news:

Ciência & Tecnologia

Empresa russa congela humanos e animais para um dia ressuscitá-los

Publicado por TV Minas em 06/01/2016

foto_principal.jpg

Na Rússia, a cidade de Serguiev Possad pode parecer à primeira vista apenas um município com pouco mais de 100 mil habitantes, mas é neste lugar teoricamente pacato em que se congelam humanos e animais para, um dia, serem ressuscitados.

 

A KrioRus é a única empresa fora dos Estados Unidos especializada em criônica e criopreservação – prática na qual os corpos são congelados no momento em que a morte clínica é diagnosticada, a fim de, um dia, quando a ciência for avançada o suficiente, eles voltem à vida. 

 

Nos galpões da companhia, 24 clientes “de corpo todo” atualmente estão armazenados de cabeça para baixo, presos pelos tornozelos (pois a temperatura é mais fria na parte de baixo do contêiner). Os demais escolheram a chamada neuropreservação, isto é, somente a cabeça é congelada. Alguns até foram refrigerados ao lado de seus animais de estimação.

 

Segundo o idealizador, Danila Medvedev, um dia a Rússia irá ultrapassar os EUA nas pesquisas, tornando o cenário ainda mais otimista para a sua empresa em busca da tão sonhada imortalidade humana. 

 

A ideia da criônica e da criopreservação começou nos anos 60 com o professor universitário Robert Ettinger após a publicação do livro “O Princípio da Imortalidade”, que defendia que uma pessoa congelada no exato momento de sua morte poderia ser trazida de volta à vida posteriormente. 

 

 

Medvedev, 35, acredita que a Rússia irá em breve ultrapassar os EUA nos pesquisas do anti-envelhecimento.

Na Rússia, a cidade de Serguiev Possad pode parecer à primeira vista apenas um município com pouco mais de 100 mil habitantes, mas é neste lugar teoricamente pacato em que se congelam humanos e animais para, um dia, serem ressuscitados.


 


A KrioRus é a única empresa fora dos Estados Unidos especializada em criônica e criopreservação – prática na qual os corpos são congelados no momento em que a morte clínica é diagnosticada, a fim de, um dia, quando a ciência for avançada o suficiente, eles voltem à vida. 


 


Nos galpões da companhia, 24 clientes “de corpo todo” atualmente estão armazenados de cabeça para baixo, presos pelos tornozelos (pois a temperatura é mais fria na parte de baixo do contêiner). Os demais escolheram a chamada neuropreservação, isto é, somente a cabeça é congelada. Alguns até foram refrigerados ao lado de seus animais de estimação.


 


PATROCINADORES

Segundo o idealizador, Danila Medvedev, um dia a Rússia irá ultrapassar os EUA nas pesquisas, tornando o cenário ainda mais otimista para a sua empresa em busca da tão sonhada imortalidade humana. 


 


A ideia da criônica e da criopreservação começou nos anos 60 com o professor universitário Robert Ettinger após a publicação do livro “O Princípio da Imortalidade”, que defendia que uma pessoa congelada no exato momento de sua morte poderia ser trazida de volta à vida posteriormente. 


 


 


Medvedev, 35, acredita que a Rússia irá em breve ultrapassar os EUA nos pesquisas do anti-envelhecimento.


Na Rússia, a cidade de Serguiev Possad pode parecer à primeira vista apenas um município com pouco mais de 100 mil habitantes, mas é neste lugar teoricamente pacato em que se congelam humanos e animais para, um dia, serem ressuscitados.



A KrioRus é a única empresa fora dos Estados Unidos especializada em criônica e criopreservação – prática na qual os corpos são congelados no momento em que a morte clínica é diagnosticada, a fim de, um dia, quando a ciência for avançada o suficiente, eles voltem à vida. 



Nos galpões da companhia, 24 clientes “de corpo todo” atualmente estão armazenados de cabeça para baixo, presos pelos tornozelos (pois a temperatura é mais fria na parte de baixo do contêiner). Os demais escolheram a chamada neuropreservação, isto é, somente a cabeça é congelada. Alguns até foram refrigerados ao lado de seus animais de estimação.



PATROCINADORES

Segundo o idealizador, Danila Medvedev, um dia a Rússia irá ultrapassar os EUA nas pesquisas, tornando o cenário ainda mais otimista para a sua empresa em busca da tão sonhada imortalidade humana. 



A ideia da criônica e da criopreservação começou nos anos 60 com o professor universitário Robert Ettinger após a publicação do livro “O Princípio da Imortalidade”, que defendia que uma pessoa congelada no exato momento de sua morte poderia ser trazida de volta à vida posteriormente. 



Medvedev, 35, acredita que a Rússia irá em breve ultrapassar os EUA nos pesquisas do anti-envelhecimento.



Veja Também