news:

Notícias

Metroviários de SP marcam greve para quinta-feira

Publicado por TV Minas em 16/01/2018

foto_principal.jpeg

Funcionários planejam paralisação de 24 horas para protestar contra privatização de duas linhas do sistema, marcadas para sexta-feira.

 

Os metroviários de São Paulo marcaram para quinta-feira uma paralisação de 24 horas. De acordo com o Sindicato dos Metroviários de São Paulo, o protesto é contra a privatização das Linhas 5-Lilás e 17-Ouro, marcada para ocorrer na sexta-feira.

 

Na manhã desta terça-feira, os funcionários do metrô entregaram panfletos aos passageiros, chamados de carta aberta à população. Segundo a categoria, a privatização diminui o número de metroviários. A greve também acontece contra a terceirização das bilheterias do metrô e o aumento das tarifas. A proposta passará por referendo em assembleia nesta quarta-feira.

 

A reportagem aguarda o posicionamento da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô).

 

Uma greve dos metroviários prejudicou a rotina de trabalhadores no dia 28 de abril do ano passado. Na estação Corinthians-Itaquera, da Linha 3-Vermelha, os portões não foram abertos às 4h30 como de costume, relataram os passageiros que aguardavam do lado de fora. A categoria, na ocasião, decidiu aderir ao chamado dia de greve geral, organizado por centrais sindicais.

 

Por volta das 8h desta terça-feira, a Linha 5-Lilás funcionava com velocidade reduzida, em razão de falha em equipamento. As outras linhas não apresentavam problemas. Mais cedo, por volta das 6h30, a Linha 3 – Vermelha operava com velocidade reduzida e paradas fora das estações.

Funcionários planejam paralisação de 24 horas para protestar contra privatização de duas linhas do sistema, marcadas para sexta-feira.


 


Os metroviários de São Paulo marcaram para quinta-feira uma paralisação de 24 horas. De acordo com o Sindicato dos Metroviários de São Paulo, o protesto é contra a privatização das Linhas 5-Lilás e 17-Ouro, marcada para ocorrer na sexta-feira.


 


Na manhã desta terça-feira, os funcionários do metrô entregaram panfletos aos passageiros, chamados de carta aberta à população. Segundo a categoria, a privatização diminui o número de metroviários. A greve também acontece contra a terceirização das bilheterias do metrô e o aumento das tarifas. A proposta passará por referendo em assembleia nesta quarta-feira.


PATROCINADORES

 


A reportagem aguarda o posicionamento da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô).


 


Uma greve dos metroviários prejudicou a rotina de trabalhadores no dia 28 de abril do ano passado. Na estação Corinthians-Itaquera, da Linha 3-Vermelha, os portões não foram abertos às 4h30 como de costume, relataram os passageiros que aguardavam do lado de fora. A categoria, na ocasião, decidiu aderir ao chamado dia de greve geral, organizado por centrais sindicais.


 


Por volta das 8h desta terça-feira, a Linha 5-Lilás funcionava com velocidade reduzida, em razão de falha em equipamento. As outras linhas não apresentavam problemas. Mais cedo, por volta das 6h30, a Linha 3 – Vermelha operava com velocidade reduzida e paradas fora das estações.


Funcionários planejam paralisação de 24 horas para protestar contra privatização de duas linhas do sistema, marcadas para sexta-feira.



Os metroviários de São Paulo marcaram para quinta-feira uma paralisação de 24 horas. De acordo com o Sindicato dos Metroviários de São Paulo, o protesto é contra a privatização das Linhas 5-Lilás e 17-Ouro, marcada para ocorrer na sexta-feira.



Na manhã desta terça-feira, os funcionários do metrô entregaram panfletos aos passageiros, chamados de carta aberta à população. Segundo a categoria, a privatização diminui o número de metroviários. A greve também acontece contra a terceirização das bilheterias do metrô e o aumento das tarifas. A proposta passará por referendo em assembleia nesta quarta-feira.



PATROCINADORES

A reportagem aguarda o posicionamento da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô).



Uma greve dos metroviários prejudicou a rotina de trabalhadores no dia 28 de abril do ano passado. Na estação Corinthians-Itaquera, da Linha 3-Vermelha, os portões não foram abertos às 4h30 como de costume, relataram os passageiros que aguardavam do lado de fora. A categoria, na ocasião, decidiu aderir ao chamado dia de greve geral, organizado por centrais sindicais.



Por volta das 8h desta terça-feira, a Linha 5-Lilás funcionava com velocidade reduzida, em razão de falha em equipamento. As outras linhas não apresentavam problemas. Mais cedo, por volta das 6h30, a Linha 3 – Vermelha operava com velocidade reduzida e paradas fora das estações.



Veja Também