news:

Sul de Minas

2 maiores cidades sul-mineiras vivem situação oposta na geração de emprego

Publicado por TV Minas em 04/03/2018

foto_principal.jpg

Matéria extraída do G1

 

Dados do Caged apontam queda de empregos em Varginha e novas vagas em Pouso Alegre.

 

Os dados divulgados nesta semana pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, aponta que Varginha e Pouso Alegre tiveram situações diferentes na geração de postos de trabalho em janeiro. Enquanto Varginha teve saldo negativo, Pouso Alegre conseguiu criar 330 novas vagas.

 

Segundo o levantamento, Varginha foi a primeira cidade do Sul de Minas e a segunda do estado que mais demitiu em janeiro de 2018. Foram 396 postos de trabalho fechados no primeiro mês.

 

O setor que mais demitiu foi o de serviços, com um saldo negativo de 197 vagas. A justificativa, para a associação comercial, está nos cortes após o período de temporários para o Natal.

 

“Nós temos em torno de 500 pontos de venda abertos no centro. No shopping, entre 100 e 150 pontos de venda. Se cada um desses pontos de venda contratou uma pessoa, tivemos aí cerca de 650 pessoas contratadas no Natal. Então, é natural que estes extras sejam mandados embora agora em janeiro”, explica Anderson de Souza Martins, presidente da Associação Comercial e Industrial de Varginha.

 

Quem optou por não manter trabalhadores temporários após o Natal alega dificuldades. “Pelas dificuldades do comércio, de venda, realmente tem uma queda muito grande, é difícil você estar vendendo, estar competindo com o comércio mais barato”, conta a gerente de loja Olga Souza Reis.

 

A expectativa da Associação Comercial de Varginha é de recuperação nos próximos meses.

 

Já Pouso Alegre ficou entre as 10 cidades de Minas Gerais que mais geraram empregos em janeiro. Segundo a Associação Comercial, a localização é um dos fatores que ajuda nos números.

 

No Caged, o saldo de janeiro na cidade aparece com 330 novas vagas, 97 na construção civil, 149 no setor de serviços e 151 na indústria.

 

“Estamos em um eixo de rodovias importantes para servir todo o país, isso facilita muito o escoamento da produção local, tanto para as cidades de Minas Gerais, quanto pra São Paulo e Rio de Janeiro. E favorece muito o industrial para investir em Pouso Alegre”, explica o presidente da Acipa, Filipe Vargas.

 

Algumas empresas pretendem investir em mais funcionários nos próximos meses. “Existe a possibilidade de vir novos investimentos do grupo e com isso abrem novas frente de trabalho e novas oportunidades, pra contratarmos mais pessoas”, conta o gerente de recursos humanos Van Der Laam Oliveira.

 

Apesar dos números positivos em Pouso Alegre, em três setores o saldo foi negativo, somando 70 demissões em janeiro. Poços de Caldas, a maior cidade do Sul de Minas, apareceu no levantamento com saldo negativo, com 75 vagas a menos. E Passos teve menos 65 vagas em janeiro.

Matéria extraída do G1


 


Dados do Caged apontam queda de empregos em Varginha e novas vagas em Pouso Alegre.


 


Os dados divulgados nesta semana pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, aponta que Varginha e Pouso Alegre tiveram situações diferentes na geração de postos de trabalho em janeiro. Enquanto Varginha teve saldo negativo, Pouso Alegre conseguiu criar 330 novas vagas.


 


Segundo o levantamento, Varginha foi a primeira cidade do Sul de Minas e a segunda do estado que mais demitiu em janeiro de 2018. Foram 396 postos de trabalho fechados no primeiro mês.


 


O setor que mais demitiu foi o de serviços, com um saldo negativo de 197 vagas. A justificativa, para a associação comercial, está nos cortes após o período de temporários para o Natal.


 


“Nós temos em torno de 500 pontos de venda abertos no centro. No shopping, entre 100 e 150 pontos de venda. Se cada um desses pontos de venda contratou uma pessoa, tivemos aí cerca de 650 pessoas contratadas no Natal. Então, é natural que estes extras sejam mandados embora agora em janeiro”, explica Anderson de Souza Martins, presidente da Associação Comercial e Industrial de Varginha.


 


PATROCINADORES

Quem optou por não manter trabalhadores temporários após o Natal alega dificuldades. “Pelas dificuldades do comércio, de venda, realmente tem uma queda muito grande, é difícil você estar vendendo, estar competindo com o comércio mais barato”, conta a gerente de loja Olga Souza Reis.


