news:

Notícias

Milhares de peixes aparecem mortos na Baía de Guanabara

Publicado por TV Minas em 14/01/2016

foto_principal.jpg

Milhares de peixes apareceram mortos nas praias do Galeão e São Bento, na Ilha do Governador, zona norte da cidade, próximo da entrada para o Aeroporto Internacional Tom Jobim. Os peixes encontrados boiando na Baía de Guanabara são da espécie "boca-torta", que, devido ao baixo valor de comercialização, comumente são descartados no mar por barcos pesqueiros.

 

O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) informou que, em virtude de denúncias de mortandade de peixes nas proximidades do Galeão, realizou nesta quarta-feira uma vistoria na Praia do Galeão e na Ilha do Governador.


Os técnicos constataram a presença de lixo na água e na areia da praia e quantidade considerável de peixes mortos conhecidos como sardinha “boca-torta”. Esta espécie, por seu baixo valor comercial, costuma ser objeto de descarte por barcos comerciais pesqueiros, conforme já verificado nesta mesma região em outras ocasiões.

 

Além do lixo flutuante, a vistoria não constatou outras anormalidades visuais na água. Foram coletadas amostras de água para análise em laboratório, conforme é rotina nesses casos. O resultado será divulgado em cinco dias.

 

De acordo com a Companhia de Limpeza Urbana do Rio (Comlurb), a maioria do pescado ainda não chegou à areia das praias da Ilha do Governador. Por isso, a remoção ainda não foi iniciada.

 

A maré está levando boa parte dos peixes mortos para a Praia de Ramos, também na Baía de Guanabara, onde 11 homens da Comlurb fazem a remoção com auxílio de dois caminhões e pás mecânicas. O trabalho de remoção deve continuar até que as praias estejam completamente limpas.

Milhares de peixes apareceram mortos nas praias do Galeão e São Bento, na Ilha do Governador, zona norte da cidade, próximo da entrada para o Aeroporto Internacional Tom Jobim. Os peixes encontrados boiando na Baía de Guanabara são da espécie "boca-torta", que, devido ao baixo valor de comercialização, comumente são descartados no mar por barcos pesqueiros.


 


O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) informou que, em virtude de denúncias de mortandade de peixes nas proximidades do Galeão, realizou nesta quarta-feira uma vistoria na Praia do Galeão e na Ilha do Governador.



Os técnicos constataram a presença de lixo na água e na areia da praia e quantidade considerável de peixes mortos conhecidos como sardinha “boca-torta”. Esta espécie, por seu baixo valor comercial, costuma ser objeto de descarte por barcos comerciais pesqueiros, conforme já verificado nesta mesma região em outras ocasiões.


 


PATROCINADORES

Além do lixo flutuante, a vistoria não constatou outras anormalidades visuais na água. Foram coletadas amostras de água para análise em laboratório, conforme é rotina nesses casos. O resultado será divulgado em cinco dias.


 


De acordo com a Companhia de Limpeza Urbana do Rio (Comlurb), a maioria do pescado ainda não chegou à areia das praias da Ilha do Governador. Por isso, a remoção ainda não foi iniciada.


 


A maré está levando boa parte dos peixes mortos para a Praia de Ramos, também na Baía de Guanabara, onde 11 homens da Comlurb fazem a remoção com auxílio de dois caminhões e pás mecânicas. O trabalho de remoção deve continuar até que as praias estejam completamente limpas.


Milhares de peixes apareceram mortos nas praias do Galeão e São Bento, na Ilha do Governador, zona norte da cidade, próximo da entrada para o Aeroporto Internacional Tom Jobim. Os peixes encontrados boiando na Baía de Guanabara são da espécie "boca-torta", que, devido ao baixo valor de comercialização, comumente são descartados no mar por barcos pesqueiros.



O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) informou que, em virtude de denúncias de mortandade de peixes nas proximidades do Galeão, realizou nesta quarta-feira uma vistoria na Praia do Galeão e na Ilha do Governador.




Os técnicos constataram a presença de lixo na água e na areia da praia e quantidade considerável de peixes mortos conhecidos como sardinha “boca-torta”. Esta espécie, por seu baixo valor comercial, costuma ser objeto de descarte por barcos comerciais pesqueiros, conforme já verificado nesta mesma região em outras ocasiões.



PATROCINADORES

Além do lixo flutuante, a vistoria não constatou outras anormalidades visuais na água. Foram coletadas amostras de água para análise em laboratório, conforme é rotina nesses casos. O resultado será divulgado em cinco dias.



De acordo com a Companhia de Limpeza Urbana do Rio (Comlurb), a maioria do pescado ainda não chegou à areia das praias da Ilha do Governador. Por isso, a remoção ainda não foi iniciada.



A maré está levando boa parte dos peixes mortos para a Praia de Ramos, também na Baía de Guanabara, onde 11 homens da Comlurb fazem a remoção com auxílio de dois caminhões e pás mecânicas. O trabalho de remoção deve continuar até que as praias estejam completamente limpas.



Veja Também