news:

Bem Estar

Cinco fatores que podem estar te fazendo engordar sem que você saiba

Publicado por TV Minas em 01/05/2018

foto_principal.jpg

Muita gente acredita que a luta contra a obesidade é apenas uma questão de força de vontade para manter uma dieta, mas as pesquisas médicas mais recentes sugerem o contrário.

 

O documentário da BBC The Truth About Obesity ("A Verdade Sobre a Obesidade", em tradução livre), elenca cinco fatores que podem estar afetando o seu peso sem que você saiba.

 

 

1. O seu microbioma

 

O corpo humano é repleto de micro-organismos – há mais células de bactérias, fungos e vírus presentes em nosso organismo do que células humanas. Em número, os micro-organismos são 57% das células no corpo humano, embora as células humanas sejam maiores e representem mais massa e volume.

 

O entendimento científico dominante hoje é que esses micro-organismos – o chamado microbioma – têm um papel enorme em diversos fatores na nossa vida e na nossa saúde, incluindo o peso.

 

Afinal, a maior parte desses organismos estão no nosso sistema digestivo.

 

"Quanto maior a diversidade de microorganismos, mais magra é a pessoa. Se você tem sobrepeso, seus micróbios não são tão diversos como deveriam ser", explica o epidemologista Tim Spector, do King's College, em Londres.

 

Um exemplo são as gêmeas Gillian e Jackie: são muito parecidas, mas uma tem 41 quilos a mais do que a outra.

 

Spector acompanhou a saúde das duas durante 25 anos como parte do projeto de pesquisa Twin Research UK, que registra gêmeos no Reino Unido. Ele diz que a diferença de peso entre as irmãs se deve às diferenças em suas faunas microbianas.

 

Uma análise das fezes das gêmeas mostra que Gillian, a mais magra das duas, tem uma gama muito mais diversa de micróbios, enquanto Jackie tem poucas espécies de microorganismos vivendo em seu intestino.

 

Um estudo feito por Spector com 5 mil pessoas mostra resultados similares.

 

 

O microbioma afeta o peso.

 

 

Diversos fatores afetam a diversidade dos micro-organismos no corpo humano – do tipo de parto aos antibióticos usados durante a vida.

 

Parte dos microorganismos são herdados da mãe, durante o parto normal. Outros são adquiridos no ambiente. Mas a maior parte vêm – e se prolifera – pela alimentação.

 

"Toda vez que você come, alimenta cem bilhões de micróbios. Você nunca janta sozinho", diz Spector.

 

Uma dieta rica em fibras, por exemplo, ajuda o microbioma intestinal a se desenvolver de maneira saudável.

 

 

2. A loteria dos genes

 

Porque algumas pessoas seguem dietas rigorosas e fazem exercício regularmente e mesmo assim sofrem para conseguir perder peso, enquanto outras se alimentam mal e são sedentárias, mas continuam magras?

 

 

Os genes também influenciam no nosso peso.

 

 

Pesquisadores da Universidade de Cambridge dizem que os genes que herdamos têm uma influência de 40% a 70% sobre nosso peso.

 

"É uma loteria", diz a médica Sadaf Farooqi, pesquisadora da Universidade de Cambridge. "Os genes estão envolvidas na regulação do peso e – se você tem uma falha em alguns genes, isso pode ser suficiente para estimular a obesidade."

 

Certos genes afetam o apetite – da quantidade de comida que se tem vontade de comer ao tipo de alimento que alguém pode preferir. Outros afetam a forma que queimamos calorias e se nossos corpos administrarão a quantidade de gordura de maneira eficiente.

 

Há pelo menos 100 genes que podem afetar o peso, incluindo um chamado MC4R. Acredita-se que uma em cada mil pessoal tenha uma mutação no MC4R, que afeta a fome e o apetite. As pessoas com essa mutação tendem a ter mais fome e comer comida mais gordurosa.

