news:

Notícias

Caravana de Lula é alvo de tiros no Paraná

Publicado por TV Minas em 28/03/2018

foto_principal.jpg

Em mensagem no Twitter, partido coloca fotos de marcas de disparos na lataria de dois ônibus, sendo que um deles levava jornalistas; não há feridos.

 

Dois ônibus da caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foram atacados a tiros no final da tarde desta terça-feira (27), quando iam de Quedas do Iguaçu a Laranjeiras do Sul, região Centro-Sul do Paraná. Um dos ônibus, que transportava jornalistas que cobriam a caravana, foi atingido na lataria, nos dois lados. Também há marca de disparo na janela. O outro ônibus foi atingido na lataria, abaixo da janela. Ninguém ficou ferido. O ônibus em que Lula viajava não foi atingido.

 

Os veículos teriam diminuído a velocidade ao passarem sobre um miguelito, um apetrecho feito com metal e pregos usado para furar pneus. As marcas dos disparos só foram percebidas quando os motoristas desceram para verificar o que havia ocorrido com os pneus.

 

À noite, em um evento na Universidade Federal da Fronteira Sul, em Laranjeiras, Lula comentou sobre o ocorrido: “Se eles acham que fazendo isso vão nos assustar, não vão nos assustar. Isso vai nos motivar. Depois do nazismo e do fascismo, não vamos permitir grupos fanáticos nesse país. Não vamos aceitar isso.”

 

O ex-presidente cobrou ainda atuação das autoridades. “Esperamos que quem está no governo federal e estadual assuma a responsabilidade de garantir o direito de ir e vir do cidadão brasileiro”, disse.

 

A informação do atentado foi publicada inicialmente no perfil do ex-presidente no Twitter:

 

“A caravana do ex-presidente Lula pelo Sul do país acaba de ser alvejada por ao menos três tiros enquanto percorria – sem escolta policial – o trecho entre as cidades de Quedas do Iguaçu e Laranjeiras do Sul (PR). Dois ônibus foram atingidos, ninguém foi ferido.”

 

A senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, também falou sobre o caso. “Nossa caravana foi vítima de uma emboscada. Podemos dizer isso claramente. Eu quero saber o que as autoridades paranaenses têm a falar, bem como o ministro da Justiça, o governo brasileiro. Vai precisar ter alguém morto nessa caravana para provar o que estamos dizendo, que estamos sendo vítimas de milícias armadas?”, questionou. Segundo os organizadores da caravana, o Paraná foi o único estado da região Sul onde não houve escolta policial aos ônibus.

 

O incidente ocorre depois de um dos dias mais tranquilos para a caravana petista. Depois de enfrentar fortes protestos por onde passou, Lula discursou sem nenhuma manifestação contrária em Quedas do Iguaçu.

 

Em nota, o Departamento da Polícia Civil do Paraná informou que uma equipe da Delegacia de Laranjeiras do Sul está no local, na Universidade Fronteira Sul, verificando a situação junto à comitiva de Lula. Será feita uma perícia no ônibus e, se constatado um disparo de arma de fogo, será aberto um inquérito policial para apurar os fatos.

 

A Polícia Militar do Paraná disse que reforçou o policiamento nos locais de manifestação pré-determinados junto à comitiva do ex-presidente e que não houve, por parte do ex-presidente, pedido de escolta.

Em mensagem no Twitter, partido coloca fotos de marcas de disparos na lataria de dois ônibus, sendo que um deles levava jornalistas; não há feridos.


 


Dois ônibus da caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foram atacados a tiros no final da tarde desta terça-feira (27), quando iam de Quedas do Iguaçu a Laranjeiras do Sul, região Centro-Sul do Paraná. Um dos ônibus, que transportava jornalistas que cobriam a caravana, foi atingido na lataria, nos dois lados. Também há marca de disparo na janela. O outro ônibus foi atingido na lataria, abaixo da janela. Ninguém ficou ferido. O ônibus em que Lula viajava não foi atingido.


 


Os veículos teriam diminuído a velocidade ao passarem sobre um miguelito, um apetrecho feito com metal e pregos usado para furar pneus. As marcas dos disparos só foram percebidas quando os motoristas desceram para verificar o que havia ocorrido com os pneus.


 


À noite, em um evento na Universidade Federal da Fronteira Sul, em Laranjeiras, Lula comentou sobre o ocorrido: “Se eles acham que fazendo isso vão nos assustar, não vão nos assustar. Isso vai nos motivar. Depois do nazismo e do fascismo, não vamos permitir grupos fanáticos nesse país. Não vamos aceitar isso.”


 


O ex-presidente cobrou ainda atuação das autoridades. “Esperamos que quem está no governo federal e estadual assuma a responsabilidade de garantir o direito de ir e vir do cidadão brasileiro”, disse.


