news:

Notícias

Exército não descartou trocar cúpulas das polícias no Rio

Publicado por TV Minas em 27/02/2018

foto_principal.jpg

Militares estudam nomes de pessoas de dentro das próprias corporações para ocupar os cargos do atual comandante-geral da PM e do chefe da Polícia Civil.

 

Depois de uma coletiva de imprensa que durou menos de meia hora e não apresentou nenhum plano detalhado das operações que serão adotadas pelo interventor Walter Braga Netto na segurança do Rio, o porta-voz do Comando Militar do Leste, o coronel Carlos Frederico Cinelli, admitiu que a troca das cúpulas das polícias no Rio não foi descartada.

 

Durante a entrevista, a primeira convocada por Braga Netto desde a assinatura da intervenção federal, o general não anunciou nenhum novo nome para os comandos das polícias Militar e Civil, ao contrário do que se esperava, e afirmou que a estrutura seria mantida num primeiro momento.

 

Com isso, o comando-geral da PM do Rio segue sob a batuta do coronel Wolney Dias e a chefia da Polícia Civil com o delegado Carlos Leba. Mas a situação não deve permanecer assim por muito tempo. Depois da coletiva, o coronel Cinelli foi mais contundente: “Há nomes sendo levantados, mas não será ninguém das Forças Armadas. Vamos valorizar os quadros das próprias corporações para levantar a autoestima do policial”, afirmou.

 

Minutos antes, Braga Netto havia informado que um dos objetivos da sua gestão será resgatar a credibilidade da polícia no Rio. Entre as medidas acenadas está o aumento do efetivo, com a convocação de policiais cedidos a outros órgãos, e o investimento em novas frotas de veículos.

 

Braga Netto não detalhou, porém, com que recursos irá viabilizar as mudanças. O governo federal ainda não informou quanto irá deslocar para as ações de segurança no estado. Ainda que esteja sob intervenção federal, as contas da segurança pública fluminense são pagas, até o momento, com verba do governo estadual, que está quebrado.

Militares estudam nomes de pessoas de dentro das próprias corporações para ocupar os cargos do atual comandante-geral da PM e do chefe da Polícia Civil.


 


Depois de uma coletiva de imprensa que durou menos de meia hora e não apresentou nenhum plano detalhado das operações que serão adotadas pelo interventor Walter Braga Netto na segurança do Rio, o porta-voz do Comando Militar do Leste, o coronel Carlos Frederico Cinelli, admitiu que a troca das cúpulas das polícias no Rio não foi descartada.


 


Durante a entrevista, a primeira convocada por Braga Netto desde a assinatura da intervenção federal, o general não anunciou nenhum novo nome para os comandos das polícias Militar e Civil, ao contrário do que se esperava, e afirmou que a estrutura seria mantida num primeiro momento.


PATROCINADORES

 


Com isso, o comando-geral da PM do Rio segue sob a batuta do coronel Wolney Dias e a chefia da Polícia Civil com o delegado Carlos Leba. Mas a situação não deve permanecer assim por muito tempo. Depois da coletiva, o coronel Cinelli foi mais contundente: “Há nomes sendo levantados, mas não será ninguém das Forças Armadas. Vamos valorizar os quadros das próprias corporações para levantar a autoestima do policial”, afirmou.


 


Minutos antes, Braga Netto havia informado que um dos objetivos da sua gestão será resgatar a credibilidade da polícia no Rio. Entre as medidas acenadas está o aumento do efetivo, com a convocação de policiais cedidos a outros órgãos, e o investimento em novas frotas de veículos.


 


Braga Netto não detalhou, porém, com que recursos irá viabilizar as mudanças. O governo federal ainda não informou quanto irá deslocar para as ações de segurança no estado. Ainda que esteja sob intervenção federal, as contas da segurança pública fluminense são pagas, até o momento, com verba do governo estadual, que está quebrado.


Militares estudam nomes de pessoas de dentro das próprias corporações para ocupar os cargos do atual comandante-geral da PM e do chefe da Polícia Civil.



Depois de uma coletiva de imprensa que durou menos de meia hora e não apresentou nenhum plano detalhado das operações que serão adotadas pelo interventor Walter Braga Netto na segurança do Rio, o porta-voz do Comando Militar do Leste, o coronel Carlos Frederico Cinelli, admitiu que a troca das cúpulas das polícias no Rio não foi descartada.



Durante a entrevista, a primeira convocada por Braga Netto desde a assinatura da intervenção federal, o general não anunciou nenhum novo nome para os comandos das polícias Militar e Civil, ao contrário do que se esperava, e afirmou que a estrutura seria mantida num primeiro momento.



PATROCINADORES

Com isso, o comando-geral da PM do Rio segue sob a batuta do coronel Wolney Dias e a chefia da Polícia Civil com o delegado Carlos Leba. Mas a situação não deve permanecer assim por muito tempo. Depois da coletiva, o coronel Cinelli foi mais contundente: “Há nomes sendo levantados, mas não será ninguém das Forças Armadas. Vamos valorizar os quadros das próprias corporações para levantar a autoestima do policial”, afirmou.



Minutos antes, Braga Netto havia informado que um dos objetivos da sua gestão será resgatar a credibilidade da polícia no Rio. Entre as medidas acenadas está o aumento do efetivo, com a convocação de policiais cedidos a outros órgãos, e o investimento em novas frotas de veículos.



Braga Netto não detalhou, porém, com que recursos irá viabilizar as mudanças. O governo federal ainda não informou quanto irá deslocar para as ações de segurança no estado. Ainda que esteja sob intervenção federal, as contas da segurança pública fluminense são pagas, até o momento, com verba do governo estadual, que está quebrado.



Veja Também