 

"Realmente não há nada que se possa fazer em relação aos genes. Mas, para algumas pessoas, saber que os genes as predispõem a engordar pode ajudar a lidar com a questão da dieta e dos exercícios", explica a pesquisadora.

 

 

3. A rotina

 

Há um fundo de verdade no velho ditado: "tome café da manhã como um rei, almoce como um lorde e jante como um mendigo".

 

 

Pular o café da manhã pode desequilibrar a rotina alimentar.

 

 

O médico James Brown, especialista em obesidade, diz que quanto mais tarde comemos, maior a probabilidade de que ganhemos peso. Não porque estamos menos ativos à noite, como muitos acreditam, mas por cuasa de nosso relógio biológico.

 

"O corpo humano está programado de forma que manejamos com maior eficiência as calorias durante o dia, quando há luz, do que à noite, quando está escuro", explica ele.

 

Durante a noite, nosso corpo tem mais dificuldade de digerir gorduras e açúcares.

 

 

Comida fresca, e não industrializada, é sempre a melhor opção para a saúde.

 

 

Na última década, a hora do jantar no Reino Unido, na média, passou das 17h para as 20h – e isso contribuiu para o aumento nos níveis de obesidade do país, segundo Brown.

 

 

4. O efeito visual

 

O pesquisador britânico Hugo Harper, que pesquisa comportamento, diz que existem formas de mudar o comportamento alimentar insconciente em vez de apenas contar calorias.

 

Uma estratégia, diz o especialista, é eliminar as tentações visuais. Isso pode ser mais efetivo do que confiar na nossa força de vontade consciente.

 

Portanto é recomendável simplesmente não ter alimentos pouco saudáveis em casa, no ambiente de trabalho ou na bolsa.

 

 

É mais fácil "cair em tentação" tendo alimentos cheios de açúcar e gordura por perto.

 

 

É melhor ter sempre uma fruta ou algo leve por perto, caso tenha fome do caminho para casa ou no trabalho. Na cozinha, deixar os alimentos saudáveis à vista também aumenta as chances de você consumi-los.

 

Segundo Harper, temos uma tendência de comer sem pensar. Então uma boa ideia é tentar evitar ao máximo o hábito de comer coisas pouco saudáveis "automaticamente" – escondendo comidas gordurosas ou muito doces ou mesmo diminuindo o tamanho do prato.

 

 

5. Os hormônios

 

Nosso apetite é controlado por hormônios, cuja produção pode ser afetada por diversos fatores.

 

Alguns dos tratamentos para níveis extremos de obesidade funcionam também por controlar os hormônios.

 

O resultado da cirurgia bariátrica, por exemplo, não se deve apenas à redução do estômago do paciente, mas também ao efeito que ela provoca na produção de hormônios.

 

 

Procurar um médico é sempre o melhor caminho para saber qual tipo de estratégia adotar na redução do peso.

 

 

A cirurgia bariátrica faz com que os hormônios da saciedade sejam produzidos em maior quantidade e reduz a produção dos hormônios que causam fome.

 

No entanto é uma operação arriscada, usada apenas em casos graves de obesidade.

 

Pesquisadores do Imperial College, em Londres, conseguiram recriar os hormônios que provocam a mudança do apetite após cirurgias do tipo com o objetivo de fazer um estudo clínico sobre isso.

 

A pesquisa envolve dar aos pacientes, com uma injeção, uma mistura de três hormônios. Eles são utilizadas todos os dias, durante quatro semanas.

 

"Eles sentem menos fome, estão comendo menos e perdendo entre 2 a 8 quilos em menos de um mês", explica a médica Tricia Tan, que participa do estudo.

 

Ainda é preciso fazer mais testes para comprovar que o tratamento é seguro. Se for o caso, o plano é tratar os pacientes até que alcancem um peso saudável.

Muita gente acredita que a luta contra a obesidade é apenas uma questão de força de vontade para manter uma dieta, mas as pesquisas médicas mais recentes sugerem o contrário.


