news:

Esporte

Cruzeiro eleva média de idade e terá grupo "cascudo" na Libertadores


foto_principal.jpg
07/01/2018

Clube aposta em jogadores experientes para buscar o maior objetivo nesta temporada: o tricampeonato do torneio continental.

 

Cruzeiro manteve a base do grupo campeão da Copa do Brasil e se reforçou com contratações pontuais, que chegaram para posições que deram "dor de cabeça" em 2017, como a lateral direita, esquerda e o ataque. Além disso, a diretoria celeste buscou jogadores com experiência na Libertadores, o que deixa o grupo ainda mais "cascudo" para a competição. O principal objetivo do time nesta temporada é justamente conquistar o tricampeonato do torneio continental.

 

Com as contratações e a saída de jogadores considerados jovens, como Diogo Barbosa (25), Alisson (24) e Elber (25), o Cruzeiro elevou a média de idade do elenco de 26,06 para 27,8, mas aumentou, também, a experiência do grupo. Dos seis reforços, quatro tem mais de 30 anos: o lateral-direito Edílson (31), o lateral-esquerdo Egídio (31), o meio-campista Bruno Silva (31) e o atacante Fred (34). Todos esses contam com participações na Libertadores. Edílson, inclusive, conquistou o troféu da competição na temporada passada, com a camisa do Grêmio.

 

Além dos reforços, o Cruzeiro promoveu dois jogadores das categorias de base, que ajudaram com que a média de idade não aumentasse mais. O lateral-esquerdo Victor Luiz (20 anos) e o goleiro Vitor Eudes (19) integraram o grupo profissional na reapresentação, na quarta-feira. Eudes deve ficar com a vaga de terceiro reserva de Fábio, enquanto o lateral pode ganhar chances ao longo de 2018.

 

Para o técnico Mano Menezes, as contratações de jogadores que já atuaram na Libertadores foram importantes. Ele quer montar um time mais forte, conhecedor do formato da competição e que tenha o famoso "espírito" da competição.

 

"Acho importante ter mais de um jogador que jogou a Libertadores no ano passado. Tem experiência na competição. Quero um time um pouquinho mais forte na disputa", diz Mano Menezes

 

O lateral-esquerdo Egídio, que foi apresentado na sexta-feira, acredita que, além da experiência, o principal para o Cruzeiro vencer a Libertadores é ter união.

 

"Já vimos no olho de cada um o foco, a dedicação. Já tivemos entre nós mesmos uma reunião voltada para este ano, para esta competição (Libertadores). A experiência conta no se dedicar e na união. É isso que estamos fechado. Já mostramos a leveza que é este clube, de trabalhar e chegar ao nosso objetivo. Pode ter certeza que vamos nos dedicar ao máximo para conquistar esta sonhada Libertadores, que vai virar realidade".

 

Dos 35 jogadores do atual grupo do Cruzeiro, 24 já participaram da Libertadores. Alguns foram inscritos e não jogaram, como é o caso do goleiro Rafael e do meia Rafinha. Desses atletas, Edilson (em 2017, pelo Grêmio), Robinho (em 2011, pelo Santos), e Rafael Sobis (em 2006 e 2010, ambos pelo Internacional), foram campeões do torneio.

 

A estreia do Cruzeiro na Libertadores será no dia 27 de fevereiro, diante do Racing da Argentina. Além do clube celeste e dos argentinos, o grupo conta com a Universidad do Chile e outra equipe que virá da fase preliminar. E pode ser um brasileiro: o Vasco. A equipe carioca pega o Universidad Concepción-CHI, que garantiu vaga pouco depois do sorteio da Libertadores ao bater o Unión Española-CHI.

 

Quem passar do confronto, encara o Jorge Wilstermann-BOL, que foi o algoz do rival do Cruzeiro na última Libertadores, eliminando o Atlético-MG nas oitavas de final, ou o vencedor do confronto entre Oriente Petrolero-BOL e Universitario-PER, que se enfrentam na fase anterior.

