news:

Sul de Minas

Volume de chuva deve ser 17,8% maior do que a média de janeiro


foto_principal.png
10/01/2018

Matéria extraída do G1

 

Segundo o Instituto Somar de Meteorologia, devem chover 318 milímetros no período, o que está favorecendo as lavouras da região.

 

A temporada de chuva tem ajudado os produtores rurais do Sul Minas e a previsão dos meteorologistas é de que ela continue vindo em grande quantidade. O volume esperado pra esse mês deve ser 17,8% maior que a média do período, segundo o Instituto Somar de Meteorologia.

 

Ainda conforme as previsões do instituto, ao longo do mês, devem chover 318 milímetros, enquanto a média é de 270 milímetros de chuva em janeiro.

 

Nas lavouras de café de Varginha, a água traz um alívio para os produtores, que estão em período de adubação. “Para que a chuva absorva o adubo, o fertilizante, [é preciso que] tenha umidade. Sem chuva, realmente, a gente não consegue nada”, explica o produtor João Lincoln Reis Veiga.

 

A chuva também tem sido boa pra quem aposta em outras culturas importantes pra região. Só de milho, o Sul de Minas produziu no ano passado um 1,5 milhão de toneladas. De soja, foram mais de 278 mil toneladas. Destaque para Três Corações, município que concentra a maior produção desses grãos na região.

 

 

Volume de chuva deve ser 17,8% maior do que a média de janeiro no Sul de Minas.

 

 

O produtor Daniel Mesquita Andrade tem os dois cultivos, mas esse ano preferiu trabalhar principalmente com a soja. “O clima está ótimo, as chuvas estão vindo na hora certa. A expectativa de colher aqui é de 70 sacas por hectare, porém na hora de colher não pode ter chuva. As chuvas têm que ser agora”, diz o produtor.

 

Em três corações, só nos primeiros dias do ano, foram mais de 30 milímetros, e a previsão é chegar a 300. Chuva, que segundo o engenheiro agrônomo Thiago Asmar, tem vindo bem distribuída, mas mesmo assim é preciso ficar atento pra que tanta água não acabe virando problema.

 

“Com o excesso de chuvas, começa a desenvolver alguns fungos. Principalmente tem um fungo, uma doença, que vem preocupando muito, que é o mofo branco. E está em um período crítico. Muita lavoura soja florescendo com excesso de chuva, com excesso de umidade”, explica o engenheiro agrônomo Thiago Asmar.

 


Segundo o Instituto Somar de Meteorologia, devem chover 318 milímetros no período, o que está favorecendo as lavouras da região.


 


A temporada de chuva tem ajudado os produtores rurais do Sul Minas e a previsão dos meteorologistas é de que ela continue vindo em grande quantidade. O volume esperado pra esse mês deve ser 17,8% maior que a média do período, segundo o Instituto Somar de Meteorologia.


 


Ainda conforme as previsões do instituto, ao longo do mês, devem chover 318 milímetros, enquanto a média é de 270 milímetros de chuva em janeiro.


 


Nas lavouras de café de Varginha, a água traz um alívio para os produtores, que estão em período de adubação. “Para que a chuva absorva o adubo, o fertilizante, [é preciso que] tenha umidade. Sem chuva, realmente, a gente não consegue nada”, explica o produtor João Lincoln Reis Veiga.


 


A chuva também tem sido boa pra quem aposta em outras culturas importantes pra região. Só de milho, o Sul de Minas produziu no ano passado um 1,5 milhão de toneladas. De soja, foram mais de 278 mil toneladas. Destaque para Três Corações, município que concentra a maior produção desses grãos na região.


 


PATROCINADORES

 



Volume de chuva deve ser 17,8% maior do que a média de janeiro no Sul de Minas.


 


 


O produtor Daniel Mesquita Andrade tem os dois cultivos, mas esse ano preferiu trabalhar principalmente com a soja. “O clima está ótimo, as chuvas estão vindo na hora certa. A expectativa de colher aqui é de 70 sacas por hectare, porém na hora de colher não pode ter chuva. As chuvas têm que ser agora”, diz o produtor.


 


Em três corações, só nos primeiros dias do ano, foram mais de 30 milímetros, e a previsão é chegar a 300. Chuva, que segundo o engenheiro agrônomo Thiago Asmar, tem vindo bem distribuída, mas mesmo assim é preciso ficar atento pra que tanta água não acabe virando problema.


 


“Com o excesso de chuvas, começa a desenvolver alguns fungos. Principalmente tem um fungo, uma doença, que vem preocupando muito, que é o mofo branco. E está em um período crítico. Muita lavoura soja florescendo com excesso de chuva, com excesso de umidade”, explica o engenheiro agrônomo Thiago Asmar.



 


Segundo o Instituto Somar de Meteorologia, devem chover 318 milímetros no período, o que está favorecendo as lavouras da região.


 


A temporada de chuva tem ajudado os produtores rurais do Sul Minas e a previsão dos meteorologistas é de que ela continue vindo em grande quantidade. O volume esperado pra esse mês deve ser 17,8% maior que a média do período, segundo o Instituto Somar de Meteorologia.


 


Ainda conforme as previsões do instituto, ao longo do mês, devem chover 318 milímetros, enquanto a média é de 270 milímetros de chuva em janeiro.


 


PATROCINADORES

Nas lavouras de café de Varginha, a água traz um alívio para os produtores, que estão em período de adubação. “Para que a chuva absorva o adubo, o fertilizante, [é preciso que] tenha umidade. Sem chuva, realmente, a gente não consegue nada”, explica o produtor João Lincoln Reis Veiga.


 


A chuva também tem sido boa pra quem aposta em outras culturas importantes pra região. Só de milho, o Sul de Minas produziu no ano passado um 1,5 milhão de toneladas. De soja, foram mais de 278 mil toneladas. Destaque para Três Corações, município que concentra a maior produção desses grãos na região.


 


 



Volume de chuva deve ser 17,8% maior do que a média de janeiro no Sul de Minas.


PATROCINADORES

 


 


O produtor Daniel Mesquita Andrade tem os dois cultivos, mas esse ano preferiu trabalhar principalmente com a soja. “O clima está ótimo, as chuvas estão vindo na hora certa. A expectativa de colher aqui é de 70 sacas por hectare, porém na hora de colher não pode ter chuva. As chuvas têm que ser agora”, diz o produtor.


 


Em três corações, só nos primeiros dias do ano, foram mais de 30 milímetros, e a previsão é chegar a 300. Chuva, que segundo o engenheiro agrônomo Thiago Asmar, tem vindo bem distribuída, mas mesmo assim é preciso ficar atento pra que tanta água não acabe virando problema.


 


“Com o excesso de chuvas, começa a desenvolver alguns fungos. Principalmente tem um fungo, uma doença, que vem preocupando muito, que é o mofo branco. E está em um período crítico. Muita lavoura soja florescendo com excesso de chuva, com excesso de umidade”, explica o engenheiro agrônomo Thiago Asmar.



Veja Também