiva, no sentido literal, a maneira com que conseguimos enxergar a perspectiva e as diferentes dimensões das coisas pode ser simplesmente uma questão de cor. Basta ver como ficam os objetos pintados pela Vantablack, a tinta mais escura já produzida pela humanidade. As coisas ficam tão pretas que parecem perder suas três dimensões e se transformar em objetos em 2D, como se tivessem sido recortados por um editor de imagem.


 


O segredo da tinta e seu efeito está na capacidade que a Vantablack possui de absorver a luz: 99,8% dos raios visíveis são retidos pela superfície pintada. Isso faz com que, no lugar do reflexo que normalmente um objeto preto produz contra uma luz, com a nova tinta o objeto deixa de ter a quantidade de luz refletida necessária para que nosso cérebro seja capaz de interpretar as dimensões e profundidades das coisas. Assim, o que a Vantablack tinge fica mais parecendo um buraco.


 


PATROCINADORES

O desenvolvimento dessa tinta se deu a partir de profundos estudos nanoscópicos a respeito da absorção de luz pelos objetos. O custo da tinta e o nível químico da substância faz com que ela não possa ser usada em roupas ou carros, por exemplo, mas a invenção já está disponível para pesquisa, em universidade e museus.


 


A parte mais divertida da ciência é revelar o quanto o espanto pode morar nos mínimos detalhes – e que as coisas podem ser impressionantes sempre, bastando, por exemplo, mudar sua cor.


 


PATROCINADORES

 


Veja mais:


 



Veja Também