Nasa revela a beleza misteriosa do inverno em Marte

Publicado por Tv Minas em 30/12/2022 às 10h56

Fonte: CNN

Planeta vermelho se transforma em um paraíso sobrenatural no inverno.

Marte pode parecer um lugar seco e inóspito, mas o planeta vermelho se transforma em um paraíso sobrenatural no inverno, de acordo com um novo vídeo compartilhado pela Nasa.

É final do inverno no hemisfério Norte de Marte, onde o robô Perseverance e o helicóptero Ingenuity estão explorando um antigo delta de rio que outrora alimentava a Cratera Jezero bilhões de anos atrás.

Como principal característica do planeta, a poeira também determina o clima marciano. A poeira geralmente anuncia a chegada do inverno, mas o planeta não é estranho à neve, gelo e geada. Nos polos marcianos, a temperatura pode cair até 123 graus Celsius negativos.

Existem dois tipos de neve em Marte. Um é o tipo que experimentamos na Terra, feito de água congelada. O fino ar marciano e as temperaturas abaixo de zero significam que a neve tradicional sublima, ou transita de um sólido diretamente para um gás, antes de tocar o solo em Marte.

O outro tipo de neve marciana é à base de dióxido de carbono, ou gelo seco, e pode cair na superfície. Alguns metros de neve tendem a cair em Marte em suas regiões planas perto dos polos.

“Quedas suficientes para que você possa atravessá-la com raquetes de neve”, disse Sylvain Piqueux, cientista do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa em Pasadena, Califórnia, em um comunicado. “Se você estivesse procurando esquiar, porém, teria que entrar em uma cratera ou penhasco, onde a neve poderia se acumular em uma superfície inclinada”.

Até agora, nenhum orbitador ou rover conseguiu ver a neve cair no planeta vermelho porque o fenômeno climático ocorre apenas nos polos sob a cobertura de nuvens à noite. As câmeras dos orbitadores não podem espiar através das nuvens, e nenhum explorador robótico que pudesse sobreviver às temperaturas congelantes nos polos foi desenvolvido.

No entanto, o instrumento Mars Climate Sounder no Mars Reconnaissance Orbiter pode detectar a luz que é invisível ao olho humano. Ele fez detecções de neve de dióxido de carbono caindo nos polos marcianos. A sonda Phoenix, que chegou a Marte em 2008, também usou um de seus instrumentos a laser para detectar neve congelada de seu local a cerca de 1.609 quilômetros de distância do polo Norte marciano.

Graças aos fotógrafos, sabemos que os flocos de neve na Terra são únicos e têm seis lados. Sob um microscópio, os flocos de neve marcianos provavelmente pareceriam um pouco diferentes.

“Como o gelo de dióxido de carbono tem uma simetria de quatro, sabemos que os flocos de neve de gelo seco teriam a forma de cubo”, disse Piqueux. “Graças ao Mars Climate Sounder, podemos dizer que esses flocos de neve seriam menores do que a largura de um fio de cabelo humano”.

Geadas à base de gelo e dióxido de carbono também se formam em Marte e podem ocorrer mais longe dos polos. O orbitador Odyssey (que entrou na órbita de Marte em 2001) observou a formação de gelo e sua transformação em gás à luz do sol, enquanto os aterrissadores Viking avistaram gelo em Marte quando chegaram na década de 1970.

No final do inverno, o acúmulo de gelo da estação pode derreter e se transformar em gás, criando formas únicas que lembraram aos cientistas da Nasa o queijo suíço, manchas dálmatas, ovos fritos, aranhas e outras formações incomuns.

Durante o inverno na Cratera Jezero, as altas temperaturas recentes foram de cerca de -13°C, enquanto as baixas foram de cerca de menos -84°C.

Enquanto isso, na Cratera Gale no hemisfério Sul perto do equador marciano, o rover Curiosity, que pousou em Marte em 2012, experimentou máximas -15°C e mínimas de -76°C.

As estações em Marte tendem a durar mais porque a órbita oval do planeta ao redor do Sol significa que um único ano marciano tem 687 dias, ou quase dois anos terrestres.

Os cientistas da Nasa comemoraram o ano novo de Marte em 26 de dezembro, que coincidiu com a chegada do equinócio da primavera no hemisfério Norte.

“Os cientistas contam os anos de Marte a partir do equinócio de primavera do Norte do planeta, que ocorreu em 1955 – um ponto arbitrário para começar, mas é útil ter um sistema”, de acordo com um post na página da Nasa Mars no Facebook. “A numeração dos anos de Marte ajuda os cientistas a acompanhar as observações de longo prazo, como os dados meteorológicos coletados pelas espaçonaves da Nasa ao longo das décadas”.

 

Tanto a água quanto o gelo seco têm um papel importante na escultura da superfície de Marte em altas latitudes.

 

Imagem mostra um campo de dunas polares único durante a primavera do Norte, revelando alguns padrões interessantes.

Compartilhe essa matéria: