news:

Notícias

Homem é baleado em ataque a acampamento pró-Lula em Curitiba

Publicado por TV Minas em 28/04/2018

foto_principal.jpg

Vítima foi atingida no pescoço e socorrida em estado grave, segundo a PM; mulher ficou ferida sem gravidade.

 

Um homem de 39 anos foi baleado no pescoço após um ataque a tiros ao acampamento de apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Curitiba na madrugada deste sábado (28), segundo a Secretaria de Segurança Pública do Paraná.

 

A presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, afirmou em uma publicação na rede social que o acampamento foi alvo de um "atentado". A vítima, segundo ela, chama-se Jeferson e é morador de São Paulo. Representantes do acampamento dizem que duas pessoas ficaram feridas.

 

O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) está preso na Superintendência da Polícia Federal (PF), que fica no Santa Cândida, desde 7 de abril. Ele foi condenado a 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, na Operação Lava Jato.

 

Segundo a PM, testemunhas contaram que uma pessoa efetuou os disparos em direção à vítima. O homem foi levado em estado grave para um Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade. A Polícia Civil foi acionada.

 

O G1 entrou em contato a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Administração Penitenciária (Sesp) por volta das 8h. A pasta informou que está checando as informações referentes ao caso.

 

Às 8h20, a reportagem ligou para a prefeitura, responsável pela UPA, mas, até a última atualização desta reportagem não havia passado informações sobre o ferido. O G1 também tentou ligar para a UPA, mas o telefone está ocupado.

 

Pela manhã, os manifestantes que se encontram acampados fizeram um protesto, por aproximadamente uma hora, por causa dos tiros que atingiram o acampamento.

 

 

O acampamento

 

Desde 17 de abril, os manifestantes pró-Lula acampam em um terreno vazio de 1.600 metros quadrados, a 800 metros de distância da PF. De acordo com o PT, o terreno foi alugado por 30 dias.

 

Até então, os movimentos sociais que apoiam Lula estavam em um acampamento erguido no entorno da PF.

 

A mudança aconteceu depois de um acordo assinado entre representantes dos movimentos, da Sesp, do Ministério Público estadual (MP-PR) e da Polícia Federal, para que o acampamento fosse retirado do entorno.

 

A Justiça proibiu a ocupação do entorno da PF, sob pena de multa diária de R$ 500 mil aos movimentos que desobedecessem.

Vítima foi atingida no pescoço e socorrida em estado grave, segundo a PM; mulher ficou ferida sem gravidade.


 


Um homem de 39 anos foi baleado no pescoço após um ataque a tiros ao acampamento de apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Curitiba na madrugada deste sábado (28), segundo a Secretaria de Segurança Pública do Paraná.


 


A presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, afirmou em uma publicação na rede social que o acampamento foi alvo de um "atentado". A vítima, segundo ela, chama-se Jeferson e é morador de São Paulo. Representantes do acampamento dizem que duas pessoas ficaram feridas.


 


O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) está preso na Superintendência da Polícia Federal (PF), que fica no Santa Cândida, desde 7 de abril. Ele foi condenado a 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, na Operação Lava Jato.


 


Segundo a PM, testemunhas contaram que uma pessoa efetuou os disparos em direção à vítima. O homem foi levado em estado grave para um Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade. A Polícia Civil foi acionada.


 


O G1 entrou em contato a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Administração Penitenciária (Sesp) por volta das 8h. A pasta informou que está checando as informações referentes ao caso.


 


Às 8h20, a reportagem ligou para a prefeitura, responsável pela UPA, mas, até a última atualização desta reportagem não havia passado informações sobre o ferido. O G1 também tentou ligar para a UPA, mas o telefone está ocupado.


PATROCINADORES

 


Pela manhã, os manifestantes que se encontram acampados fizeram um protesto, por aproximadamente uma hora, por causa dos tiros que atingiram o acampamento.


 


 


O acampamento


 


Desde 17 de abril, os manifestantes pró-Lula acampam em um terreno vazio de 1.600 metros quadrados, a 800 metros de distância da PF. De acordo com o PT, o terreno foi alugado por 30 dias.


 


Até então, os movimentos sociais que apoiam Lula estavam em um acampamento erguido no entorno da PF.


 


A mudança aconteceu depois de um acordo assinado entre representantes dos movimentos, da Sesp, do Ministério Público estadual (MP-PR) e da Polícia Federal, para que o acampamento fosse retirado do entorno.


 


A Justiça proibiu a ocupação do entorno da PF, sob pena de multa diária de R$ 500 mil aos movimentos que desobedecessem.


Vítima foi atingida no pescoço e socorrida em estado grave, segundo a PM; mulher ficou ferida sem gravidade.



Um homem de 39 anos foi baleado no pescoço após um ataque a tiros ao acampamento de apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Curitiba na madrugada deste sábado (28), segundo a Secretaria de Segurança Pública do Paraná.



A presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, afirmou em uma publicação na rede social que o acampamento foi alvo de um "atentado". A vítima, segundo ela, chama-se Jeferson e é morador de São Paulo. Representantes do acampamento dizem que duas pessoas ficaram feridas.



O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) está preso na Superintendência da Polícia Federal (PF), que fica no Santa Cândida, desde 7 de abril. Ele foi condenado a 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, na Operação Lava Jato.



PATROCINADORES

Segundo a PM, testemunhas contaram que uma pessoa efetuou os disparos em direção à vítima. O homem foi levado em estado grave para um Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade. A Polícia Civil foi acionada.



O G1 entrou em contato a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Administração Penitenciária (Sesp) por volta das 8h. A pasta informou que está checando as informações referentes ao caso.



Às 8h20, a reportagem ligou para a prefeitura, responsável pela UPA, mas, até a última atualização desta reportagem não havia passado informações sobre o ferido. O G1 também tentou ligar para a UPA, mas o telefone está ocupado.



Pela manhã, os manifestantes que se encontram acampados fizeram um protesto, por aproximadamente uma hora, por causa dos tiros que atingiram o acampamento.



PATROCINADORES

O acampamento



Desde 17 de abril, os manifestantes pró-Lula acampam em um terreno vazio de 1.600 metros quadrados, a 800 metros de distância da PF. De acordo com o PT, o terreno foi alugado por 30 dias.



Até então, os movimentos sociais que apoiam Lula estavam em um acampamento erguido no entorno da PF.



A mudança aconteceu depois de um acordo assinado entre representantes dos movimentos, da Sesp, do Ministério Público estadual (MP-PR) e da Polícia Federal, para que o acampamento fosse retirado do entorno.



A Justiça proibiu a ocupação do entorno da PF, sob pena de multa diária de R$ 500 mil aos movimentos que desobedecessem.



Veja Também