news:

Notícias

Aécio pressiona Anastasia para assumir candidatura ao governo de Minas

Publicado por TV Minas em 15/03/2018

foto_principal.jpeg

O senador Aécio Neves (PSDB) defendeu nesta quinta-feira (15) a candidatura do senador Antônio Anastasia como aquela capaz de levar o partido novamente ao poder em Minas. 

 

Sem muitas aparições em eventos desde a gravação em que pedia dinheiro ao empresário Joesley Batista, ele participa nesta quinta-feira de anúncio da Avenida Maracanã, em Contagem, na região metropolitana, junto do ministro das Cidades Alexandre Baldy e o prefeito de Contagem Alex de Freitas.

 

"Sempre acreditei que a vida pública, no momento das decisões, a responsabilidade para com o estado e os municípios que representamos falam mais alto do que nossas vontades pessoais, por mais legítimas que elas sejam", disse. 

 

Inicialmente, Anastasia havia dito que não disputaria mais cargos para o Executivo. Pressionado pelo partido, ele disse nesta semana que está avaliando a possibilidade. Aécio aumenta a pressão sobre o colega e faz parte do grupo que tenta convencer Anastasia a mudar de ideia. 

 

"A percepção geral é que, em torno do senador Anastasia, há uma aglutinação enorme de forças da sociedade, que querem encerrar esse ciclo de governo do PT que tão mal está fazendo a Minas Gerais", afirmou Aécio. 

 

Segundo ele, o ex-governador seria capaz de conseguir de trazer de volta aliados como Dinis Pinheiro e Alberto Pinto Coelho. Eles saíram do PP, aliado histórico do PSDB. "Claro que a decisão final é do Anastasia, mas como companheiro e amigo, estou confiando cada vez mais que ele assumirá", completou. 

 

Aécio evitou falar de sua candidatura. "Meu papel hoje é construir uma aliança ampla que possa vencer as eleições e tirar o governo das mãos do PT. Minha candidatura não é prioridade. Ela se coloca dentro desse conjunto de forças políticas. Não vou decidir isso agora", afirmou, reiterando que o nome de Anastasia será capaz de trazer "todas as forças políticas que governaram comigo por oito anos".

 

Em 2014, quando concorreu ao Palácio do Planalto, o tucano perdeu em Minas Gerais e depois das denúncias que envolveram seu nome na Operação Lava-Jato, saiu de cena e começou a atuar mais nos bastidores.

 

"Eleição a gente vence e perde. Hoje exerço o cargo de senador porque venci as eleições em Minas como governador na época", disse. 

 

O senador foi gravado pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS, acertando o pagamento de R$ 2 milhões para seus advogados.

O senador Aécio Neves (PSDB) defendeu nesta quinta-feira (15) a candidatura do senador Antônio Anastasia como aquela capaz de levar o partido novamente ao poder em Minas. 


 


Sem muitas aparições em eventos desde a gravação em que pedia dinheiro ao empresário Joesley Batista, ele participa nesta quinta-feira de anúncio da Avenida Maracanã, em Contagem, na região metropolitana, junto do ministro das Cidades Alexandre Baldy e o prefeito de Contagem Alex de Freitas.


 


"Sempre acreditei que a vida pública, no momento das decisões, a responsabilidade para com o estado e os municípios que representamos falam mais alto do que nossas vontades pessoais, por mais legítimas que elas sejam", disse. 


 


Inicialmente, Anastasia havia dito que não disputaria mais cargos para o Executivo. Pressionado pelo partido, ele disse nesta semana que está avaliando a possibilidade. Aécio aumenta a pressão sobre o colega e faz parte do grupo que tenta convencer Anastasia a mudar de ideia. 


 


"A percepção geral é que, em torno do senador Anastasia, há uma aglutinação enorme de forças da sociedade, que querem encerrar esse ciclo de governo do PT que tão mal está fazendo a Minas Gerais", afirmou Aécio. 


PATROCINADORES

 


Segundo ele, o ex-governador seria capaz de conseguir de trazer de volta aliados como Dinis Pinheiro e Alberto Pinto Coelho. Eles saíram do PP, aliado histórico do PSDB. "Claro que a decisão final é do Anastasia, mas como companheiro e amigo, estou confiando cada vez mais que ele assumirá", completou. 


 


Aécio evitou falar de sua candidatura. "Meu papel hoje é construir uma aliança ampla que possa vencer as eleições e tirar o governo das mãos do PT. Minha candidatura não é prioridade. Ela se coloca dentro desse conjunto de forças políticas. Não vou decidir isso agora", afirmou, reiterando que o nome de Anastasia será capaz de trazer "todas as forças políticas que governaram comigo por oito anos".


 


Em 2014, quando concorreu ao Palácio do Planalto, o tucano perdeu em Minas Gerais e depois das denúncias que envolveram seu nome na Operação Lava-Jato, saiu de cena e começou a atuar mais nos bastidores.


 


"Eleição a gente vence e perde. Hoje exerço o cargo de senador porque venci as eleições em Minas como governador na época", disse. 


 


O senador foi gravado pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS, acertando o pagamento de R$ 2 milhões para seus advogados.


O senador Aécio Neves (PSDB) defendeu nesta quinta-feira (15) a candidatura do senador Antônio Anastasia como aquela capaz de levar o partido novamente ao poder em Minas. 



Sem muitas aparições em eventos desde a gravação em que pedia dinheiro ao empresário Joesley Batista, ele participa nesta quinta-feira de anúncio da Avenida Maracanã, em Contagem, na região metropolitana, junto do ministro das Cidades Alexandre Baldy e o prefeito de Contagem Alex de Freitas.



"Sempre acreditei que a vida pública, no momento das decisões, a responsabilidade para com o estado e os municípios que representamos falam mais alto do que nossas vontades pessoais, por mais legítimas que elas sejam", disse. 



PATROCINADORES

Inicialmente, Anastasia havia dito que não disputaria mais cargos para o Executivo. Pressionado pelo partido, ele disse nesta semana que está avaliando a possibilidade. Aécio aumenta a pressão sobre o colega e faz parte do grupo que tenta convencer Anastasia a mudar de ideia. 



"A percepção geral é que, em torno do senador Anastasia, há uma aglutinação enorme de forças da sociedade, que querem encerrar esse ciclo de governo do PT que tão mal está fazendo a Minas Gerais", afirmou Aécio. 



Segundo ele, o ex-governador seria capaz de conseguir de trazer de volta aliados como Dinis Pinheiro e Alberto Pinto Coelho. Eles saíram do PP, aliado histórico do PSDB. "Claro que a decisão final é do Anastasia, mas como companheiro e amigo, estou confiando cada vez mais que ele assumirá", completou. 



PATROCINADORES

Aécio evitou falar de sua candidatura. "Meu papel hoje é construir uma aliança ampla que possa vencer as eleições e tirar o governo das mãos do PT. Minha candidatura não é prioridade. Ela se coloca dentro desse conjunto de forças políticas. Não vou decidir isso agora", afirmou, reiterando que o nome de Anastasia será capaz de trazer "todas as forças políticas que governaram comigo por oito anos".



Em 2014, quando concorreu ao Palácio do Planalto, o tucano perdeu em Minas Gerais e depois das denúncias que envolveram seu nome na Operação Lava-Jato, saiu de cena e começou a atuar mais nos bastidores.



"Eleição a gente vence e perde. Hoje exerço o cargo de senador porque venci as eleições em Minas como governador na época", disse. 



O senador foi gravado pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS, acertando o pagamento de R$ 2 milhões para seus advogados.



Veja Também