 


O documentário da BBC The Truth About Obesity ("A Verdade Sobre a Obesidade", em tradução livre), elenca cinco fatores que podem estar afetando o seu peso sem que você saiba.


 


 


1. O seu microbioma


 


O corpo humano é repleto de micro-organismos – há mais células de bactérias, fungos e vírus presentes em nosso organismo do que células humanas. Em número, os micro-organismos são 57% das células no corpo humano, embora as células humanas sejam maiores e representem mais massa e volume.


 


O entendimento científico dominante hoje é que esses micro-organismos – o chamado microbioma – têm um papel enorme em diversos fatores na nossa vida e na nossa saúde, incluindo o peso.


 


Afinal, a maior parte desses organismos estão no nosso sistema digestivo.


 


"Quanto maior a diversidade de microorganismos, mais magra é a pessoa. Se você tem sobrepeso, seus micróbios não são tão diversos como deveriam ser", explica o epidemologista Tim Spector, do King's College, em Londres.


 


Um exemplo são as gêmeas Gillian e Jackie: são muito parecidas, mas uma tem 41 quilos a mais do que a outra.


 


Spector acompanhou a saúde das duas durante 25 anos como parte do projeto de pesquisa Twin Research UK, que registra gêmeos no Reino Unido. Ele diz que a diferença de peso entre as irmãs se deve às diferenças em suas faunas microbianas.


 


Uma análise das fezes das gêmeas mostra que Gillian, a mais magra das duas, tem uma gama muito mais diversa de micróbios, enquanto Jackie tem poucas espécies de microorganismos vivendo em seu intestino.


 


Um estudo feito por Spector com 5 mil pessoas mostra resultados similares.


 


 



O microbioma afeta o peso.


 


 


Diversos fatores afetam a diversidade dos micro-organismos no corpo humano – do tipo de parto aos antibióticos usados durante a vida.


 


Parte dos microorganismos são herdados da mãe, durante o parto normal. Outros são adquiridos no ambiente. Mas a maior parte vêm – e se prolifera – pela alimentação.


 


"Toda vez que você come, alimenta cem bilhões de micróbios. Você nunca janta sozinho", diz Spector.


 


Uma dieta rica em fibras, por exemplo, ajuda o microbioma intestinal a se desenvolver de maneira saudável.


 


 


2. A loteria dos genes


 


Porque algumas pessoas seguem dietas rigorosas e fazem exercício regularmente e mesmo assim sofrem para conseguir perder peso, enquanto outras se alimentam mal e são sedentárias, mas continuam magras?


 


 



Os genes também influenciam no nosso peso.


 


 


Pesquisadores da Universidade de Cambridge dizem que os genes que herdamos têm uma influência de 40% a 70% sobre nosso peso.


 


"É uma loteria", diz a médica Sadaf Farooqi, pesquisadora da Universidade de Cambridge. "Os genes estão envolvidas na regulação do peso e – se você tem uma falha em alguns genes, isso pode ser suficiente para estimular a obesidade."


 


Certos genes afetam o apetite – da quantidade de comida que se tem vontade de comer ao tipo de alimento que alguém pode preferir. Outros afetam a forma que queimamos calorias e se nossos corpos administrarão a quantidade de gordura de maneira eficiente.


 


Há pelo menos 100 genes que podem afetar o peso, incluindo um chamado MC4R. Acredita-se que uma em cada mil pessoal tenha uma mutação no MC4R, que afeta a fome e o apetite. As pessoas com essa mutação tendem a ter mais fome e comer comida mais gordurosa.


 


"Realmente não há nada que se possa fazer em relação aos genes. Mas, para algumas pessoas, saber que os genes as predispõem a engordar pode ajudar a lidar com a questão da dieta e dos exercícios", explica a pesquisadora.


 


 


3. A rotina


 


Há um fundo de verdade no velho ditado: "tome café da manhã como um rei, almoce como um lorde e jante como um mendigo".


