Esporte
UFC tem derrota de Lyoto e Demian e fúria da torcida contra Covington

29/10/2017

Ao deixar o octógono, norte-americano foi alvejado por copos dos torcedores.

 

Com muitas vitórias de brasileiros e uma polêmica envolvendo o norte-americano Colby Covington, o UFC São Paulo foi o último do ano no Brasil e ficou marcado pela derrota de Lyoto Machida na luta principal, na noite deste sábado, no Ginásio do Ibirapuera.

 

O brasileiro, ex-campeão dos meio-pesados, retornava após cumprir suspensão de 18 meses por doping. Ele enfrentou Derek Brunson, mas sofreu com golpes do adversário e foi nocauteado aos 2min30s do primeiro round. Essa foi sua terceira derrota seguida.

 

O público mostrou respeito ao vencedor e o aplaudiu, ao contrário do que havia acontecido antes, quando Demian Maia enfrentou o falastrão Colby Covington.

 

O veterano, especialista no jiu-jítsu, tentou levar o combate para o chão em diversas oportunidades, sem sucesso. No final, os juízes deram a vitória para Covington por decisão unânime, em uma luta bastante sangrenta. Após a vitória, o norte-americano provocou ainda mais a torcida e falou muitas besteiras ao microfone.

 

"Eu fico um pouco desapontado, pois vim aqui para aposentar o Demian Maia e finalizá-lo. Mas depois do que aconteceu, eu não acho que ele vá voltar, então estou feliz. A reação da torcida era o que eu esperava, eles me odeiam e eu não os respeito. Eles não precisam traduzir o que eu disse porque eu estava falando com os Estados Unidos, onde meus fãs me apoiam. O Brasil é um chiqueiro de animais imundos", afirmou.

 

Ao deixar o octógono, foi alvejado por copos dos torcedores e teve que sair rápido. A raiva nem era tanto por causa da vitória, mas pelas provocações que fez aos brasileiros durante toda a semana, o que se manteve depois da luta. Os seguranças ajudaram o atleta a deixar a área de acesso ao octógono.

 

Segundo David Shaw, vice-presidente sênior internacional do UFC, o lutador será julgado pelo Comitê de Conduta. "Ele vai rever a situação, não estamos felizes com isso. Eu não conversei com ele nem com sua equipe depois da luta, mas punições são possíveis. É um novo território para nós e ainda vamos pensar nisso. Não gostamos do que aconteceu, pois investimos no mercado brasileiro e no apoio dos fãs", lamentou.

 

Em sua luta, Pedro Munhoz sofreu com os jabs de Rob Font, que o deixaram com sangue no rosto. Mas em uma ação rápida, ele aplicou uma guilhotina no adversário, que bateu e deu a vitória por finalização para o brasileiro. "A gente treina todo dia para isso, para dar um show. Estou preparado e provei que posso enfrentar qualquer um da categoria."

 

Em outra luta do card principal, Francisco Massaranduba teve um duelo equilibrado com Jim Miller, levou a melhor e venceu por decisão unânime. "Eu adoro o calor do público brasileiro, mas gosto mais ainda do MMA", explicou o atleta de 39 anos, que mostrou um ritmo forte. "Eu só treino, descanso e curto minha mulher e agora meu filho."

 

Já Thiago Marreta fez jus ao apelido e não tomou conhecimento de Jack Hermansson. No finalzinho do primeiro round, nocauteou o rival com uma sequência de socos. "Fico feliz de proporcionar esse espetáculo para o público. Ele é um ótimo lutador, é rápido, então minha estratégia foi ficar plantado e acertá-lo como um atirador de elite", disse.

 

Mesmo enfrentando um adversário 15 centímetros mais alto, o baixinho John Lineker provou no octógono sua força diante de Marlo Vera e ganhou por decisão unânime. "Estou muito feliz por ter voltado. Fiquei 10 meses parado, é normal cansar, mas meu objetivo é ser campeão do UFC e vou continuar assim. Soltaram a fera, agora estou aqui para ser campeão", avisou, feliz da vida.

Veja Também