Sul de Minas
Prefeitura interdita complexo onde menino morreu em Poços de Caldas

11/01/2017

Decisão é parcial e piscinas devem ser reabertas no próximo sábado (14). No domingo (8), menino de 5 anos se afogou enquanto nadava no local.

Matéria extraída do G1

 

A prefeitura interditou na manhã desta quarta-feira (11) as piscinas do Complexo Aquático Maria Cristina Bianchi, no Conjunto Habitacional, em Poços de Caldas. Ainda segundo a prefeitura, a decisão é parcial e as piscinas devem ser reabertas no próximo sábado (14). A medida foi tomada depois que, na tarde do último domingo (8), Murilo Henrique de Oliveira, de 5 anos, morreu afogado, quando nadava no local.

 

"A gente tomou uma decisão de interditar agora, para que a gente pudesse fazer uma vistoria melhor e para ver as condições de segurança do local. É bom deixar claro que o acidente que ocorreu foi uma fatalidade e em nada ele tem haver com o estado do complexo. Agora, que o complexo precisa de reforma, basta ir lá para ver que realmente as condições são péssimas. Nós pretendemos fazer uma reforma lá no período do inverno, para que no verão desse ano ainda, a partir de setembro e outubro, a gente já possa entregar o complexo em boas condições", explicou o prefeito Sérgio Azevedo (PSDB).

 

 

Prefeitura interdita complexo onde menino morreu em Poços de Caldas.

 

 

Para evitar que a água volte a ficar esverdeada, a prefeitura deu início a um processo de compra de um filtro. Enquanto isso, após a interdição, o primeiro passo foi a limpeza da água das piscinas que começaram a ser tradadas na manhã desta quarta-feira.

 

"Dessa vez comprou bastante produto e a gente está jogando e essa aspiração que eu estou fazendo tem que ser feita todos os dias, não só na segunda-feira, mas todos os dias", disse Cristiano Aparecido Domingues, salva-vidas do local.

 

Além disso, alguns vestiários foram fechados, porque a prefeitura acredita que eles oferecem riscos à população. Nas paredes, há rachaduras e parte do teto está sustentada por escoras. Outra novidade é que o local passará a contar com a presença de um vigia e as piscinas terão dois salva-vidas.

 

"Nós colocaremos um vigia no período da noite para evitar as invasões. Fecharemos parcialmente alguns vestiários, que infelizmente está em uma situação precária. Usaremos [o serviço] de dois guarda-vidas para dar mais tranquilidade para o pessoal e vamos estar mais atentos em todas as ações para não acontecer nada que agrave ou prejudique a população", contou o secretário Esportes e Lazer, Wellington Magalhães.

 

Enquanto o Complexo Aquático na zona Sul estiver fechado, a opção são as piscinas do Country Club, na zona Oeste da cidade. Para frequentar o local é necessário levar um atestado médico e pagar uma taxa de R$ 11 pela diária. Entretanto, também é possível fazer planos familiares.

 

Além disso, alguns vestiários foram fechados, porque a prefeitura acredita que eles oferecem riscos à população. Nas paredes, há rachaduras e parte do teto está sustentada por escoras. Outra novidade é que o local passará a contar com a presença de um vigia e as piscinas terão dois salva-vidas.

 

"Nós colocaremos um vigia no período da noite para evitar as invasões. Fecharemos parcialmente alguns vestiários, que infelizmente está em uma situação precária. Usaremos [o serviço] de dois guarda-vidas para dar mais tranquilidade para o pessoal e vamos estar mais atentos em todas as ações para não acontecer nada que agrave ou prejudique a população", contou o secretário Esportes e Lazer, Wellington Magalhães.

 

Enquanto o Complexo Aquático na zona Sul estiver fechado, a opção são as piscinas do Country Club, na zona Oeste da cidade. Para frequentar o local é necessário levar um atestado médico e pagar uma taxa de R$ 11 pela diária. Entretanto, também é possível fazer planos familiares.

 

 

Piscinas do Country Club são alternativas enquanto complexo estiver fechado.

Fonte: G1
Veja Também