Notícias
Marcha de supremacistas brancos gera violência em cidade dos EUA

12/08/2017

Protesto de manifestantes de direita dá origem a confrontos em Charlotesville, cidade da Virginia, que decretou estado de emergência para conter os tumultos.

 

O governador da Virgínia (EUA), o democrata Terry McAuliffe, declarou neste sábado estado de emergência para “ajudar na resposta do poder público” à onda de violência iniciada na noite de sexta-feira na cidade de Charlottesville por causa de uma manifestação de supremacistas brancos e outros militantes nacionalistas de direita contra a retirada de uma estátua do general Robert E. Lee, líder dos confederados na Guerra Civil americana.

 

Na noite de sexta-feira, na Universidade da Virginia, manifestantes racistas, carregando tochas, gritavam slogans como “os judeus não irão tomar nosso lugar” e “vidas brancas importam” – esta última uma referência ao movimento negro Black Lives Matter, contra a violência policial. A manifestação gerou confrontos com estudantes durante a madrugada. Alguns militantes carregavam símbolos nazistas e ofendiam negros, judeus e gays.

 

Na manhã deste sábado, mesmo após o governo local declarar ilegal o protesto, os supremacistas brancos decidiram realizar uma marcha chamada “Unite Right” (“Unir a direita”), o que ampliou ainda mais os confrontos com grupos rivais, agora com paus, barras de ferro, socos e pontapés. Brigas se espalharam pelas ruas de Charlottesville. Há feridos, mas nenhum número oficial foi divulgado ainda.

 

O principal palco do confronto é o local que abriga a estátua, o Emancipation Park, que antes se chamava Robert E. Lee e teve o nome alterado – a polícia, com megafones, pediu aos frequentadores que evacuassem o local.  Mais de mil policiais foram deslocados para conter os confrontos. Segundo a polícia, a marcha, prevista para esta tarde, deve reunir até 6.000 pessoas, incluindo membros da Ku Klux Klan, histórico grupo racista dos EUA.

 

 

Cidade progressista

 

Charlottesville, onde nasceu um dos pais da democracia americana, Thomas Jefferson, é conhecida como uma cidade progressista. Com cerca de 50 mil habitantes, em torno de 80% dos eleitores votaram na democrata Hillary Clinton na disputa contra o republicano Donald Trump pela presidência do país no ano passado.

 

Os movimentos de direita na cidade, no entanto, têm crescido nos últimos meses, por conta de indignação com a suposta intenção do governo local de remover símbolos dos confederados, como a estátua de Robert E. Lee.

 

O prefeito de Charlottesville, Mike Signer, divulgou uma nota na qual chama a marcha dos supremacistas de um “desfile covarde de ódio, fanatismo, racismo e intolerância”, que marcham pelos gramados do arquiteto da nossa Declaração de Direitos”, em referência a Thomas Jefferson.

 

“Todo mundo tem direito, sob a Primeira Emenda, de expressar sua opinião de forma pacífica, então aqui está a minha: não só como prefeito de Charlottesville, mas como membro e ex-aluno do corpo docente da Universidade da Virginia, estou incomodado com essa indicação pública de intimidação desautorizada e desprezível”, afirmou.

 

Jason Kessler, que organizou a “Unite the Right”, afirmou que não se considera um nacionalista branco, mas disse que “vamos começar a defender nossa história”. “A estátua em si é simbólica de muitas questões maiores. As três principais questões são a preservação da história contra essa censura e revisionismo – essa correção política -, o direito de os brancos também defenderem seus interesses e a liberdade de expressão”, disse à CNN. Segundo ele, a marcha visa respaldar os “grandes homens brancos que estão sendo difamados, caluniados e derrubados nos EUA”.

 

 

Manifestantes protestam contra supremacistas brancos, em Charlottesville, Virginia. 

Fonte: VEJA
Veja Também