news:

Bem Estar

ANVISA reconhece oficialmente a maconha como planta medicinal


foto_principal.jpg
03/11/2017

Depois de admitir as propriedades medicinais do canabidiol e do THC – dois produtos médicos derivados da maconha – em 2015, agora a Agência Nacional de Vigilância Sanitária publicou enfim uma medida que reconhece a Cannabis sativa oficialmente como uma planta medicinal. O marco é importante: trata-se do reconhecimento não de um derivado, mas sim da planta propriamente, do vegetal como uma planta com propriedades terapêuticas.

 

Lista da ANVISA.

 

A resolução foi publicada no Diário Oficial no dia 08 de maio, incluindo assim a planta na Farmacopeia Brasileira, código oficial farmacêutico do país, que estabelece os requisitos básicos para medicamentos no Brasil.

 

Canabidiol.

 

As possíveis mudanças práticas a partir do reconhecimento ainda não são claras, e a publicação da ANVISA não altera o fato da maconha ser proibida no Brasil – mas com certeza se abre o caminho para novos passos no que diz respeito à produção e consumo com finalidades médicas.

 

Farmácia especializada em maconha nos EUA.

 

Essa não é, no entanto, a primeira vez que a erva é reconhecida como uma planta medicinal no Brasil. Na primeira edição da Farmacopeia Brasileira, publicada em 1929, a maconha era citada. Só depois da primeira proibição da maconha por aqui, em 1938, é que ela foi retirada da lista, conforme revelou matéria da revista Superinteressante.

Remédios antigos feitos à base de maconha.

 

O fato de termos esperado quase 70 anos para recolocar a maconha no lugar onde ela já estava diz muito sobre a legislação a respeito da planta no Brasil. Agora é torcer para finalmente, nos futuros próximos, andarmos para frente.

Depois de admitir as propriedades medicinais do canabidiol e do THC – dois produtos médicos derivados da maconha – em 2015, agora a Agência Nacional de Vigilância Sanitária publicou enfim uma medida que reconhece a Cannabis sativa oficialmente como uma planta medicinal. O marco é importante: trata-se do reconhecimento não de um derivado, mas sim da planta propriamente, do vegetal como uma planta com propriedades terapêuticas.


 



Lista da ANVISA.


 


A resolução foi publicada no Diário Oficial no dia 08 de maio, incluindo assim a planta na Farmacopeia Brasileira, código oficial farmacêutico do país, que estabelece os requisitos básicos para medicamentos no Brasil.


 



Canabidiol.


 


PATROCINADORES

As possíveis mudanças práticas a partir do reconhecimento ainda não são claras, e a publicação da ANVISA não altera o fato da maconha ser proibida no Brasil – mas com certeza se abre o caminho para novos passos no que diz respeito à produção e consumo com finalidades médicas.


 



Farmácia especializada em maconha nos EUA.


 


Essa não é, no entanto, a primeira vez que a erva é reconhecida como uma planta medicinal no Brasil. Na primeira edição da Farmacopeia Brasileira, publicada em 1929, a maconha era citada. Só depois da primeira proibição da maconha por aqui, em 1938, é que ela foi retirada da lista, conforme revelou matéria da revista Superinteressante.



Remédios antigos feitos à base de maconha.


 


O fato de termos esperado quase 70 anos para recolocar a maconha no lugar onde ela já estava diz muito sobre a legislação a respeito da planta no Brasil. Agora é torcer para finalmente, nos futuros próximos, andarmos para frente.


Depois de admitir as propriedades medicinais do canabidiol e do THC – dois produtos médicos derivados da maconha – em 2015, agora a Agência Nacional de Vigilância Sanitária publicou enfim uma medida que reconhece a Cannabis sativa oficialmente como uma planta medicinal. O marco é importante: trata-se do reconhecimento não de um derivado, mas sim da planta propriamente, do vegetal como uma planta com propriedades terapêuticas.





Lista da ANVISA.



A resolução foi publicada no Diário Oficial no dia 08 de maio, incluindo assim a planta na Farmacopeia Brasileira, código oficial farmacêutico do país, que estabelece os requisitos básicos para medicamentos no Brasil.



PATROCINADORES



Canabidiol.



As possíveis mudanças práticas a partir do reconhecimento ainda não são claras, e a publicação da ANVISA não altera o fato da maconha ser proibida no Brasil – mas com certeza se abre o caminho para novos passos no que diz respeito à produção e consumo com finalidades médicas.



PATROCINADORES



Farmácia especializada em maconha nos EUA.



Essa não é, no entanto, a primeira vez que a erva é reconhecida como uma planta medicinal no Brasil. Na primeira edição da Farmacopeia Brasileira, publicada em 1929, a maconha era citada. Só depois da primeira proibição da maconha por aqui, em 1938, é que ela foi retirada da lista, conforme revelou matéria da revista Superinteressante.





Remédios antigos feitos à base de maconha.



O fato de termos esperado quase 70 anos para recolocar a maconha no lugar onde ela já estava diz muito sobre a legislação a respeito da planta no Brasil. Agora é torcer para finalmente, nos futuros próximos, andarmos para frente.



Veja Também