news:

Sul de Minas

Proprietários cobram por passagem alternativa após queda de ponte em MG

Publicado por TV Minas em 04/04/2018

338237938.jpg

Matéria extraída do G1

 

Sem a ponte em Nazareno, produtores rurais e moradores lamentam prejuízos, enquanto motoristas se arriscam em outras passagens.

 

A queda da ponte na rodovia BR-265, em Nazareno, fez alguns donos de terrenos começaram a cobrança em dinheiro para liberar a passagem de motoristas. Com o valor de R$ 2, eles alegam danos causados nas terras com o aumento do fluxo de veículos.

 

Em um dos locais, um vigilante foi contratado para fazer a cobrança pelo uso do desvio. Quem quer evitar o pagamento tem buscado outros desvios, alguns até arriscados.

 

Motoristas foram flagrados atravessando a rodovia em obras, mesmo sem a estrutura da antiga ponte. O flagrante foi feito com fotos, divulgadas nas redes sociais, e também por comerciantes de locais próximos.

 

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) iria construir um desvio ao lado da antiga ponte, mas a obra ainda não aconteceu. Outro caminho usado pelos motoristas aumenta a viagem em quase 80 quilômetros. A terceira opção é passar pelo distrito de Palmital, mas por ali há um limite de veículos com até 10 toneladas.

 

Desde a queda da ponte na BR-265, no dia 11 de março, moradores da região, viajantes e caminhoneiros enfrentam as mudanças. Uma das prejudicadas é a moradora de Lavras Bellkiss Eriana Ávila, de 63 anos. Ela fez todo o tratamento contra um câncer de mama em São João Del Rei.

 

A queda comprometeu o acompanhamento semanal da doença, já que o trajeto ficou mais longo. “Eu não tenho condição física e psicológica de ficar numa rodovia sem saber se vou sair ou não dela. Com caminhão agarrado. Se chove, não passa. Se não chove, não tem como passar por causa da poeira”, conta.

 

 

Morotistas são flagrados em travessia de obra de ponte em Nazareno.

 

 

A reclamação de um produtor de soja é em relação ao custo elevado do transporte e a dificuldade de vender o produto. “Os compradores de soja estão evitando a nossa região aqui, devido ao aumento excessivo que está tendo no frete. Em torno de 30% está aumentando pra fazer a logística do transporte”, explica Agostinho Júnior Leite.

 

A dificuldade também fica por conta da compra de fertilizantes e sementes por parte dos produtores.

 

Procurada pela produção da EPTV, afiliada da Rede Globo, a Polícia Militar Rodoviária diz que fiscaliza o trecho onde a ponte caiu e afirma que é proibida a passagem de veículos na obra. Já o Dnit afirma que as obras de reconstrução da ponte devem começar em até 10 dias.

Matéria extraída do G1


 


Sem a ponte em Nazareno, produtores rurais e moradores lamentam prejuízos, enquanto motoristas se arriscam em outras passagens.


 


A queda da ponte na rodovia BR-265, em Nazareno, fez alguns donos de terrenos começaram a cobrança em dinheiro para liberar a passagem de motoristas. Com o valor de R$ 2, eles alegam danos causados nas terras com o aumento do fluxo de veículos.


 


Em um dos locais, um vigilante foi contratado para fazer a cobrança pelo uso do desvio. Quem quer evitar o pagamento tem buscado outros desvios, alguns até arriscados.


 


Motoristas foram flagrados atravessando a rodovia em obras, mesmo sem a estrutura da antiga ponte. O flagrante foi feito com fotos, divulgadas nas redes sociais, e também por comerciantes de locais próximos.


 


O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) iria construir um desvio ao lado da antiga ponte, mas a obra ainda não aconteceu. Outro caminho usado pelos motoristas aumenta a viagem em quase 80 quilômetros. A terceira opção é passar pelo distrito de Palmital, mas por ali há um limite de veículos com até 10 toneladas.


