Cruzeiro: quase R$ 10 milhões em vendas trazem alívio, mas não fecham a conta

Publicado por Tv Minas em 19/02/2021 às 12h58

Raposa ainda busca venda de Orejuela, mas garante pagamento ao PSTC para registro de atletas

Com as vendas de Jadsom Silva ao Red Bull Bragantino (R$ 3,24 milhões), e também de Cacá ao Tokushima Vortis, do Japão (R$ 6,48 milhões), o Cruzeiro vai abocanhar cerca de R$ 10 milhões, um dinheiro muito bem-vindo para o atual momento do clube e que será revertido para o pagamento de necessidades urgentes. Dentre elas, estão os salários atrasados do futebol. A quitação completa do débito com os atletas ainda não poderá ser efetuada, já que o valor estimado chega a R$ 15 milhões, levando em consideração o período de férias do elenco

Atualmente, o Cruzeiro deve aos jogadores quatro folhas salariais contando com o 13º salário. Cada folha da Raposa, levando em consideração os valores repassados da última temporada, está em R$ 3,5 milhões. No mês passado, o clube pagou parte dos valores em débito aos atletas. É a solução do time para conseguir trazer, ao menos, fluidez, antes que outras quantias, como patrocínio, possam cair nos cofres celestes.

Além das dívidas com os jogadores, o Cruzeiro terá ainda que destinar parte do valor arrecadado com as vendas de Jadsom e Cacá ao PSTC, do Paraná. O time do sul do país tem direito a receber R$ 1,3 milhão, referente a 20% da venda do zagueiro Bruno Viana ao Olympiacos, da Grécia, ainda em 2017. A dívida, que foi parar em discussão na CNRD (Câmara Nacional de Resolução e Disputas), gerou uma punição ao Cruzeiro. O clube está impedido de registrar atletas. No entanto, André Mazzuco, em entrevista à Super 91.7 FM, garantiu que o problema não preocupa a diretoria e o pagamento será efetuado para garantir a presença dos reforços celestes na estreia do Campeonato Mineiro. 

"Em relação ao registro, isso será liberado nos próximos dias. É uma situação que fatalmente tem que ser resolvida", garantiu Mazzuco. 

As vendas podem não estar dentro da realidade que o Cruzeiro se acostumou ao longo da história, mas ainda mostram a boa aceitação que o clube possui no mercado. "Há, claro, uma desvalorização do Cruzeiro devido ao rebaixamento, mas a história do Cruzeiro o mantém com bom nome no mercado. É um impacto que o Cruzeiro sente", apontou o diretor de futebol do time celeste. 

 

Para fechar a conta

Paralelamente, outra possibilidade de venda pode fazer com que o Cruzeiro feche a conta. O lateral-direito colombiano Luís Orejuela aguarda a definição de seu futuro. Recentemente, a imprensa colombiana apontou uma possível ida do atleta para o Millonarios, com uma proposta na casa de US$1,5 milhão, que na cotação atual corresponderia a cerca de R$ 8,1 milhões. O clube, no entanto, não comenta negociações e segue na expectativa por ofertas pelo jogador. O Cruzeiro possui 50% dos direitos de Orejuela e o vínculo do atleta com a Raposa vai até o fim de 2023.

 

Dívidas adjacentes

Recentemente, o presidente do Guarani apontou que o Cruzeiro ainda não pagou a multa rescisória do técnico Felipe Conceição, estimada em R$ 100 mil. Com a possibilidade de saídas imediatas de atletas que não serão mais utilizados, outros encargos serão imputados à Raposa, como o pagamento a Patrick Brey, que tenta antecipar o fim de seu contrato, datado para o mês de março.

Patrocinador:

Fonte: O TEMPO

Compartilhe essa matéria: