news:

Sul de Minas

Operação apreende cerca de 7,5 toneladas de queijo no Sul de Minas


foto_principal.jpg
06/01/2018

Matéria extraída do G1

 

Segundo fiscais, produto estava armazenado em containers sem refrigeração.

 

Cerca de 7,5 toneladas de queijo foram apreendidas na zona rural de Ouro Fino na manhã desta sexta-feira (5). De acordo com a Polícia Militar Ambiental e fiscais do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), o produto estava armazenado em containers sem refrigeração.

 

O laticínio onde os queijos foram encontrados já estava interditado desde novembro do ano passado por falta de condições sanitárias.

 

“Nós recebemos uma denúncia via telefone, anônima, dizendo que este laticínio estava fazendo a produção de queijos sem autorização do IMA, no horário de 17h até 1h da manhã. Nós verificamos que estava havendo produção com o laticínio em obras. E a outra denúncia era em relação aos produtos que estão armazenados em um container na região externa ao laticínio, fato que o IMA desconhecia e que é inadequado”, explicou a fiscal agropecuária Fernanda de Jorge Gouvêa.

 

Agora a dona do laticínio vai ser autuada. “A gente constatou, na fiscalização, alguns pontos de poluição de solo, onde será registrado um boletim de ocorrência por crime de poluição ambiental” afirmou o sargento Benedito Vicente Martins Filho.

 

Em nota, o laticínio informou que os produtos passaram por análise em laboratório credenciado pelo IMA e que foram liberados para comércio no dia 28 de dezembro. O laticínio também contestou que a interdição tenha sido por problemas de higiene e afirma que no laudo de interdição constam outros problemas, como a falta de rotulagem aprovada. A empresa negou que os containers sejam dela.

 

A polícia informou ainda que o laticínio também será multado por contaminação do solo. O queijo apreendido foi descartado no aterro sanitário de Ouro Fino.

Segundo fiscais, produto estava armazenado em containers sem refrigeração.


 


Cerca de 7,5 toneladas de queijo foram apreendidas na zona rural de Ouro Fino na manhã desta sexta-feira (5). De acordo com a Polícia Militar Ambiental e fiscais do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), o produto estava armazenado em containers sem refrigeração.


 


O laticínio onde os queijos foram encontrados já estava interditado desde novembro do ano passado por falta de condições sanitárias.


 


“Nós recebemos uma denúncia via telefone, anônima, dizendo que este laticínio estava fazendo a produção de queijos sem autorização do IMA, no horário de 17h até 1h da manhã. Nós verificamos que estava havendo produção com o laticínio em obras. E a outra denúncia era em relação aos produtos que estão armazenados em um container na região externa ao laticínio, fato que o IMA desconhecia e que é inadequado”, explicou a fiscal agropecuária Fernanda de Jorge Gouvêa.


PATROCINADORES

 


Agora a dona do laticínio vai ser autuada. “A gente constatou, na fiscalização, alguns pontos de poluição de solo, onde será registrado um boletim de ocorrência por crime de poluição ambiental” afirmou o sargento Benedito Vicente Martins Filho.


 


Em nota, o laticínio informou que os produtos passaram por análise em laboratório credenciado pelo IMA e que foram liberados para comércio no dia 28 de dezembro. O laticínio também contestou que a interdição tenha sido por problemas de higiene e afirma que no laudo de interdição constam outros problemas, como a falta de rotulagem aprovada. A empresa negou que os containers sejam dela.


 


A polícia informou ainda que o laticínio também será multado por contaminação do solo. O queijo apreendido foi descartado no aterro sanitário de Ouro Fino.



Segundo fiscais, produto estava armazenado em containers sem refrigeração.



Cerca de 7,5 toneladas de queijo foram apreendidas na zona rural de Ouro Fino na manhã desta sexta-feira (5). De acordo com a Polícia Militar Ambiental e fiscais do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), o produto estava armazenado em containers sem refrigeração.



PATROCINADORES

O laticínio onde os queijos foram encontrados já estava interditado desde novembro do ano passado por falta de condições sanitárias.



“Nós recebemos uma denúncia via telefone, anônima, dizendo que este laticínio estava fazendo a produção de queijos sem autorização do IMA, no horário de 17h até 1h da manhã. Nós verificamos que estava havendo produção com o laticínio em obras. E a outra denúncia era em relação aos produtos que estão armazenados em um container na região externa ao laticínio, fato que o IMA desconhecia e que é inadequado”, explicou a fiscal agropecuária Fernanda de Jorge Gouvêa.



PATROCINADORES

Agora a dona do laticínio vai ser autuada. “A gente constatou, na fiscalização, alguns pontos de poluição de solo, onde será registrado um boletim de ocorrência por crime de poluição ambiental” afirmou o sargento Benedito Vicente Martins Filho.



Em nota, o laticínio informou que os produtos passaram por análise em laboratório credenciado pelo IMA e que foram liberados para comércio no dia 28 de dezembro. O laticínio também contestou que a interdição tenha sido por problemas de higiene e afirma que no laudo de interdição constam outros problemas, como a falta de rotulagem aprovada. A empresa negou que os containers sejam dela.



A polícia informou ainda que o laticínio também será multado por contaminação do solo. O queijo apreendido foi descartado no aterro sanitário de Ouro Fino.





Veja Também