PCC proíbe empinar moto na periferia de SP e espanca quem desobedece

Publicado por Tv Minas em 17/12/2021 às 10h18

“Proibido tirar de giro e chamar no grau. Sujeito a cacete. Não aceitamos isso na nossa comunidade”, diz uma das faixas.

Em um vídeo publicado nas redes sociais nesta quinta-feira (16), um motociclista de Osasco, na Grande São Paulo, diz que o PCC (Primeiro Comando da Capital) tem espalhado faixas nas periferias informando que está proibido “tirar de giro” e “chamar no grau”, sob ameaça de espancar quem o fizer. As informações são da Folha.

No vídeo, o rapaz dá o recado sendo orientado por uma pessoa que não aparece nas imagens e, na sequência, aparece sendo espancado por outro homem, como punição por ter desobedecido a ordem da organização criminosa.

O termo “tirar de giro”, nas periferias, significa acelerar a moto para provocar uma explosão no escapamento, produzindo um barulho semelhante ao de um tiro de arma de fogo. Já “chamar no grau” é conhecido como a manobra na qual o motociclista se equilibra apenas na roda de trás da moto, empinando a roda da frente.

“Quero dizer que essas faixas são, sim, para serem respeitadas, entendeu, mano? Quem está colocando é a comunidade, é o crime, em prol da população”, diz o homem no vídeo publicado nas redes sociais.

Crédito: Reprodução/Redes Sociaisfaixas são espalhadasnas periferias informando que está proibido “tirar de giro” e “chamar no grau”.

Ele explica que as manobras colocam em risco a vida de crianças e idosos nas ruas, e por isso foram proibidas pela organização.

“Devido à molecada tirando giro, tirando um barato do pessoal, empinando, isso coloca em risco a criançada e idosos” e incomoda “trabalhador que não consegue dormir”, diz.

Ele explica que está publicando o vídeo para servir de exemplo, e na sequência aparece sendo espancado por outro homem, com socos, chutes e cotoveladas.

“Quem vier a fazer isso daí vai ser pego para exemplo, como eu estou sendo”, diz.

De acordo com a Folha, em todas as regiões de São Paulo, faixas foram colocadas informando sobre a proibição das manobras apontadas pelo homem no vídeo.

“Proibido tirar de giro e chamar no grau. Sujeito a cacete. Não aceitamos isso na nossa comunidade”, diz uma das faixas.

A reportagem apurou que em praticamente todas as regiões de São Paulo essas faixas foram vistas, inclusive em vias importantes de acesso a grandes favelas, como Heliópolis, na zona sul da capital.

Também foram identificadas pela reportagem as mesmas faixas em Parelheiros, na zona sul, e em Jaçanã, na zona norte. Em todas essas regiões o crime é monopolizado pelo PCC, maior facção criminosa do país.

Assim como na Grande São Paulo, os moradores desses bairros informam que elas foram colocadas nessas vias para aviso aos infratores, que são punidos em eventual desobediência. As punições geralmente ganham publicidade para conseguir o efeito dissuasório.

Não está claro nesse código do PCC qual a punição para os reincidentes.

 

Policia Civil investiga caso

O caso vem sendo investigado pela Polícia Civil, que quer descobrir quem colocou as faixas. Em alguns pontos, esses avisos visuais foram removidos por ordem da polícia. Os policiais também identificaram o rapaz espancado em Osasco, que não tinha feito boletim de ocorrência para reclamar do crime.

No inquérito, a polícia também realiza diligências para esclarecer todas as circunstâncias do fato.

A polícia também diz, em nota, que "a Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise) do município investiga outros locais na cidade em que possam existir faixas, no intuito de apurar eventuais crimes existentes por trás de tal comportamento".

E finaliza: "Com relação às faixas colocadas nas demais regiões, as delegacias das áreas mencionadas iniciaram apuração para verificar se há ligação entre a instalação dessas faixas e criminosos".

Cuidado, o vídeo abaixo contém imagens de violência.

 

Assista ao vídeo:

 

Veja também:

Academia que permite malhar pelado chega ao Brasil e horários estão cheios

=> Clique aqui para acessar a matéria completa.

A novidade já pode ser encontrada em algumas academias de São Paulo. Horários para os atletas pelados são alternativos e já estão concorridos.

Fonte: ISTOÉ

Compartilhe essa matéria: