news:

Bem Estar

OMS alerta para aumento da obesidade infantil


foto_principal.jpg
10/10/2017

Há 124 milhões de crianças e adolescentes obesos no mundo, afirma Organização Mundial da Saúde. Excesso de açúcar na alimentação e falta de exercício são maiores culpados.A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou nesta quarta-feira (11/10) para o aumento da obesidade infantil em todo o mundo.

 

 

OMS pede que governos elevem imposto de refrigerantes e sucos

 

O número de crianças e adolescentes obesos passou de cerca de 11 milhões, em 1975, para 124 milhões em 2016, segundo a OMS e o Imperial College de Londres. Além disso, há mais 123 milhões de pessoas entre os 5 e os 19 anos de idade com excesso de peso.

 

O coordenador do estudo, Majid Ezzati, explicou que o aumento da população é responsável por apenas 10% desse crescimento. Os demais 90% se explicam pelo fato de haver mais crianças gordas hoje do que antigamente. Há 40 anos havia uma criança obesa para cada cem, e hoje há seis para cada cem no caso das meninas, e oito para cada cem no dos meninos.

 

Segundo os especialistas, a tendência é que essa proporção aumente ainda mais. Nos países ricos, os números não estão mais aumentando, porém se mantêm num nível elevado. Já nos países pobres e de renda média, a situação é alarmante, afirmaram os cientistas.

 

Eles culparam a falta de exercícios e a má alimentação. Esta é estimulada por comerciais de produtos com muito açúcar e pelos elevados preços de alimentos saudáveis, afirmaram.

 

A OMS deu algumas recomendações para reverter a tendência. Autoridades de saúde devem informar melhor as famílias sobre a alimentação saudável, incentivar as mães a exclusivamente amamentar os recém-nascidos nos primeiros seis meses, oferecer alimentos saudáveis nas escolas e facilitar a prática de esportes pelas crianças.

 

"Deve ser seguro caminhar ou andar de bicicleta até a escola", disse Fiona Bull, da OMS. Segundo ela, o combate ao cigarro mostrou que o aumento de impostos também pode ajudar as pessoas a evitar os alimentos não saudáveis. A obesidade eleva os riscos de diabetes, câncer e ataques cardíacos, lembraram os especialistas.

 

Para a classificação foi utilizado o chamado índice de massa corporal, que é calculado fazendo a divisão do peso de um corpo pela sua altura ao quadrado. Se o resultado estiver entre 25 e 30, há excesso de peso, e mais de 30 significa obesidade.

 

O estudo considerou as medidas corporais de 130 milhões de pessoas no mundo, incluindo 31,5 milhões com idades entre os 5 e os 19 anos.

Há 124 milhões de crianças e adolescentes obesos no mundo, afirma Organização Mundial da Saúde. Excesso de açúcar na alimentação e falta de exercício são maiores culpados.A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou nesta quarta-feira (11/10) para o aumento da obesidade infantil em todo o mundo.


 


 


OMS pede que governos elevem imposto de refrigerantes e sucos


 


O número de crianças e adolescentes obesos passou de cerca de 11 milhões, em 1975, para 124 milhões em 2016, segundo a OMS e o Imperial College de Londres. Além disso, há mais 123 milhões de pessoas entre os 5 e os 19 anos de idade com excesso de peso.


 


O coordenador do estudo, Majid Ezzati, explicou que o aumento da população é responsável por apenas 10% desse crescimento. Os demais 90% se explicam pelo fato de haver mais crianças gordas hoje do que antigamente. Há 40 anos havia uma criança obesa para cada cem, e hoje há seis para cada cem no caso das meninas, e oito para cada cem no dos meninos.


 


Segundo os especialistas, a tendência é que essa proporção aumente ainda mais. Nos países ricos, os números não estão mais aumentando, porém se mantêm num nível elevado. Já nos países pobres e de renda média, a situação é alarmante, afirmaram os cientistas.


PATROCINADORES

 


Eles culparam a falta de exercícios e a má alimentação. Esta é estimulada por comerciais de produtos com muito açúcar e pelos elevados preços de alimentos saudáveis, afirmaram.


 


A OMS deu algumas recomendações para reverter a tendência. Autoridades de saúde devem informar melhor as famílias sobre a alimentação saudável, incentivar as mães a exclusivamente amamentar os recém-nascidos nos primeiros seis meses, oferecer alimentos saudáveis nas escolas e facilitar a prática de esportes pelas crianças.


 


"Deve ser seguro caminhar ou andar de bicicleta até a escola", disse Fiona Bull, da OMS. Segundo ela, o combate ao cigarro mostrou que o aumento de impostos também pode ajudar as pessoas a evitar os alimentos não saudáveis. A obesidade eleva os riscos de diabetes, câncer e ataques cardíacos, lembraram os especialistas.


 


Para a classificação foi utilizado o chamado índice de massa corporal, que é calculado fazendo a divisão do peso de um corpo pela sua altura ao quadrado. Se o resultado estiver entre 25 e 30, há excesso de peso, e mais de 30 significa obesidade.


 


O estudo considerou as medidas corporais de 130 milhões de pessoas no mundo, incluindo 31,5 milhões com idades entre os 5 e os 19 anos.


Há 124 milhões de crianças e adolescentes obesos no mundo, afirma Organização Mundial da Saúde. Excesso de açúcar na alimentação e falta de exercício são maiores culpados.A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou nesta quarta-feira (11/10) para o aumento da obesidade infantil em todo o mundo.



OMS pede que governos elevem imposto de refrigerantes e sucos



O número de crianças e adolescentes obesos passou de cerca de 11 milhões, em 1975, para 124 milhões em 2016, segundo a OMS e o Imperial College de Londres. Além disso, há mais 123 milhões de pessoas entre os 5 e os 19 anos de idade com excesso de peso.



PATROCINADORES

O coordenador do estudo, Majid Ezzati, explicou que o aumento da população é responsável por apenas 10% desse crescimento. Os demais 90% se explicam pelo fato de haver mais crianças gordas hoje do que antigamente. Há 40 anos havia uma criança obesa para cada cem, e hoje há seis para cada cem no caso das meninas, e oito para cada cem no dos meninos.



Segundo os especialistas, a tendência é que essa proporção aumente ainda mais. Nos países ricos, os números não estão mais aumentando, porém se mantêm num nível elevado. Já nos países pobres e de renda média, a situação é alarmante, afirmaram os cientistas.



Eles culparam a falta de exercícios e a má alimentação. Esta é estimulada por comerciais de produtos com muito açúcar e pelos elevados preços de alimentos saudáveis, afirmaram.



PATROCINADORES

A OMS deu algumas recomendações para reverter a tendência. Autoridades de saúde devem informar melhor as famílias sobre a alimentação saudável, incentivar as mães a exclusivamente amamentar os recém-nascidos nos primeiros seis meses, oferecer alimentos saudáveis nas escolas e facilitar a prática de esportes pelas crianças.



"Deve ser seguro caminhar ou andar de bicicleta até a escola", disse Fiona Bull, da OMS. Segundo ela, o combate ao cigarro mostrou que o aumento de impostos também pode ajudar as pessoas a evitar os alimentos não saudáveis. A obesidade eleva os riscos de diabetes, câncer e ataques cardíacos, lembraram os especialistas.



Para a classificação foi utilizado o chamado índice de massa corporal, que é calculado fazendo a divisão do peso de um corpo pela sua altura ao quadrado. Se o resultado estiver entre 25 e 30, há excesso de peso, e mais de 30 significa obesidade.



O estudo considerou as medidas corporais de 130 milhões de pessoas no mundo, incluindo 31,5 milhões com idades entre os 5 e os 19 anos.



Veja Também