news:

Notícias

"Estou ótimo, embora toda hora queiram me matar", diz Temer


foto_principal.jpg
11/01/2018

"Uns por vontade mesmo, outros por desinformação", avaliou o presidente Michel Temer.

 

Meio sério, meio de brincadeira, o presidente Michel Temer reclamou das versões pessimistas sobre sua saúde: "Passei por três cirurgias, tive infecção no fim do ano e nem pude passar quatro dias na praia, como gostaria, mas estou ótimo. Embora toda hora alguém queira me matar. Uns por vontade mesmo, outros por desinformação".

 

Outro trauma de Temer é ter sido atacado até por velhos amigos durante as duas denúncias do ex-procurador-geral Rodrigo Janot, que poderiam ter lhe custado o mandato. "Eles me conhecem a vida toda, sabem que não tenho lanchas, jatos, fazendas, nada disso. E permitem que me chamem de ladrão? É muito duro conviver com isso."

 

Ele se defendeu da acusação de viver aos solavancos, de recuo em recuo, e se concentrou na notícia de que o governo mudaria a chamada "regra de ouro", que impede emissão de dívida para arcar com despesas correntes. Diz que foi surpreendido pela notícia na imprensa, chamou os ministros econômicos para se informar e mandou suspender o debate: "Todo esforço do meu governo é recuperar a economia. Como vou chegar a Davos tendo de explicar que querem flexibilizar justamente as regras de responsabilidade fiscal?"

 

Seu plano para o último ano de mandato é, além de aprovar a reforma da Previdência, "continuar com as medidas que tomamos para recuperar o País, não só no Congresso, mas também por decisões administrativas". No fim, o sonho de amenizar o "presidencialismo de coalizão", que deixa os presidentes reféns de partidos e de pressões populistas. A forma será um projeto de "semipresidencialismo", mas "isso fica para adiante".

 

Temer acha que a Lava Jato praticamente esgotou o que tinha de fazer e elogiou a decisão do diretor da Polícia Federal, Fernando Segovia, de concluir até dezembro investigações sobre políticos com foro no Supremo: "Isso é ótimo. Tira o peso das pessoas".

"Uns por vontade mesmo, outros por desinformação", avaliou o presidente Michel Temer.


 


Meio sério, meio de brincadeira, o presidente Michel Temer reclamou das versões pessimistas sobre sua saúde: "Passei por três cirurgias, tive infecção no fim do ano e nem pude passar quatro dias na praia, como gostaria, mas estou ótimo. Embora toda hora alguém queira me matar. Uns por vontade mesmo, outros por desinformação".


 


Outro trauma de Temer é ter sido atacado até por velhos amigos durante as duas denúncias do ex-procurador-geral Rodrigo Janot, que poderiam ter lhe custado o mandato. "Eles me conhecem a vida toda, sabem que não tenho lanchas, jatos, fazendas, nada disso. E permitem que me chamem de ladrão? É muito duro conviver com isso."


PATROCINADORES

 


Ele se defendeu da acusação de viver aos solavancos, de recuo em recuo, e se concentrou na notícia de que o governo mudaria a chamada "regra de ouro", que impede emissão de dívida para arcar com despesas correntes. Diz que foi surpreendido pela notícia na imprensa, chamou os ministros econômicos para se informar e mandou suspender o debate: "Todo esforço do meu governo é recuperar a economia. Como vou chegar a Davos tendo de explicar que querem flexibilizar justamente as regras de responsabilidade fiscal?"


 


Seu plano para o último ano de mandato é, além de aprovar a reforma da Previdência, "continuar com as medidas que tomamos para recuperar o País, não só no Congresso, mas também por decisões administrativas". No fim, o sonho de amenizar o "presidencialismo de coalizão", que deixa os presidentes reféns de partidos e de pressões populistas. A forma será um projeto de "semipresidencialismo", mas "isso fica para adiante".


 


Temer acha que a Lava Jato praticamente esgotou o que tinha de fazer e elogiou a decisão do diretor da Polícia Federal, Fernando Segovia, de concluir até dezembro investigações sobre políticos com foro no Supremo: "Isso é ótimo. Tira o peso das pessoas".


"Uns por vontade mesmo, outros por desinformação", avaliou o presidente Michel Temer.



Meio sério, meio de brincadeira, o presidente Michel Temer reclamou das versões pessimistas sobre sua saúde: "Passei por três cirurgias, tive infecção no fim do ano e nem pude passar quatro dias na praia, como gostaria, mas estou ótimo. Embora toda hora alguém queira me matar. Uns por vontade mesmo, outros por desinformação".



Outro trauma de Temer é ter sido atacado até por velhos amigos durante as duas denúncias do ex-procurador-geral Rodrigo Janot, que poderiam ter lhe custado o mandato. "Eles me conhecem a vida toda, sabem que não tenho lanchas, jatos, fazendas, nada disso. E permitem que me chamem de ladrão? É muito duro conviver com isso."



PATROCINADORES

Ele se defendeu da acusação de viver aos solavancos, de recuo em recuo, e se concentrou na notícia de que o governo mudaria a chamada "regra de ouro", que impede emissão de dívida para arcar com despesas correntes. Diz que foi surpreendido pela notícia na imprensa, chamou os ministros econômicos para se informar e mandou suspender o debate: "Todo esforço do meu governo é recuperar a economia. Como vou chegar a Davos tendo de explicar que querem flexibilizar justamente as regras de responsabilidade fiscal?"



Seu plano para o último ano de mandato é, além de aprovar a reforma da Previdência, "continuar com as medidas que tomamos para recuperar o País, não só no Congresso, mas também por decisões administrativas". No fim, o sonho de amenizar o "presidencialismo de coalizão", que deixa os presidentes reféns de partidos e de pressões populistas. A forma será um projeto de "semipresidencialismo", mas "isso fica para adiante".



Temer acha que a Lava Jato praticamente esgotou o que tinha de fazer e elogiou a decisão do diretor da Polícia Federal, Fernando Segovia, de concluir até dezembro investigações sobre políticos com foro no Supremo: "Isso é ótimo. Tira o peso das pessoas".



Veja Também