Esporte
Cristiano Ronaldo leva prêmio de melhor do mundo e encosta em Messi

09/01/2017

Com boicote do Barcelona, português conquista troféu da Fifa pela quarta vez.

 

Cristiano Ronaldo levou o prêmio de melhor jogador de 2016, coroando um ano perfeito com a conquista da Liga dos Campeões, Eurocopa e Mundial de Clubes. O português, com seu quarto título individual, ainda se aproxima do recorde de Lionel Messi de cinco troféus e manda um recado: não vai descansar enquanto não desbancar o argentino. "As pessoas não são cegas", disse.

 

Mas a festa teve um gosto amargo, com toda a delegação do Barcelona boicotando o evento. Messi, Suárez e outros premiados anularam sua participação na festa, que foi do Real Madrid. Oficialmente, o time catalão usou o argumento de que precisava se preparar para partidas na Espanha nesta semana. Mas foi uma atitude de protesto dos jogadores, liderados por Piqué, contra os dirigentes do clube, contra a arbitragem na Espanha e um suposto favorecimento ao Real que levou ao boicote, criando um mal-estar na entidade em Zurique que queria usar o evento para marcar o fim das polêmicas. 

 

O comportamento do Barça foi duramente criticado. "É uma tremenda falta de respeito", disse Roberto Carlos, ex-jogador do Real. "Messi teria de entender que deveria estar aqui. O Real também tem jogo nesta semana. As obrigações profissionais são as mesmas", disse. Para o brasileiro, está "claríssimo que hoje o Real é o melhor do mundo". 

 

Com 31 anos, Ronaldo já havia ganho o troféu em 2008, 2013 e 2014. Mas também chegou a abandonar Messi sozinho na premiação de 2011. Naquele momento, Mourinho era treinador do Real e também apoiou o boicote. 

 

Nesta segunda-feira, foi a vez do português fazer a festa. "É uma grande satisfação. Tivemos uma temporada incrível", disse o português. "Agradeço aos meus companheiros, minha família e dizer que 2016 foi o melhor ano da minha carreira. Existiam dúvidas.

 

Mas as pessoas não são cegas. Depois do que eu ganhei no clube e na seleção, sabia que poderia ganhar esse título", insistiu. "Os prêmios falam por si só", disse, lamentando a ausência dos jogadores do Barcelona.

 

A ausência do Barça ainda criou um mal-estar quando a Fifa anunciou a seleção do mundo. Quatro dos jogadores eram do clube catalão: Messi, Iniesta, Piqué e Suárez. Iniesta enviou uma mensagem por vídeo, "desculpando por não estar na gala por uma partida transcendental". Mas, no palco, o time incompleto chamava a atenção. A seleção ainda contou com Modric, Manuel Neuer, Sergio Ramos, Marcelo, Dani Alves e Kroos. 

 

Levou ainda o prêmio de melhor treinador o italiano Claudio Ranieri, que conduziu o Leicester City ao título na Inglaterra. Ele bateu Fernando Santos, que conquistou a Eurocopa como Portugal e Zinedine Zidane, do Real Madrid. Entre as mulheres, a vencedora foi Silvia Neider, da Alemanha. 

 

 

Resgate

 

A festa também foi amplamente usada pelo presidente da Fifa, Gianni Infantino, para mostrar ao mundo que alguns dos maiores jogadores estavam ao seu lado e tentar apagar os meses de crise na entidade. Foram pelo menos 20 grandes nomes do esporte convocados para a festa, para jogos amistosos e mesmo para distribuir autógrafos. 

 

Um deles foi o brasileiro Ronaldo, que usou a oportunidade para elogiar a Fifa, indicando que era "importante ver o comportamento da entidade, colocando os jogadores como protagonistas e não os escândalos de corrupção". Ronaldo era parte do Comitê Organizador da Copa de 2014, permeada de escândalos.  

 

Mas o grande trunfo de Infantino era Diego Maradona, que por anos acusou a Fifa de "mafiosa" e corrupta. Sua presença na entidade era vendida como a "prova" de que a página de escândalos tinha sido virada. "Queremos ajudar a fazer uma Fifa transparente, purista e limpa. É o que o mundo quer", declarou. "O futebol tão corrupto precisa acabar", defendeu, sentando na primeira fila da festa. Também coube ao argentino entregar o prêmio ao melhor treinador.

 

Logo antes da eleição na Fifa, quando Michel Platini ainda era candidato ao comando da entidade, Maradona chegou a acusar o francês de "saber como roubar como Blatter". Agora, ele é o cabo eleitoral das propostas de Infantino, o ex-braço-direito de Platini.

 

"Depois de tudo o que roubaram e de toda a corrupção, é bom ver caras novas" disse Maradona.  "É incrível ver quantos craques estão aqui. O futebol voltou", completou Infantino.

Fonte: Estadão
Veja Também