news:

Sul de Minas

Chuva provoca queda de até 50% na produção de uvas no Sul de Minas

Publicado por TV Minas em 08/01/2016

foto_principal.jpg

Qualidade do fruto ficou prejudicada pelo volume excessivo de água. Produtores de Andradas e Caldas optaram pela colheita antecipada.

 

Produtores de uva em algumas cidades do Sul de Minas, como Andradas e Caldas, tiveram sua produção prejudicada devido à grande quantidade de chuva nos últimos meses de 2015.

 

O volume excessivo de água nos parreirais, principalmente no mês de dezembro, afetou o teor de açúcar e fez os cachos da fruta murcharem, o que provocou quedas de até 50% na produção.

 

A região possui a maior área de produção de uvas em Minas Gerais. Em 2014, foram produzidos 426 mil hectares da fruta. A alternativa encontrada para amenizar os problemas causados pela chuva, que afetam também a produção do vinho, foi antecipar a colheita. No entanto, isso não diminuiu o prejuízo dos produtores.

 

Rogério Beloto de Andradas tinha a expectativa de colher 20 toneladas do fruto em seus oito hectares, mas a chuva estragou metade da produção. “Na época da maduração não pode adquirir muita água e, com isso, ela vem a rachar e os dois dias de sol que deram, a uva apodreceu. É difícil. Você investe bastante, gasta com defensivos na esperança de ter uma boa produção e na hora boa de colher a uva, você tem um prejuízo muito grande. A gente lamenta”, afirma.

 

A uva da variedade "Jacques", na propriedade de Lucieli Muterle, em Andradas, foi colhida uma semana antes do previsto. Isto causou uma redução de 15% na quantidade do fruto e, consequentemente, do vinho fabricado. Além disso, o teor de açúcar da bebida vai ter que ser corrigido na vinícola.

 

Já na Fazenda Experimental da Epamig, em Caldas, para que a produção não fosse reduzida, a colheita foi realizada no fim de 2015 ainda debaixo de chuva. Mas as cinco toneladas da uva do tipo folha de figo tiveram a qualidade comprometida.

 

“O bom é que a uva estava sadia em si, não tinha podridão e não tinha esse problema de doença, mas ela estava menos madura”, afirma a enóloga Isabela Peregrino.

 

 

Excesso de chuva comprometeu produção de uva no Sul de Minas.

Qualidade do fruto ficou prejudicada pelo volume excessivo de água. Produtores de Andradas e Caldas optaram pela colheita antecipada.


 


Produtores de uva em algumas cidades do Sul de Minas, como Andradas e Caldas, tiveram sua produção prejudicada devido à grande quantidade de chuva nos últimos meses de 2015.


 


O volume excessivo de água nos parreirais, principalmente no mês de dezembro, afetou o teor de açúcar e fez os cachos da fruta murcharem, o que provocou quedas de até 50% na produção.


 


A região possui a maior área de produção de uvas em Minas Gerais. Em 2014, foram produzidos 426 mil hectares da fruta. A alternativa encontrada para amenizar os problemas causados pela chuva, que afetam também a produção do vinho, foi antecipar a colheita. No entanto, isso não diminuiu o prejuízo dos produtores.


 


Rogério Beloto de Andradas tinha a expectativa de colher 20 toneladas do fruto em seus oito hectares, mas a chuva estragou metade da produção. “Na época da maduração não pode adquirir muita água e, com isso, ela vem a rachar e os dois dias de sol que deram, a uva apodreceu. É difícil. Você investe bastante, gasta com defensivos na esperança de ter uma boa produção e na hora boa de colher a uva, você tem um prejuízo muito grande. A gente lamenta”, afirma.


PATROCINADORES

 


A uva da variedade "Jacques", na propriedade de Lucieli Muterle, em Andradas, foi colhida uma semana antes do previsto. Isto causou uma redução de 15% na quantidade do fruto e, consequentemente, do vinho fabricado. Além disso, o teor de açúcar da bebida vai ter que ser corrigido na vinícola.


 


Já na Fazenda Experimental da Epamig, em Caldas, para que a produção não fosse reduzida, a colheita foi realizada no fim de 2015 ainda debaixo de chuva. Mas as cinco toneladas da uva do tipo folha de figo tiveram a qualidade comprometida.


 


“O bom é que a uva estava sadia em si, não tinha podridão e não tinha esse problema de doença, mas ela estava menos madura”, afirma a enóloga Isabela Peregrino.


 


 


Excesso de chuva comprometeu produção de uva no Sul de Minas.


Qualidade do fruto ficou prejudicada pelo volume excessivo de água. Produtores de Andradas e Caldas optaram pela colheita antecipada.



Produtores de uva em algumas cidades do Sul de Minas, como Andradas e Caldas, tiveram sua produção prejudicada devido à grande quantidade de chuva nos últimos meses de 2015.



O volume excessivo de água nos parreirais, principalmente no mês de dezembro, afetou o teor de açúcar e fez os cachos da fruta murcharem, o que provocou quedas de até 50% na produção.



PATROCINADORES

A região possui a maior área de produção de uvas em Minas Gerais. Em 2014, foram produzidos 426 mil hectares da fruta. A alternativa encontrada para amenizar os problemas causados pela chuva, que afetam também a produção do vinho, foi antecipar a colheita. No entanto, isso não diminuiu o prejuízo dos produtores.



Rogério Beloto de Andradas tinha a expectativa de colher 20 toneladas do fruto em seus oito hectares, mas a chuva estragou metade da produção. “Na época da maduração não pode adquirir muita água e, com isso, ela vem a rachar e os dois dias de sol que deram, a uva apodreceu. É difícil. Você investe bastante, gasta com defensivos na esperança de ter uma boa produção e na hora boa de colher a uva, você tem um prejuízo muito grande. A gente lamenta”, afirma.



A uva da variedade "Jacques", na propriedade de Lucieli Muterle, em Andradas, foi colhida uma semana antes do previsto. Isto causou uma redução de 15% na quantidade do fruto e, consequentemente, do vinho fabricado. Além disso, o teor de açúcar da bebida vai ter que ser corrigido na vinícola.



PATROCINADORES

Já na Fazenda Experimental da Epamig, em Caldas, para que a produção não fosse reduzida, a colheita foi realizada no fim de 2015 ainda debaixo de chuva. Mas as cinco toneladas da uva do tipo folha de figo tiveram a qualidade comprometida.



“O bom é que a uva estava sadia em si, não tinha podridão e não tinha esse problema de doença, mas ela estava menos madura”, afirma a enóloga Isabela Peregrino.



Excesso de chuva comprometeu produção de uva no Sul de Minas.



Veja Também