news:

Bem Estar

Comer chocolate amargo pode reduzir seus níveis de estresse

Publicado por TV Minas em 27/04/2018

foto_principal.jpg

Pesquisadores descobrem que altas concentrações de cacau podem estar associadas a benefícios para a nossa saúde.

 

No final de uma refeição ou no meio de uma tarde chuvosa, o chocolate nunca sai da nossa cabeça. E nem da dos pesquisadores de um encontro anual de biologia em San Diego, nos Estados Unidos, que apresentaram dois estudos sobre o impacto do chocolate amargo sobre a nossa saúde.

 

“Esta é a primeira vez que nós olhamos o impacto de grandes quantidades de cacau em doses tão pequenas quanto uma barra de chocolate”, afirma Lee S. Berk, pesquisador em psiconeuroimunologia e ciência dos alimentos e principal autor dos dois estudos. “Por anos, nós temos olhado para a influência do chocolate amargo em funções neurológicas do ponto de vista do conteúdo de açúcar.”

 

Além disso, outro estudo revelou que o cacau é capaz de acentuar a neuroplasticidade do sistema nervoso, o que melhora nossa saúde comportamental e cerebral.

 

Ambas as pesquisas sugerem que o consumo de chocolate composto por, no mínimo, 70% de cacau possa trazer benefícios à nossa memória, imunidade e humor, além de reduzir os níveis de estresse e inflamação.

 

Isso ocorre, em parte, porque os flavonoides — substâncias resultantes do metabolismo de plantas e frutas — presentes no cacau são agentes antioxidantes e anti-inflamatórios extremamente potentes, com benefícios que para saúde do sistema cardiovascular e do cérebro.

 

Pesquisas com amostras maiores ainda devem ser realizadas para determinar quais são os mecanismos envolvidos nessa relação entre as grandes quantidades de cacau e as vantagens para a nossa saúde. Até lá, vamos comendo de pouco em pouco aquela deliciosa barra de chocolate amargo.

Pesquisadores descobrem que altas concentrações de cacau podem estar associadas a benefícios para a nossa saúde.


 


No final de uma refeição ou no meio de uma tarde chuvosa, o chocolate nunca sai da nossa cabeça. E nem da dos pesquisadores de um encontro anual de biologia em San Diego, nos Estados Unidos, que apresentaram dois estudos sobre o impacto do chocolate amargo sobre a nossa saúde.


 


“Esta é a primeira vez que nós olhamos o impacto de grandes quantidades de cacau em doses tão pequenas quanto uma barra de chocolate”, afirma Lee S. Berk, pesquisador em psiconeuroimunologia e ciência dos alimentos e principal autor dos dois estudos. “Por anos, nós temos olhado para a influência do chocolate amargo em funções neurológicas do ponto de vista do conteúdo de açúcar.”


 


PATROCINADORES

Além disso, outro estudo revelou que o cacau é capaz de acentuar a neuroplasticidade do sistema nervoso, o que melhora nossa saúde comportamental e cerebral.


 


Ambas as pesquisas sugerem que o consumo de chocolate composto por, no mínimo, 70% de cacau possa trazer benefícios à nossa memória, imunidade e humor, além de reduzir os níveis de estresse e inflamação.


 


Isso ocorre, em parte, porque os flavonoides — substâncias resultantes do metabolismo de plantas e frutas — presentes no cacau são agentes antioxidantes e anti-inflamatórios extremamente potentes, com benefícios que para saúde do sistema cardiovascular e do cérebro.


 


Pesquisas com amostras maiores ainda devem ser realizadas para determinar quais são os mecanismos envolvidos nessa relação entre as grandes quantidades de cacau e as vantagens para a nossa saúde. Até lá, vamos comendo de pouco em pouco aquela deliciosa barra de chocolate amargo.


Pesquisadores descobrem que altas concentrações de cacau podem estar associadas a benefícios para a nossa saúde.



No final de uma refeição ou no meio de uma tarde chuvosa, o chocolate nunca sai da nossa cabeça. E nem da dos pesquisadores de um encontro anual de biologia em San Diego, nos Estados Unidos, que apresentaram dois estudos sobre o impacto do chocolate amargo sobre a nossa saúde.



“Esta é a primeira vez que nós olhamos o impacto de grandes quantidades de cacau em doses tão pequenas quanto uma barra de chocolate”, afirma Lee S. Berk, pesquisador em psiconeuroimunologia e ciência dos alimentos e principal autor dos dois estudos. “Por anos, nós temos olhado para a influência do chocolate amargo em funções neurológicas do ponto de vista do conteúdo de açúcar.”



PATROCINADORES

Além disso, outro estudo revelou que o cacau é capaz de acentuar a neuroplasticidade do sistema nervoso, o que melhora nossa saúde comportamental e cerebral.



Ambas as pesquisas sugerem que o consumo de chocolate composto por, no mínimo, 70% de cacau possa trazer benefícios à nossa memória, imunidade e humor, além de reduzir os níveis de estresse e inflamação.



Isso ocorre, em parte, porque os flavonoides — substâncias resultantes do metabolismo de plantas e frutas — presentes no cacau são agentes antioxidantes e anti-inflamatórios extremamente potentes, com benefícios que para saúde do sistema cardiovascular e do cérebro.



Pesquisas com amostras maiores ainda devem ser realizadas para determinar quais são os mecanismos envolvidos nessa relação entre as grandes quantidades de cacau e as vantagens para a nossa saúde. Até lá, vamos comendo de pouco em pouco aquela deliciosa barra de chocolate amargo.



Veja Também