news:

Notícias

Beija-Flor é a grande campeã de 2018

Publicado por TV Minas em 14/02/2018

foto_principal.jpg

Com enredo sobre 'monstruosidades' e estrelas em destaque, a escola de Nilópolis agitou a Sapucaí falando de problemas sociais.

 

A Beija-Flor é a grande campeã do Carnaval do Rio em 2018. Última escola a desfilar pelo Grupo Especial do Rio, a escola fechou o “Carnaval dos protestos” com ativismo do começo ao fim. Com o enredo Monstro É Aquele que Não Sabe Amar – Os Filhos Abandonados da Pátria que os Pariu, a escola propôs um paralelo entre a obra Frankenstein, de Mary Shelley, que está completando dois séculos, e a história do Brasil. 

 

O grêmio de Nilópolis cantou contra a corrupção, a violência, a intolerância religiosa, e outros problemas sociais. O desfile contou com foliões vestidos de vampiros para representar o governo – a Paraíso do Tuiuti, a segunda colocada na classificação geral, associou a figura mitológica ao presidente Michel Temer -, além de ratos e “lobos em pele de cordeiro” no papel de políticos. A escola também reproduziu cenas de violência nas favelas cariocas e as constantes mortes de moradores e policiais.

 

Este foi o 14º título da Beija-Flor no Carnaval do Rio de Janeiro – a escola só fica atrás da Portela e da Mangueira como agremiação que mais venceu no Grupo Especial. A última vitória da Beija-Flor havia acontecido em 2015.

 

 

A Beija-Flor abordou temas como desigualdade social, a falta de respeito e a de amor, no segundo dia de desfiles do Carnaval do Rio.

 

 

Resultado final

 

Beija-Flor: 269,6

 

Paraíso do Tuiuti: 269,5

 

Salgueiro: 269,5

 

Portela: 269,4

 

Mangueira: 269,3

 

Mocidade: 269,3

 

Unidos da Tijuca: 269,1

 

Imperatriz: 268,8

 

Vila Isabel: 268,1

 

União da Ilha: 267,3

 

São Clemente: 266,9

 

Grande Rio (rebaixada): 266,8

 

Império Serrano (rebaixada): 265,6

Com enredo sobre 'monstruosidades' e estrelas em destaque, a escola de Nilópolis agitou a Sapucaí falando de problemas sociais.


 


A Beija-Flor é a grande campeã do Carnaval do Rio em 2018. Última escola a desfilar pelo Grupo Especial do Rio, a escola fechou o “Carnaval dos protestos” com ativismo do começo ao fim. Com o enredo Monstro É Aquele que Não Sabe Amar – Os Filhos Abandonados da Pátria que os Pariu, a escola propôs um paralelo entre a obra Frankenstein, de Mary Shelley, que está completando dois séculos, e a história do Brasil. 


 


O grêmio de Nilópolis cantou contra a corrupção, a violência, a intolerância religiosa, e outros problemas sociais. O desfile contou com foliões vestidos de vampiros para representar o governo – a Paraíso do Tuiuti, a segunda colocada na classificação geral, associou a figura mitológica ao presidente Michel Temer -, além de ratos e “lobos em pele de cordeiro” no papel de políticos. A escola também reproduziu cenas de violência nas favelas cariocas e as constantes mortes de moradores e policiais.


 


Este foi o 14º título da Beija-Flor no Carnaval do Rio de Janeiro – a escola só fica atrás da Portela e da Mangueira como agremiação que mais venceu no Grupo Especial. A última vitória da Beija-Flor havia acontecido em 2015.


 


 


A Beija-Flor abordou temas como desigualdade social, a falta de respeito e a de amor, no segundo dia de desfiles do Carnaval do Rio.


 


 


Resultado final


 


Beija-Flor: 269,6


 


Paraíso do Tuiuti: 269,5


 


Salgueiro: 269,5


PATROCINADORES

 


Portela: 269,4


 


Mangueira: 269,3


 


Mocidade: 269,3


 


Unidos da Tijuca: 269,1


 


Imperatriz: 268,8


 


Vila Isabel: 268,1


 


União da Ilha: 267,3


 


São Clemente: 266,9


 


Grande Rio (rebaixada): 266,8


 


Império Serrano (rebaixada): 265,6


Com enredo sobre 'monstruosidades' e estrelas em destaque, a escola de Nilópolis agitou a Sapucaí falando de problemas sociais.



A Beija-Flor é a grande campeã do Carnaval do Rio em 2018. Última escola a desfilar pelo Grupo Especial do Rio, a escola fechou o “Carnaval dos protestos” com ativismo do começo ao fim. Com o enredo Monstro É Aquele que Não Sabe Amar – Os Filhos Abandonados da Pátria que os Pariu, a escola propôs um paralelo entre a obra Frankenstein, de Mary Shelley, que está completando dois séculos, e a história do Brasil. 



O grêmio de Nilópolis cantou contra a corrupção, a violência, a intolerância religiosa, e outros problemas sociais. O desfile contou com foliões vestidos de vampiros para representar o governo – a Paraíso do Tuiuti, a segunda colocada na classificação geral, associou a figura mitológica ao presidente Michel Temer -, além de ratos e “lobos em pele de cordeiro” no papel de políticos. A escola também reproduziu cenas de violência nas favelas cariocas e as constantes mortes de moradores e policiais.



Este foi o 14º título da Beija-Flor no Carnaval do Rio de Janeiro – a escola só fica atrás da Portela e da Mangueira como agremiação que mais venceu no Grupo Especial. A última vitória da Beija-Flor havia acontecido em 2015.



A Beija-Flor abordou temas como desigualdade social, a falta de respeito e a de amor, no segundo dia de desfiles do Carnaval do Rio.



Resultado final



PATROCINADORES

Beija-Flor: 269,6



Paraíso do Tuiuti: 269,5



Salgueiro: 269,5



Portela: 269,4



Mangueira: 269,3



Mocidade: 269,3



PATROCINADORES

Unidos da Tijuca: 269,1



Imperatriz: 268,8



Vila Isabel: 268,1



União da Ilha: 267,3



São Clemente: 266,9



Grande Rio (rebaixada): 266,8



Império Serrano (rebaixada): 265,6



Veja Também