news:

Notícias

Jungmann assumirá Segurança Pública e general vai para a Defesa

Publicado por TV Minas em 26/02/2018

foto_principal.jpg

Nova pasta criada por Temer reúne polícias e sistema penitenciário nacional, antes vinculados à pasta da Justiça; pauta se tornou prioritária para governo.

 

O ministro da Defesa, Raul Jungmann (PPS), será deslocado para o novo Ministério da Segurança Pública, a ser criado pelo presidente Michel Temer (MDB). Ele será substituído por um general, Joaquim Silva e Luna, no comando da Defesa, segundo o jornal O Estado de S.Paulo.

 

Luna é o atual secretário-geral da pasta e já foi chefe do Estado-Maior do Exército. O anúncio será oficializado por Temer nesta segunda-feira.

 

A criação do Ministério da Segurança Pública foi anunciada este mês pelo presidente logo após decretar intervenção na segurança do Rio de Janeiro, e tem por objetivo coordenar no âmbito federal medidas de combate à violência no país.

 

A pasta será responsável pela Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Departamento Penitenciário Nacional e Secretaria de Segurança Pública, hoje vinculadas ao Ministério da Justiça, e ainda estudará a criação de uma Guarda Nacional.

 

A segurança, uma das principais preocupações dos brasileiros, se tornou pauta prioritária do governo Temer, tão logo o emedebista optou por encostar a agenda reformista depois da perspectiva de não aprovar a Reforma da Previdência. O presidente conta com o sucesso da intervenção e a popularidade do combate à criminalidade para garantir sua influência no pleito de outubro ou, até, se cacifar para disputar a reeleição.

Nova pasta criada por Temer reúne polícias e sistema penitenciário nacional, antes vinculados à pasta da Justiça; pauta se tornou prioritária para governo.


 


O ministro da Defesa, Raul Jungmann (PPS), será deslocado para o novo Ministério da Segurança Pública, a ser criado pelo presidente Michel Temer (MDB). Ele será substituído por um general, Joaquim Silva e Luna, no comando da Defesa, segundo o jornal O Estado de S.Paulo.


 


Luna é o atual secretário-geral da pasta e já foi chefe do Estado-Maior do Exército. O anúncio será oficializado por Temer nesta segunda-feira.


PATROCINADORES

 


A criação do Ministério da Segurança Pública foi anunciada este mês pelo presidente logo após decretar intervenção na segurança do Rio de Janeiro, e tem por objetivo coordenar no âmbito federal medidas de combate à violência no país.


 


A pasta será responsável pela Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Departamento Penitenciário Nacional e Secretaria de Segurança Pública, hoje vinculadas ao Ministério da Justiça, e ainda estudará a criação de uma Guarda Nacional.


 


A segurança, uma das principais preocupações dos brasileiros, se tornou pauta prioritária do governo Temer, tão logo o emedebista optou por encostar a agenda reformista depois da perspectiva de não aprovar a Reforma da Previdência. O presidente conta com o sucesso da intervenção e a popularidade do combate à criminalidade para garantir sua influência no pleito de outubro ou, até, se cacifar para disputar a reeleição.


Nova pasta criada por Temer reúne polícias e sistema penitenciário nacional, antes vinculados à pasta da Justiça; pauta se tornou prioritária para governo.



O ministro da Defesa, Raul Jungmann (PPS), será deslocado para o novo Ministério da Segurança Pública, a ser criado pelo presidente Michel Temer (MDB). Ele será substituído por um general, Joaquim Silva e Luna, no comando da Defesa, segundo o jornal O Estado de S.Paulo.



Luna é o atual secretário-geral da pasta e já foi chefe do Estado-Maior do Exército. O anúncio será oficializado por Temer nesta segunda-feira.



PATROCINADORES

A criação do Ministério da Segurança Pública foi anunciada este mês pelo presidente logo após decretar intervenção na segurança do Rio de Janeiro, e tem por objetivo coordenar no âmbito federal medidas de combate à violência no país.



A pasta será responsável pela Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Departamento Penitenciário Nacional e Secretaria de Segurança Pública, hoje vinculadas ao Ministério da Justiça, e ainda estudará a criação de uma Guarda Nacional.



A segurança, uma das principais preocupações dos brasileiros, se tornou pauta prioritária do governo Temer, tão logo o emedebista optou por encostar a agenda reformista depois da perspectiva de não aprovar a Reforma da Previdência. O presidente conta com o sucesso da intervenção e a popularidade do combate à criminalidade para garantir sua influência no pleito de outubro ou, até, se cacifar para disputar a reeleição.



Veja Também