Clube aposta em jogadores experientes para buscar o maior objetivo nesta temporada: o tricampeonato do torneio continental.


 


Cruzeiro manteve a base do grupo campeão da Copa do Brasil e se reforçou com contratações pontuais, que chegaram para posições que deram "dor de cabeça" em 2017, como a lateral direita, esquerda e o ataque. Além disso, a diretoria celeste buscou jogadores com experiência na Libertadores, o que deixa o grupo ainda mais "cascudo" para a competição. O principal objetivo do time nesta temporada é justamente conquistar o tricampeonato do torneio continental.


 


Com as contratações e a saída de jogadores considerados jovens, como Diogo Barbosa (25), Alisson (24) e Elber (25), o Cruzeiro elevou a média de idade do elenco de 26,06 para 27,8, mas aumentou, também, a experiência do grupo. Dos seis reforços, quatro tem mais de 30 anos: o lateral-direito Edílson (31), o lateral-esquerdo Egídio (31), o meio-campista Bruno Silva (31) e o atacante Fred (34). Todos esses contam com participações na Libertadores. Edílson, inclusive, conquistou o troféu da competição na temporada passada, com a camisa do Grêmio.


 


Além dos reforços, o Cruzeiro promoveu dois jogadores das categorias de base, que ajudaram com que a média de idade não aumentasse mais. O lateral-esquerdo Victor Luiz (20 anos) e o goleiro Vitor Eudes (19) integraram o grupo profissional na reapresentação, na quarta-feira. Eudes deve ficar com a vaga de terceiro reserva de Fábio, enquanto o lateral pode ganhar chances ao longo de 2018.


 


Para o técnico Mano Menezes, as contratações de jogadores que já atuaram na Libertadores foram importantes. Ele quer montar um time mais forte, conhecedor do formato da competição e que tenha o famoso "espírito" da competição.


 


PATROCINADORES

"Acho importante ter mais de um jogador que jogou a Libertadores no ano passado. Tem experiência na competição. Quero um time um pouquinho mais forte na disputa", diz Mano Menezes


 


O lateral-esquerdo Egídio, que foi apresentado na sexta-feira, acredita que, além da experiência, o principal para o Cruzeiro vencer a Libertadores é ter união.


 


"Já vimos no olho de cada um o foco, a dedicação. Já tivemos entre nós mesmos uma reunião voltada para este ano, para esta competição (Libertadores). A experiência conta no se dedicar e na união. É isso que estamos fechado. Já mostramos a leveza que é este clube, de trabalhar e chegar ao nosso objetivo. Pode ter certeza que vamos nos dedicar ao máximo para conquistar esta sonhada Libertadores, que vai virar realidade".


 


Dos 35 jogadores do atual grupo do Cruzeiro, 24 já participaram da Libertadores. Alguns foram inscritos e não jogaram, como é o caso do goleiro Rafael e do meia Rafinha. Desses atletas, Edilson (em 2017, pelo Grêmio), Robinho (em 2011, pelo Santos), e Rafael Sobis (em 2006 e 2010, ambos pelo Internacional), foram campeões do torneio.


 


A estreia do Cruzeiro na Libertadores será no dia 27 de fevereiro, diante do Racing da Argentina. Além do clube celeste e dos argentinos, o grupo conta com a Universidad do Chile e outra equipe que virá da fase preliminar. E pode ser um brasileiro: o Vasco. A equipe carioca pega o Universidad Concepción-CHI, que garantiu vaga pouco depois do sorteio da Libertadores ao bater o Unión Española-CHI.


 


Quem passar do confronto, encara o Jorge Wilstermann-BOL, que foi o algoz do rival do Cruzeiro na última Libertadores, eliminando o Atlético-MG nas oitavas de final, ou o vencedor do confronto entre Oriente Petrolero-BOL e Universitario-PER, que se enfrentam na fase anterior.