 


A expectativa da Associação Comercial de Varginha é de recuperação nos próximos meses.


 


Já Pouso Alegre ficou entre as 10 cidades de Minas Gerais que mais geraram empregos em janeiro. Segundo a Associação Comercial, a localização é um dos fatores que ajuda nos números.


 


No Caged, o saldo de janeiro na cidade aparece com 330 novas vagas, 97 na construção civil, 149 no setor de serviços e 151 na indústria.


 


“Estamos em um eixo de rodovias importantes para servir todo o país, isso facilita muito o escoamento da produção local, tanto para as cidades de Minas Gerais, quanto pra São Paulo e Rio de Janeiro. E favorece muito o industrial para investir em Pouso Alegre”, explica o presidente da Acipa, Filipe Vargas.


 


Algumas empresas pretendem investir em mais funcionários nos próximos meses. “Existe a possibilidade de vir novos investimentos do grupo e com isso abrem novas frente de trabalho e novas oportunidades, pra contratarmos mais pessoas”, conta o gerente de recursos humanos Van Der Laam Oliveira.


 


Apesar dos números positivos em Pouso Alegre, em três setores o saldo foi negativo, somando 70 demissões em janeiro. Poços de Caldas, a maior cidade do Sul de Minas, apareceu no levantamento com saldo negativo, com 75 vagas a menos. E Passos teve menos 65 vagas em janeiro.


Matéria extraída do G1



Dados do Caged apontam queda de empregos em Varginha e novas vagas em Pouso Alegre.



Os dados divulgados nesta semana pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, aponta que Varginha e Pouso Alegre tiveram situações diferentes na geração de postos de trabalho em janeiro. Enquanto Varginha teve saldo negativo, Pouso Alegre conseguiu criar 330 novas vagas.



Segundo o levantamento, Varginha foi a primeira cidade do Sul de Minas e a segunda do estado que mais demitiu em janeiro de 2018. Foram 396 postos de trabalho fechados no primeiro mês.



PATROCINADORES

O setor que mais demitiu foi o de serviços, com um saldo negativo de 197 vagas. A justificativa, para a associação comercial, está nos cortes após o período de temporários para o Natal.



“Nós temos em torno de 500 pontos de venda abertos no centro. No shopping, entre 100 e 150 pontos de venda. Se cada um desses pontos de venda contratou uma pessoa, tivemos aí cerca de 650 pessoas contratadas no Natal. Então, é natural que estes extras sejam mandados embora agora em janeiro”, explica Anderson de Souza Martins, presidente da Associação Comercial e Industrial de Varginha.



Quem optou por não manter trabalhadores temporários após o Natal alega dificuldades. “Pelas dificuldades do comércio, de venda, realmente tem uma queda muito grande, é difícil você estar vendendo, estar competindo com o comércio mais barato”, conta a gerente de loja Olga Souza Reis.



A expectativa da Associação Comercial de Varginha é de recuperação nos próximos meses.



PATROCINADORES

Já Pouso Alegre ficou entre as 10 cidades de Minas Gerais que mais geraram empregos em janeiro. Segundo a Associação Comercial, a localização é um dos fatores que ajuda nos números.



No Caged, o saldo de janeiro na cidade aparece com 330 novas vagas, 97 na construção civil, 149 no setor de serviços e 151 na indústria.



“Estamos em um eixo de rodovias importantes para servir todo o país, isso facilita muito o escoamento da produção local, tanto para as cidades de Minas Gerais, quanto pra São Paulo e Rio de Janeiro. E favorece muito o industrial para investir em Pouso Alegre”, explica o presidente da Acipa, Filipe Vargas.



Algumas empresas pretendem investir em mais funcionários nos próximos meses. “Existe a possibilidade de vir novos investimentos do grupo e com isso abrem novas frente de trabalho e novas oportunidades, pra contratarmos mais pessoas”, conta o gerente de recursos humanos Van Der Laam Oliveira.



Apesar dos números positivos em Pouso Alegre, em três setores o saldo foi negativo, somando 70 demissões em janeiro. Poços de Caldas, a maior cidade do Sul de Minas, apareceu no levantamento com saldo negativo, com 75 vagas a menos. E Passos teve menos 65 vagas em janeiro.



Veja Também