news:

Notícias

Incêndio devasta complexo arqueológico milenar no Peru


foto_principal.jpg
13/11/2017

Um incêndio destruiu neste domingo um mural de 2.000 anos e grande parte dos vestígios de um complexo arqueológico no norte do Peru, anunciou o diretor do Museu Tumbas Reais de Sipán, Walter Alva.

 

“Recebi a lamentável e trágica notícia de um incêndio que destruiu o monumento arqueológico de Ventarrón”, afirmou Alva em um comunicado.

 

Ventarrón é considerado a expressão arquitetônica primordial do norte do Peru, que abrigava, segundo o arqueólogo, “a pintura mural mais antiga da América”.

 

O fogo destruiu vasos de cerâmica, murais de mais de 2.000 anos e informações documentais do Complexo Arqueológico Ventarrón em Pomalca, na região de Lambayeque.

 

O incêndio foi iniciado por funcionários da empresa agroindustrial Pomalca, que queimaram um campo de cana-de-açúcar.

 

“Estamos perdendo um monumento excepcional e único em seu gênero. Espero que investiguem e estabeleçam responsabilidades. Posso apenas expressar minha indignação tristeza com esta perda irreparável”, destacou Alva.

 

Os bombeiros informaram que conseguiram controlar o incêndio em 95%. Funcionários do Ministério Público devem visitar a região e examinam a possibilidade de responsabilizar a direção da empresa Pomalca.

 

O ministério da Cultura condenou qualquer ato contra o patrimônio cultural e pediu uma investigação.

 

Especialistas viajaram a Ventarrón para examinar os danos.

 

O sítio arqueológico de Ventarrón é um templo de 4.500 anos que fica do lado oeste das encostas de mesmo nome e tem pinturas murais.

Um incêndio destruiu neste domingo um mural de 2.000 anos e grande parte dos vestígios de um complexo arqueológico no norte do Peru, anunciou o diretor do Museu Tumbas Reais de Sipán, Walter Alva.


 


“Recebi a lamentável e trágica notícia de um incêndio que destruiu o monumento arqueológico de Ventarrón”, afirmou Alva em um comunicado.


 


Ventarrón é considerado a expressão arquitetônica primordial do norte do Peru, que abrigava, segundo o arqueólogo, “a pintura mural mais antiga da América”.


 


O fogo destruiu vasos de cerâmica, murais de mais de 2.000 anos e informações documentais do Complexo Arqueológico Ventarrón em Pomalca, na região de Lambayeque.


 


O incêndio foi iniciado por funcionários da empresa agroindustrial Pomalca, que queimaram um campo de cana-de-açúcar.


PATROCINADORES

 


“Estamos perdendo um monumento excepcional e único em seu gênero. Espero que investiguem e estabeleçam responsabilidades. Posso apenas expressar minha indignação tristeza com esta perda irreparável”, destacou Alva.


 


Os bombeiros informaram que conseguiram controlar o incêndio em 95%. Funcionários do Ministério Público devem visitar a região e examinam a possibilidade de responsabilizar a direção da empresa Pomalca.


 


O ministério da Cultura condenou qualquer ato contra o patrimônio cultural e pediu uma investigação.


 


Especialistas viajaram a Ventarrón para examinar os danos.


 


O sítio arqueológico de Ventarrón é um templo de 4.500 anos que fica do lado oeste das encostas de mesmo nome e tem pinturas murais.


Um incêndio destruiu neste domingo um mural de 2.000 anos e grande parte dos vestígios de um complexo arqueológico no norte do Peru, anunciou o diretor do Museu Tumbas Reais de Sipán, Walter Alva.



“Recebi a lamentável e trágica notícia de um incêndio que destruiu o monumento arqueológico de Ventarrón”, afirmou Alva em um comunicado.



Ventarrón é considerado a expressão arquitetônica primordial do norte do Peru, que abrigava, segundo o arqueólogo, “a pintura mural mais antiga da América”.



PATROCINADORES

O fogo destruiu vasos de cerâmica, murais de mais de 2.000 anos e informações documentais do Complexo Arqueológico Ventarrón em Pomalca, na região de Lambayeque.



O incêndio foi iniciado por funcionários da empresa agroindustrial Pomalca, que queimaram um campo de cana-de-açúcar.



“Estamos perdendo um monumento excepcional e único em seu gênero. Espero que investiguem e estabeleçam responsabilidades. Posso apenas expressar minha indignação tristeza com esta perda irreparável”, destacou Alva.



PATROCINADORES

Os bombeiros informaram que conseguiram controlar o incêndio em 95%. Funcionários do Ministério Público devem visitar a região e examinam a possibilidade de responsabilizar a direção da empresa Pomalca.



O ministério da Cultura condenou qualquer ato contra o patrimônio cultural e pediu uma investigação.



Especialistas viajaram a Ventarrón para examinar os danos.



O sítio arqueológico de Ventarrón é um templo de 4.500 anos que fica do lado oeste das encostas de mesmo nome e tem pinturas murais.



Veja Também