news:

Notícias

China suspende pregão da bolsa pela 2ª vez após forte queda

Publicado por TV Minas em 07/01/2016

96311676.jpg

Baixa no principal índice de ações asiático passou de 7%. Os negócios foram interrompidos cerca de 30 minutos após o início do pregão.

 

As bolsas chinesas de Xangai e Shenzhen suspenderam, pela segunda vez, seus pregões porque seu principal índice de negociações de ações registrou forte queda nesta quinta-feira (7), superior a 7%.

 

A baixa do índice CSI300, que agrupa as 300 principais empresas cotadas nas duas bolsas, forçou a suspensão das cotações – chamada de "circuit braker". O mecanismo foi acionado pela primeira vez na última segunda-feira (4).

 

A regra em vigor prevê que se o índice CSI300, que inclui grandes bancos e empresas de petróleo estatais, registrar alta ou baixa de 7%, as negociações devem ser suspensas pelo restante da sessão.

 

 

Como começou

 

As bolsas abriram com quedas de 1,94% em Xangai e 2,57% em Shenzhen. Elas suspenderam automaticamente o pregão quando a queda superou os 5%. Após uma paralisação de 15 minutos, a sessão foi retomada, mas acabou definitivamente suspensa quando a perda superou 7%.

 

Tendo como pano de fundo as preocupações com a economia chinesa, a queda dos preços do petróleo e a situação geopolítica, o índice Hang Seng de Hong Kong perdeu  durante a manhã 3,05%.

 

Ações recentes de Pequim para depreciarem o iuan inflamaram os temores de que a segunda maior economia do mundo está desacelerando mais do que o esperado e poderia desencadear uma nova onda de desvalorização cambial competitiva na região. Foi o oitavo dia consecutivo de depreciação da moeda chinesa.

 

 

Fechamento dos pregões

 

O fechamento antecipado dos pregões é consequência das novas regras que entraram em funcionamento precisamente na segunda-feira. Elas estabelecem este mecanismo de interrupção dos pregões, para que não se repitam as fortes quedas em cadeia do ano passado, que chegaram a afetar os mercados mundiais.

 

Com isso, o índice geral de Xangai (SSE Composite), o principal indicador dos mercados chineses, fechou nesta quinta-feira em baixa de 245,95 pontos (7,32%), para 3.115,89, enquanto o de Shenzhen (SZSE Component) despencou 8,35% e ficou em 10.745,47 pontos.

 

Na última segunda-feira, o pregão tinha sido o mais curto da história, ao fechar 92 minutos antes do habitual, mas hoje as negociações foram suspensas com pouco mais de 30 minutos de sessão.
Se após o reatamento das negociações o índice CSI-300 cair mais de 7%, os dois mercados ficarão fechados até sexta-feira (8).

 

Na segunda-feira, o índice geral de Xangai caiu 7,3% para 3.115.89, enquanto o Shenzhen Composite perdeu 8,3%.

Baixa no principal índice de ações asiático passou de 7%. Os negócios foram interrompidos cerca de 30 minutos após o início do pregão.


 


As bolsas chinesas de Xangai e Shenzhen suspenderam, pela segunda vez, seus pregões porque seu principal índice de negociações de ações registrou forte queda nesta quinta-feira (7), superior a 7%.


 


A baixa do índice CSI300, que agrupa as 300 principais empresas cotadas nas duas bolsas, forçou a suspensão das cotações – chamada de "circuit braker". O mecanismo foi acionado pela primeira vez na última segunda-feira (4).


 


A regra em vigor prevê que se o índice CSI300, que inclui grandes bancos e empresas de petróleo estatais, registrar alta ou baixa de 7%, as negociações devem ser suspensas pelo restante da sessão.


 


 


Como começou


 


As bolsas abriram com quedas de 1,94% em Xangai e 2,57% em Shenzhen. Elas suspenderam automaticamente o pregão quando a queda superou os 5%. Após uma paralisação de 15 minutos, a sessão foi retomada, mas acabou definitivamente suspensa quando a perda superou 7%.


 


PATROCINADORES

Tendo como pano de fundo as preocupações com a economia chinesa, a queda dos preços do petróleo e a situação geopolítica, o índice Hang Seng de Hong Kong perdeu  durante a manhã 3,05%.