Clube aposta em jogadores experientes para buscar o maior objetivo nesta temporada: o tricampeonato do torneio continental.



Cruzeiro manteve a base do grupo campeão da Copa do Brasil e se reforçou com contratações pontuais, que chegaram para posições que deram "dor de cabeça" em 2017, como a lateral direita, esquerda e o ataque. Além disso, a diretoria celeste buscou jogadores com experiência na Libertadores, o que deixa o grupo ainda mais "cascudo" para a competição. O principal objetivo do time nesta temporada é justamente conquistar o tricampeonato do torneio continental.



Com as contratações e a saída de jogadores considerados jovens, como Diogo Barbosa (25), Alisson (24) e Elber (25), o Cruzeiro elevou a média de idade do elenco de 26,06 para 27,8, mas aumentou, também, a experiência do grupo. Dos seis reforços, quatro tem mais de 30 anos: o lateral-direito Edílson (31), o lateral-esquerdo Egídio (31), o meio-campista Bruno Silva (31) e o atacante Fred (34). Todos esses contam com participações na Libertadores. Edílson, inclusive, conquistou o troféu da competição na temporada passada, com a camisa do Grêmio.



Além dos reforços, o Cruzeiro promoveu dois jogadores das categorias de base, que ajudaram com que a média de idade não aumentasse mais. O lateral-esquerdo Victor Luiz (20 anos) e o goleiro Vitor Eudes (19) integraram o grupo profissional na reapresentação, na quarta-feira. Eudes deve ficar com a vaga de terceiro reserva de Fábio, enquanto o lateral pode ganhar chances ao longo de 2018.



PATROCINADORES

Para o técnico Mano Menezes, as contratações de jogadores que já atuaram na Libertadores foram importantes. Ele quer montar um time mais forte, conhecedor do formato da competição e que tenha o famoso "espírito" da competição.



"Acho importante ter mais de um jogador que jogou a Libertadores no ano passado. Tem experiência na competição. Quero um time um pouquinho mais forte na disputa", diz Mano Menezes



O lateral-esquerdo Egídio, que foi apresentado na sexta-feira, acredita que, além da experiência, o principal para o Cruzeiro vencer a Libertadores é ter união.



PATROCINADORES

"Já vimos no olho de cada um o foco, a dedicação. Já tivemos entre nós mesmos uma reunião voltada para este ano, para esta competição (Libertadores). A experiência conta no se dedicar e na união. É isso que estamos fechado. Já mostramos a leveza que é este clube, de trabalhar e chegar ao nosso objetivo. Pode ter certeza que vamos nos dedicar ao máximo para conquistar esta sonhada Libertadores, que vai virar realidade".



Dos 35 jogadores do atual grupo do Cruzeiro, 24 já participaram da Libertadores. Alguns foram inscritos e não jogaram, como é o caso do goleiro Rafael e do meia Rafinha. Desses atletas, Edilson (em 2017, pelo Grêmio), Robinho (em 2011, pelo Santos), e Rafael Sobis (em 2006 e 2010, ambos pelo Internacional), foram campeões do torneio.



A estreia do Cruzeiro na Libertadores será no dia 27 de fevereiro, diante do Racing da Argentina. Além do clube celeste e dos argentinos, o grupo conta com a Universidad do Chile e outra equipe que virá da fase preliminar. E pode ser um brasileiro: o Vasco. A equipe carioca pega o Universidad Concepción-CHI, que garantiu vaga pouco depois do sorteio da Libertadores ao bater o Unión Española-CHI.



Quem passar do confronto, encara o Jorge Wilstermann-BOL, que foi o algoz do rival do Cruzeiro na última Libertadores, eliminando o Atlético-MG nas oitavas de final, ou o vencedor do confronto entre Oriente Petrolero-BOL e Universitario-PER, que se enfrentam na fase anterior.



Veja Também