 


PATROCINADORES

Desde a queda da ponte na BR-265, no dia 11 de março, moradores da região, viajantes e caminhoneiros enfrentam as mudanças. Uma das prejudicadas é a moradora de Lavras Bellkiss Eriana Ávila, de 63 anos. Ela fez todo o tratamento contra um câncer de mama em São João Del Rei.


 


A queda comprometeu o acompanhamento semanal da doença, já que o trajeto ficou mais longo. “Eu não tenho condição física e psicológica de ficar numa rodovia sem saber se vou sair ou não dela. Com caminhão agarrado. Se chove, não passa. Se não chove, não tem como passar por causa da poeira”, conta.


 


 


Morotistas são flagrados em travessia de obra de ponte em Nazareno.


 


 


A reclamação de um produtor de soja é em relação ao custo elevado do transporte e a dificuldade de vender o produto. “Os compradores de soja estão evitando a nossa região aqui, devido ao aumento excessivo que está tendo no frete. Em torno de 30% está aumentando pra fazer a logística do transporte”, explica Agostinho Júnior Leite.


 


A dificuldade também fica por conta da compra de fertilizantes e sementes por parte dos produtores.


 


Procurada pela produção da EPTV, afiliada da Rede Globo, a Polícia Militar Rodoviária diz que fiscaliza o trecho onde a ponte caiu e afirma que é proibida a passagem de veículos na obra. Já o Dnit afirma que as obras de reconstrução da ponte devem começar em até 10 dias.


Matéria extraída do G1



Sem a ponte em Nazareno, produtores rurais e moradores lamentam prejuízos, enquanto motoristas se arriscam em outras passagens.



A queda da ponte na rodovia BR-265, em Nazareno, fez alguns donos de terrenos começaram a cobrança em dinheiro para liberar a passagem de motoristas. Com o valor de R$ 2, eles alegam danos causados nas terras com o aumento do fluxo de veículos.



Em um dos locais, um vigilante foi contratado para fazer a cobrança pelo uso do desvio. Quem quer evitar o pagamento tem buscado outros desvios, alguns até arriscados.



PATROCINADORES

Motoristas foram flagrados atravessando a rodovia em obras, mesmo sem a estrutura da antiga ponte. O flagrante foi feito com fotos, divulgadas nas redes sociais, e também por comerciantes de locais próximos.



O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) iria construir um desvio ao lado da antiga ponte, mas a obra ainda não aconteceu. Outro caminho usado pelos motoristas aumenta a viagem em quase 80 quilômetros. A terceira opção é passar pelo distrito de Palmital, mas por ali há um limite de veículos com até 10 toneladas.



Desde a queda da ponte na BR-265, no dia 11 de março, moradores da região, viajantes e caminhoneiros enfrentam as mudanças. Uma das prejudicadas é a moradora de Lavras Bellkiss Eriana Ávila, de 63 anos. Ela fez todo o tratamento contra um câncer de mama em São João Del Rei.



A queda comprometeu o acompanhamento semanal da doença, já que o trajeto ficou mais longo. “Eu não tenho condição física e psicológica de ficar numa rodovia sem saber se vou sair ou não dela. Com caminhão agarrado. Se chove, não passa. Se não chove, não tem como passar por causa da poeira”, conta.



PATROCINADORES

Morotistas são flagrados em travessia de obra de ponte em Nazareno.



A reclamação de um produtor de soja é em relação ao custo elevado do transporte e a dificuldade de vender o produto. “Os compradores de soja estão evitando a nossa região aqui, devido ao aumento excessivo que está tendo no frete. Em torno de 30% está aumentando pra fazer a logística do transporte”, explica Agostinho Júnior Leite.



A dificuldade também fica por conta da compra de fertilizantes e sementes por parte dos produtores.



Procurada pela produção da EPTV, afiliada da Rede Globo, a Polícia Militar Rodoviária diz que fiscaliza o trecho onde a ponte caiu e afirma que é proibida a passagem de veículos na obra. Já o Dnit afirma que as obras de reconstrução da ponte devem começar em até 10 dias.



Veja Também