 


Ações recentes de Pequim para depreciarem o iuan inflamaram os temores de que a segunda maior economia do mundo está desacelerando mais do que o esperado e poderia desencadear uma nova onda de desvalorização cambial competitiva na região. Foi o oitavo dia consecutivo de depreciação da moeda chinesa.


 


 


Fechamento dos pregões


 


O fechamento antecipado dos pregões é consequência das novas regras que entraram em funcionamento precisamente na segunda-feira. Elas estabelecem este mecanismo de interrupção dos pregões, para que não se repitam as fortes quedas em cadeia do ano passado, que chegaram a afetar os mercados mundiais.


 


Com isso, o índice geral de Xangai (SSE Composite), o principal indicador dos mercados chineses, fechou nesta quinta-feira em baixa de 245,95 pontos (7,32%), para 3.115,89, enquanto o de Shenzhen (SZSE Component) despencou 8,35% e ficou em 10.745,47 pontos.


 


Na última segunda-feira, o pregão tinha sido o mais curto da história, ao fechar 92 minutos antes do habitual, mas hoje as negociações foram suspensas com pouco mais de 30 minutos de sessão.
Se após o reatamento das negociações o índice CSI-300 cair mais de 7%, os dois mercados ficarão fechados até sexta-feira (8).


 


Na segunda-feira, o índice geral de Xangai caiu 7,3% para 3.115.89, enquanto o Shenzhen Composite perdeu 8,3%.


Baixa no principal índice de ações asiático passou de 7%. Os negócios foram interrompidos cerca de 30 minutos após o início do pregão.



As bolsas chinesas de Xangai e Shenzhen suspenderam, pela segunda vez, seus pregões porque seu principal índice de negociações de ações registrou forte queda nesta quinta-feira (7), superior a 7%.



A baixa do índice CSI300, que agrupa as 300 principais empresas cotadas nas duas bolsas, forçou a suspensão das cotações – chamada de "circuit braker". O mecanismo foi acionado pela primeira vez na última segunda-feira (4).



A regra em vigor prevê que se o índice CSI300, que inclui grandes bancos e empresas de petróleo estatais, registrar alta ou baixa de 7%, as negociações devem ser suspensas pelo restante da sessão.



PATROCINADORES

Como começou



As bolsas abriram com quedas de 1,94% em Xangai e 2,57% em Shenzhen. Elas suspenderam automaticamente o pregão quando a queda superou os 5%. Após uma paralisação de 15 minutos, a sessão foi retomada, mas acabou definitivamente suspensa quando a perda superou 7%.



Tendo como pano de fundo as preocupações com a economia chinesa, a queda dos preços do petróleo e a situação geopolítica, o índice Hang Seng de Hong Kong perdeu  durante a manhã 3,05%.



Ações recentes de Pequim para depreciarem o iuan inflamaram os temores de que a segunda maior economia do mundo está desacelerando mais do que o esperado e poderia desencadear uma nova onda de desvalorização cambial competitiva na região. Foi o oitavo dia consecutivo de depreciação da moeda chinesa.



PATROCINADORES

Fechamento dos pregões



O fechamento antecipado dos pregões é consequência das novas regras que entraram em funcionamento precisamente na segunda-feira. Elas estabelecem este mecanismo de interrupção dos pregões, para que não se repitam as fortes quedas em cadeia do ano passado, que chegaram a afetar os mercados mundiais.



Com isso, o índice geral de Xangai (SSE Composite), o principal indicador dos mercados chineses, fechou nesta quinta-feira em baixa de 245,95 pontos (7,32%), para 3.115,89, enquanto o de Shenzhen (SZSE Component) despencou 8,35% e ficou em 10.745,47 pontos.



Na última segunda-feira, o pregão tinha sido o mais curto da história, ao fechar 92 minutos antes do habitual, mas hoje as negociações foram suspensas com pouco mais de 30 minutos de sessão.
Se após o reatamento das negociações o índice CSI-300 cair mais de 7%, os dois mercados ficarão fechados até sexta-feira (8).



Na segunda-feira, o índice geral de Xangai caiu 7,3% para 3.115.89, enquanto o Shenzhen Composite perdeu 8,3%.



Veja Também