 


PATROCINADORES

A informação do atentado foi publicada inicialmente no perfil do ex-presidente no Twitter:


 


“A caravana do ex-presidente Lula pelo Sul do país acaba de ser alvejada por ao menos três tiros enquanto percorria – sem escolta policial – o trecho entre as cidades de Quedas do Iguaçu e Laranjeiras do Sul (PR). Dois ônibus foram atingidos, ninguém foi ferido.”


 


A senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, também falou sobre o caso. “Nossa caravana foi vítima de uma emboscada. Podemos dizer isso claramente. Eu quero saber o que as autoridades paranaenses têm a falar, bem como o ministro da Justiça, o governo brasileiro. Vai precisar ter alguém morto nessa caravana para provar o que estamos dizendo, que estamos sendo vítimas de milícias armadas?”, questionou. Segundo os organizadores da caravana, o Paraná foi o único estado da região Sul onde não houve escolta policial aos ônibus.


 


O incidente ocorre depois de um dos dias mais tranquilos para a caravana petista. Depois de enfrentar fortes protestos por onde passou, Lula discursou sem nenhuma manifestação contrária em Quedas do Iguaçu.


 


Em nota, o Departamento da Polícia Civil do Paraná informou que uma equipe da Delegacia de Laranjeiras do Sul está no local, na Universidade Fronteira Sul, verificando a situação junto à comitiva de Lula. Será feita uma perícia no ônibus e, se constatado um disparo de arma de fogo, será aberto um inquérito policial para apurar os fatos.


 


A Polícia Militar do Paraná disse que reforçou o policiamento nos locais de manifestação pré-determinados junto à comitiva do ex-presidente e que não houve, por parte do ex-presidente, pedido de escolta.


Em mensagem no Twitter, partido coloca fotos de marcas de disparos na lataria de dois ônibus, sendo que um deles levava jornalistas; não há feridos.



Dois ônibus da caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foram atacados a tiros no final da tarde desta terça-feira (27), quando iam de Quedas do Iguaçu a Laranjeiras do Sul, região Centro-Sul do Paraná. Um dos ônibus, que transportava jornalistas que cobriam a caravana, foi atingido na lataria, nos dois lados. Também há marca de disparo na janela. O outro ônibus foi atingido na lataria, abaixo da janela. Ninguém ficou ferido. O ônibus em que Lula viajava não foi atingido.



Os veículos teriam diminuído a velocidade ao passarem sobre um miguelito, um apetrecho feito com metal e pregos usado para furar pneus. As marcas dos disparos só foram percebidas quando os motoristas desceram para verificar o que havia ocorrido com os pneus.



À noite, em um evento na Universidade Federal da Fronteira Sul, em Laranjeiras, Lula comentou sobre o ocorrido: “Se eles acham que fazendo isso vão nos assustar, não vão nos assustar. Isso vai nos motivar. Depois do nazismo e do fascismo, não vamos permitir grupos fanáticos nesse país. Não vamos aceitar isso.”



PATROCINADORES

O ex-presidente cobrou ainda atuação das autoridades. “Esperamos que quem está no governo federal e estadual assuma a responsabilidade de garantir o direito de ir e vir do cidadão brasileiro”, disse.



A informação do atentado foi publicada inicialmente no perfil do ex-presidente no Twitter:



“A caravana do ex-presidente Lula pelo Sul do país acaba de ser alvejada por ao menos três tiros enquanto percorria – sem escolta policial – o trecho entre as cidades de Quedas do Iguaçu e Laranjeiras do Sul (PR). Dois ônibus foram atingidos, ninguém foi ferido.”



PATROCINADORES

A senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, também falou sobre o caso. “Nossa caravana foi vítima de uma emboscada. Podemos dizer isso claramente. Eu quero saber o que as autoridades paranaenses têm a falar, bem como o ministro da Justiça, o governo brasileiro. Vai precisar ter alguém morto nessa caravana para provar o que estamos dizendo, que estamos sendo vítimas de milícias armadas?”, questionou. Segundo os organizadores da caravana, o Paraná foi o único estado da região Sul onde não houve escolta policial aos ônibus.



O incidente ocorre depois de um dos dias mais tranquilos para a caravana petista. Depois de enfrentar fortes protestos por onde passou, Lula discursou sem nenhuma manifestação contrária em Quedas do Iguaçu.



Em nota, o Departamento da Polícia Civil do Paraná informou que uma equipe da Delegacia de Laranjeiras do Sul está no local, na Universidade Fronteira Sul, verificando a situação junto à comitiva de Lula. Será feita uma perícia no ônibus e, se constatado um disparo de arma de fogo, será aberto um inquérito policial para apurar os fatos.



A Polícia Militar do Paraná disse que reforçou o policiamento nos locais de manifestação pré-determinados junto à comitiva do ex-presidente e que não houve, por parte do ex-presidente, pedido de escolta.



Veja Também