news:

Bem Estar

3 erros que todo viciado em comida comete na hora de emagrecer

Publicado por TV Minas em 12/04/2018

foto_principal.jpg

Para Susan Pierce Thompson, especialista em psicologia da alimentação, existem equívocos básicos no processo de perder peso.

 

Só quem é apaixonado por comida e precisa perder peso sabe o quanto é difícil abrir mão de um dos maiores prazeres da vida: o de comer. A força de vontade e a disciplina – essenciais nesse processo – precisam ser parceiras inseparáveis, mas nada garante que elas não falhem no meio do caminho e que todo o esforço seja derrotado pelas tentações.

 

Para Susan Pierce Thompson, professora do núcleo de Ciências Cognitivas na Universidade de Rochester, especialista em psicologia da alimentação e fundadora do Bright Line Eating, que ajuda pessoas do mundo todo a perder peso, existem alguns erros básicos no processo de emagrecimento – e que quase todo mundo comete mesmo sem se dar conta.

 

Valendo da própria experiência – a especialista lutou por décadas contra a balança – e depois de experimentar os mais diferentes tipos de dieta e até cogitar uma cirurgia bariátrica, Susan passou por um processo de reeducação alimentar, perdeu mais de 60 quilos e escreveu, em 2011, o livro Bright Line Eating, sem tradução para o português, em que lista os 12 passos que todo viciado em comida deve seguir para conseguir emagrecer.

 

A publicação fez tanto sucesso que virou um programa alimentar com milhares de adeptos e inúmeras histórias de sucesso. No site do Bright Line Eating, Susan enumera três dos erros mais comuns que quase todo mundo comete durante o processo de emagrecimento. Confira a seguir quais são eles:

 

 

Primeiro erro: colocar toda a expectativa na força de vontade

 

Fundamental no processo de emagrecimento, a perseverança é forte aliada para quem deseja perder peso, mas, de acordo com Susan, ela não é a única responsável nesse processo. Para a especialista, a força de vontade é útil principalmente no início de qualquer dieta, mas ela em algum momento pode fracassar.

 

“A força de vontade é como uma bateria unitária dentro de cada um, ou seja, em algum momento ela pode se esgotar. E cientificamente já foi comprovado que a falta de açúcar no sangue, por exemplo, pode derrotar toda persistência que existe dentro das pessoas quando elas precisam comer”, afirma Susan.

 

 

Segundo erro: subestimar o poder viciante dos alimentos refinados

 

Para Susan, o açúcar e outros alimentos refinados são como a cocaína ou a heroína, ou seja, viciam.

 

“Os alimentos que estão na sua forma bruta interagem no nosso cérebro de forma diferente em relação aos alimentos refinados. Substâncias comestíveis como o açúcar e a farinha, por exemplo, aguçam de forma não natural a dopamina – neurotransmissor ligado ao prazer. Quanto mais alimentos refinados as pessoas comerem, inconscientemente, mais necessidade de comer elas vão sentir. É um círculo vicioso”.

 

 

Terceiro erro: abrir exceções

 

Todo processo de perda de peso é tortuoso e muitas pessoas, para compensar o sacrifício, costumam abrir algumas exceções nos fins de semana ou pelo menos uma vez por mês. Para Susan, as famosas “escapadas” da dieta são traiçoeiras, pois podem intensificar o desejo de querer repetir o processo.

 

“Não dá para generalizar, mas muitas pessoas com dificuldade de emagrecer são suscetíveis ao poder viciante de alguns alimentos, abrir exceções pode ser um caminho sem volta”, afirma a especialista.

Para Susan Pierce Thompson, especialista em psicologia da alimentação, existem equívocos básicos no processo de perder peso.


 


Só quem é apaixonado por comida e precisa perder peso sabe o quanto é difícil abrir mão de um dos maiores prazeres da vida: o de comer. A força de vontade e a disciplina – essenciais nesse processo – precisam ser parceiras inseparáveis, mas nada garante que elas não falhem no meio do caminho e que todo o esforço seja derrotado pelas tentações.


 


Para Susan Pierce Thompson, professora do núcleo de Ciências Cognitivas na Universidade de Rochester, especialista em psicologia da alimentação e fundadora do Bright Line Eating, que ajuda pessoas do mundo todo a perder peso, existem alguns erros básicos no processo de emagrecimento – e que quase todo mundo comete mesmo sem se dar conta.


 


Valendo da própria experiência – a especialista lutou por décadas contra a balança – e depois de experimentar os mais diferentes tipos de dieta e até cogitar uma cirurgia bariátrica, Susan passou por um processo de reeducação alimentar, perdeu mais de 60 quilos e escreveu, em 2011, o livro Bright Line Eating, sem tradução para o português, em que lista os 12 passos que todo viciado em comida deve seguir para conseguir emagrecer.


 


A publicação fez tanto sucesso que virou um programa alimentar com milhares de adeptos e inúmeras histórias de sucesso. No site do Bright Line Eating, Susan enumera três dos erros mais comuns que quase todo mundo comete durante o processo de emagrecimento. Confira a seguir quais são eles:


 


 


Primeiro erro: colocar toda a expectativa na força de vontade


 


Fundamental no processo de emagrecimento, a perseverança é forte aliada para quem deseja perder peso, mas, de acordo com Susan, ela não é a única responsável nesse processo. Para a especialista, a força de vontade é útil principalmente no início de qualquer dieta, mas ela em algum momento pode fracassar.


 


PATROCINADORES

“A força de vontade é como uma bateria unitária dentro de cada um, ou seja, em algum momento ela pode se esgotar. E cientificamente já foi comprovado que a falta de açúcar no sangue, por exemplo, pode derrotar toda persistência que existe dentro das pessoas quando elas precisam comer”, afirma Susan.


 


 


Segundo erro: subestimar o poder viciante dos alimentos refinados


 


Para Susan, o açúcar e outros alimentos refinados são como a cocaína ou a heroína, ou seja, viciam.


 


“Os alimentos que estão na sua forma bruta interagem no nosso cérebro de forma diferente em relação aos alimentos refinados. Substâncias comestíveis como o açúcar e a farinha, por exemplo, aguçam de forma não natural a dopamina – neurotransmissor ligado ao prazer. Quanto mais alimentos refinados as pessoas comerem, inconscientemente, mais necessidade de comer elas vão sentir. É um círculo vicioso”.


 


 


Terceiro erro: abrir exceções


 


Todo processo de perda de peso é tortuoso e muitas pessoas, para compensar o sacrifício, costumam abrir algumas exceções nos fins de semana ou pelo menos uma vez por mês. Para Susan, as famosas “escapadas” da dieta são traiçoeiras, pois podem intensificar o desejo de querer repetir o processo.


 


“Não dá para generalizar, mas muitas pessoas com dificuldade de emagrecer são suscetíveis ao poder viciante de alguns alimentos, abrir exceções pode ser um caminho sem volta”, afirma a especialista.


Para Susan Pierce Thompson, especialista em psicologia da alimentação, existem equívocos básicos no processo de perder peso.



Só quem é apaixonado por comida e precisa perder peso sabe o quanto é difícil abrir mão de um dos maiores prazeres da vida: o de comer. A força de vontade e a disciplina – essenciais nesse processo – precisam ser parceiras inseparáveis, mas nada garante que elas não falhem no meio do caminho e que todo o esforço seja derrotado pelas tentações.



Para Susan Pierce Thompson, professora do núcleo de Ciências Cognitivas na Universidade de Rochester, especialista em psicologia da alimentação e fundadora do Bright Line Eating, que ajuda pessoas do mundo todo a perder peso, existem alguns erros básicos no processo de emagrecimento – e que quase todo mundo comete mesmo sem se dar conta.



Valendo da própria experiência – a especialista lutou por décadas contra a balança – e depois de experimentar os mais diferentes tipos de dieta e até cogitar uma cirurgia bariátrica, Susan passou por um processo de reeducação alimentar, perdeu mais de 60 quilos e escreveu, em 2011, o livro Bright Line Eating, sem tradução para o português, em que lista os 12 passos que todo viciado em comida deve seguir para conseguir emagrecer.



A publicação fez tanto sucesso que virou um programa alimentar com milhares de adeptos e inúmeras histórias de sucesso. No site do Bright Line Eating, Susan enumera três dos erros mais comuns que quase todo mundo comete durante o processo de emagrecimento. Confira a seguir quais são eles:



PATROCINADORES

Primeiro erro: colocar toda a expectativa na força de vontade



Fundamental no processo de emagrecimento, a perseverança é forte aliada para quem deseja perder peso, mas, de acordo com Susan, ela não é a única responsável nesse processo. Para a especialista, a força de vontade é útil principalmente no início de qualquer dieta, mas ela em algum momento pode fracassar.



“A força de vontade é como uma bateria unitária dentro de cada um, ou seja, em algum momento ela pode se esgotar. E cientificamente já foi comprovado que a falta de açúcar no sangue, por exemplo, pode derrotar toda persistência que existe dentro das pessoas quando elas precisam comer”, afirma Susan.



Segundo erro: subestimar o poder viciante dos alimentos refinados



PATROCINADORES

Para Susan, o açúcar e outros alimentos refinados são como a cocaína ou a heroína, ou seja, viciam.



“Os alimentos que estão na sua forma bruta interagem no nosso cérebro de forma diferente em relação aos alimentos refinados. Substâncias comestíveis como o açúcar e a farinha, por exemplo, aguçam de forma não natural a dopamina – neurotransmissor ligado ao prazer. Quanto mais alimentos refinados as pessoas comerem, inconscientemente, mais necessidade de comer elas vão sentir. É um círculo vicioso”.



Terceiro erro: abrir exceções



Todo processo de perda de peso é tortuoso e muitas pessoas, para compensar o sacrifício, costumam abrir algumas exceções nos fins de semana ou pelo menos uma vez por mês. Para Susan, as famosas “escapadas” da dieta são traiçoeiras, pois podem intensificar o desejo de querer repetir o processo.



“Não dá para generalizar, mas muitas pessoas com dificuldade de emagrecer são suscetíveis ao poder viciante de alguns alimentos, abrir exceções pode ser um caminho sem volta”, afirma a especialista.



Veja Também