Mãe de Henry chora durante primeira noite na prisão

Publicado por Tv Minas em 10/04/2021 às 18h30

Monique Almeida Medeiros foi presa por suspeita de envolvimento na morte do filho Henry Borel, de 4 anos.

Em sua primeira noite na cadeia após a prisão por suspeita de envolvimento na morte do filho, a professora Monique Almeida Medeiros, mãe de Henry Borel, de 4 anos, chorou por toda a noite. Ela ficará isolada em uma cela por 14 dias.

Na quarta-feira (7), a juíza Elizabeth Louro, do 2º Tribunal do Júri decretou a prisão, por 30 dias, de Monique e do vereador Dr. Jairinho, suspeitos de assassinato do menino Henry.

Na quinta-feira (8) pela manhã, o casal foi preso em uma casa em Bangu, na Zona Oeste do Rio. Mais tarde, passariam a primeira noite presos, em cadeias diferentes.

A polícia prendeu o vereador carioca Dr. Jairinho (Solidariedade), padrasto do menino Henry Borel, e Monique Medeiros, mãe do garoto — Foto: TV Globo/ReproduçãoA polícia prendeu o vereador carioca Dr. Jairinho (Solidariedade), padrasto do menino Henry Borel, e Monique Medeiros, mãe do garoto.

Monique faz uso de remédios controlados. Mesmo assim, segundo o G1 apurou, passou a madrugada muito nervosa e chorando boa parte do período.

Diferente da chegada ao presídio em Niterói, na Região Metropolitana do Rio, quando aparentava tranquilidade, Monique não resistiu e caiu no choro.

Após receber um pacote com sandálias, camisa, calça, toalha e kit higiene, a mãe de Henry foi encaminhada à cela onde passou a noite.

O G1 apurou que Monique pode ficar mais tempo afastada de outras detentas, além do isolamento em uma cela pela quarentena que precisa fazer por causa da Covid. O motivo é que ela corre risco de ser agredida pelas outras presas.

Detalhes da cela onde Monique Medeiros está presa — Foto: Reprodução/TV GloboDetalhes da cela onde Monique Medeiros está presa,

 

Jairinho é levado a UPA

Em sua primeira noite, no Complexo Penitenciário de Gericinó, na Zona Oeste do Rio, o Dr. Jairinho também chorou e aparentava muito nervosismo.

Durante o dia, ele chegou a ser levado à uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no interior do complexo. A Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap) não informou o estado de saúde de Jairinho.

Ele passará esses primeiros 14 dias preso em isolamento por causa da Covid.

 

A morte de Henry:

Henry chegou morto a um hospital da Zona Oeste do Rio na madrugada do dia 8 de março, com hemorragia e edemas pelo corpo.

As investigações concluíram que Dr. Jairinho agredia o menino com chutes e golpes na cabeça e chegaram a falar em tortura. Segundo a polícia, a mãe do garoto sabia disso pelo menos desde fevereiro.

Por mensagens, a babá da criança narrou em tempo real à mãe de Henry a tortura do menino por Dr. Jairinho. A conversa recuperada pela polícia mostra que o vereador se trancou em quarto com Henry e aumentou o som da TV.

O menino Henry Borel, de 4 anos, — Foto: ReproduçãoO menino Henry Borel, de 4 anos.

Os dois vinham negando qualquer envolvimento com a morte de Henry e não deram declarações ao serem presos. Na delegacia, o advogado voltou a alegar inocência.

Embora o inquérito ainda não tenha sido concluído, a polícia acredita que Henry foi assassinado e que os dois são suspeitos de homicídio duplamente qualificado – com emprego de tortura e impossibilidade de defesa da vítima.

Fonte: G1

Compartilhe essa matéria: