news:

Esporte

USADA inocenta brasileiros em doping e culpa suplementos contaminados

Publicado por TV Minas em 24/04/2018

foto_principal.jpg

Cigano, Minotouro e Pezão tiveram suspensão reduzida e já podem competir.

 

Três lutadores brasileiros flagrados no doping no ano passado foram considerados inocentes pela Agência Antidoping dos EUA, a USADA, parceira do UFC no controle ao uso de substâncias ilícitas. Junior Cigano, Rogério Minotouro e Marcos Pezão escaparam do risco de longa suspensão após investigação que apontou o consumo de suplementos contaminados como responsável pelo problema. 

 

Junior Cigao foi flagrado em exame surpresa aplicado em agosto de 2017, antes do duelo contra Francis Ngannou, nos pesos pesados. A USADA informou que farmácias de manipulação responsáveis pela produção de suplementos do brasileiro ex-campeão do UFC causaram o doping por causa de contaminação com substâncias que não fazem parte da composição. 

 

O mesmo caso se aplica a Minotouro e Pezão, ambos atletas da divisão dos meio-pesados do UFC e também inocentados no doping. A exemplo de Cigano, os dois foram flagrados com a substância hidroclorotiazida, que tem propriedade diurética. No caso de Pezão, apareceu ainda o anastrozol, um esteroide anabolizante. 

 

Com a comprovação do chamado doping ‘inconsciente’, Cigano, Minotouro e Pezão tiveram a suspensão reduzida para seis meses, prazo já expirado. Com isso, os três já estão liberados a competir no UFC. A USADA, por meio do diretor-executivo Travis T. Tygart disse que os fornecedores precisam ser responsabilizados pela contaminação de suplementos alimentares no momento da produção. “Nós agradecemos pela cooperação dos atletas e autoridades internacionais em aprofundar esta situação. Esperamos que isso previna a repetição destes problemas no futuro”, declarou. 

 

“É inaceitável que estas farmácias de manipulação produzam suplementos contaminados para o público. Este é outro exemplo da razão pela qual os atletas precisam ter cuidado extremo com o uso de suplementação nutricional. Frequentemente, os produtos contêm substâncias não declaradas, inclusive proibidas, o que pode ser perigoso para a saúde do atleta. Vamos fazer todo o possível para garantir que estes fornecedores sejam responsabilizados por colocar produtos perigosos no mercado”, acrescentou o dirigente.

Cigano, Minotouro e Pezão tiveram suspensão reduzida e já podem competir.


 


Três lutadores brasileiros flagrados no doping no ano passado foram considerados inocentes pela Agência Antidoping dos EUA, a USADA, parceira do UFC no controle ao uso de substâncias ilícitas. Junior Cigano, Rogério Minotouro e Marcos Pezão escaparam do risco de longa suspensão após investigação que apontou o consumo de suplementos contaminados como responsável pelo problema. 


 


Junior Cigao foi flagrado em exame surpresa aplicado em agosto de 2017, antes do duelo contra Francis Ngannou, nos pesos pesados. A USADA informou que farmácias de manipulação responsáveis pela produção de suplementos do brasileiro ex-campeão do UFC causaram o doping por causa de contaminação com substâncias que não fazem parte da composição. 


PATROCINADORES

 


O mesmo caso se aplica a Minotouro e Pezão, ambos atletas da divisão dos meio-pesados do UFC e também inocentados no doping. A exemplo de Cigano, os dois foram flagrados com a substância hidroclorotiazida, que tem propriedade diurética. No caso de Pezão, apareceu ainda o anastrozol, um esteroide anabolizante. 


 


Com a comprovação do chamado doping ‘inconsciente’, Cigano, Minotouro e Pezão tiveram a suspensão reduzida para seis meses, prazo já expirado. Com isso, os três já estão liberados a competir no UFC. A USADA, por meio do diretor-executivo Travis T. Tygart disse que os fornecedores precisam ser responsabilizados pela contaminação de suplementos alimentares no momento da produção. “Nós agradecemos pela cooperação dos atletas e autoridades internacionais em aprofundar esta situação. Esperamos que isso previna a repetição destes problemas no futuro”, declarou. 


 


“É inaceitável que estas farmácias de manipulação produzam suplementos contaminados para o público. Este é outro exemplo da razão pela qual os atletas precisam ter cuidado extremo com o uso de suplementação nutricional. Frequentemente, os produtos contêm substâncias não declaradas, inclusive proibidas, o que pode ser perigoso para a saúde do atleta. Vamos fazer todo o possível para garantir que estes fornecedores sejam responsabilizados por colocar produtos perigosos no mercado”, acrescentou o dirigente.


Cigano, Minotouro e Pezão tiveram suspensão reduzida e já podem competir.



Três lutadores brasileiros flagrados no doping no ano passado foram considerados inocentes pela Agência Antidoping dos EUA, a USADA, parceira do UFC no controle ao uso de substâncias ilícitas. Junior Cigano, Rogério Minotouro e Marcos Pezão escaparam do risco de longa suspensão após investigação que apontou o consumo de suplementos contaminados como responsável pelo problema. 



Junior Cigao foi flagrado em exame surpresa aplicado em agosto de 2017, antes do duelo contra Francis Ngannou, nos pesos pesados. A USADA informou que farmácias de manipulação responsáveis pela produção de suplementos do brasileiro ex-campeão do UFC causaram o doping por causa de contaminação com substâncias que não fazem parte da composição. 



PATROCINADORES

O mesmo caso se aplica a Minotouro e Pezão, ambos atletas da divisão dos meio-pesados do UFC e também inocentados no doping. A exemplo de Cigano, os dois foram flagrados com a substância hidroclorotiazida, que tem propriedade diurética. No caso de Pezão, apareceu ainda o anastrozol, um esteroide anabolizante. 



Com a comprovação do chamado doping ‘inconsciente’, Cigano, Minotouro e Pezão tiveram a suspensão reduzida para seis meses, prazo já expirado. Com isso, os três já estão liberados a competir no UFC. A USADA, por meio do diretor-executivo Travis T. Tygart disse que os fornecedores precisam ser responsabilizados pela contaminação de suplementos alimentares no momento da produção. “Nós agradecemos pela cooperação dos atletas e autoridades internacionais em aprofundar esta situação. Esperamos que isso previna a repetição destes problemas no futuro”, declarou. 



“É inaceitável que estas farmácias de manipulação produzam suplementos contaminados para o público. Este é outro exemplo da razão pela qual os atletas precisam ter cuidado extremo com o uso de suplementação nutricional. Frequentemente, os produtos contêm substâncias não declaradas, inclusive proibidas, o que pode ser perigoso para a saúde do atleta. Vamos fazer todo o possível para garantir que estes fornecedores sejam responsabilizados por colocar produtos perigosos no mercado”, acrescentou o dirigente.



Veja Também