 


PATROCINADORES

 



Pular o café da manhã pode desequilibrar a rotina alimentar.


 


 


O médico James Brown, especialista em obesidade, diz que quanto mais tarde comemos, maior a probabilidade de que ganhemos peso. Não porque estamos menos ativos à noite, como muitos acreditam, mas por cuasa de nosso relógio biológico.


 


"O corpo humano está programado de forma que manejamos com maior eficiência as calorias durante o dia, quando há luz, do que à noite, quando está escuro", explica ele.


 


Durante a noite, nosso corpo tem mais dificuldade de digerir gorduras e açúcares.


 


 



Comida fresca, e não industrializada, é sempre a melhor opção para a saúde.


 


 


Na última década, a hora do jantar no Reino Unido, na média, passou das 17h para as 20h – e isso contribuiu para o aumento nos níveis de obesidade do país, segundo Brown.


 


 


4. O efeito visual


 


O pesquisador britânico Hugo Harper, que pesquisa comportamento, diz que existem formas de mudar o comportamento alimentar insconciente em vez de apenas contar calorias.


 


Uma estratégia, diz o especialista, é eliminar as tentações visuais. Isso pode ser mais efetivo do que confiar na nossa força de vontade consciente.


 


Portanto é recomendável simplesmente não ter alimentos pouco saudáveis em casa, no ambiente de trabalho ou na bolsa.


 


 



É mais fácil "cair em tentação" tendo alimentos cheios de açúcar e gordura por perto.


 


 


É melhor ter sempre uma fruta ou algo leve por perto, caso tenha fome do caminho para casa ou no trabalho. Na cozinha, deixar os alimentos saudáveis à vista também aumenta as chances de você consumi-los.


 


Segundo Harper, temos uma tendência de comer sem pensar. Então uma boa ideia é tentar evitar ao máximo o hábito de comer coisas pouco saudáveis "automaticamente" – escondendo comidas gordurosas ou muito doces ou mesmo diminuindo o tamanho do prato.


 


 


5. Os hormônios


 


Nosso apetite é controlado por hormônios, cuja produção pode ser afetada por diversos fatores.


 


Alguns dos tratamentos para níveis extremos de obesidade funcionam também por controlar os hormônios.


 


O resultado da cirurgia bariátrica, por exemplo, não se deve apenas à redução do estômago do paciente, mas também ao efeito que ela provoca na produção de hormônios.


 


 



Procurar um médico é sempre o melhor caminho para saber qual tipo de estratégia adotar na redução do peso.


 


 


A cirurgia bariátrica faz com que os hormônios da saciedade sejam produzidos em maior quantidade e reduz a produção dos hormônios que causam fome.


 


No entanto é uma operação arriscada, usada apenas em casos graves de obesidade.


 


Pesquisadores do Imperial College, em Londres, conseguiram recriar os hormônios que provocam a mudança do apetite após cirurgias do tipo com o objetivo de fazer um estudo clínico sobre isso.


 


A pesquisa envolve dar aos pacientes, com uma injeção, uma mistura de três hormônios. Eles são utilizadas todos os dias, durante quatro semanas.


 


"Eles sentem menos fome, estão comendo menos e perdendo entre 2 a 8 quilos em menos de um mês", explica a médica Tricia Tan, que participa do estudo.


 


Ainda é preciso fazer mais testes para comprovar que o tratamento é seguro. Se for o caso, o plano é tratar os pacientes até que alcancem um peso saudável.


Muita gente acredita que a luta contra a obesidade é apenas uma questão de força de vontade para manter uma dieta, mas as pesquisas médicas mais recentes sugerem o contrário.



O documentário da BBC The Truth About Obesity ("A Verdade Sobre a Obesidade", em tradução livre), elenca cinco fatores que podem estar afetando o seu peso sem que você saiba.



1. O seu microbioma



O corpo humano é repleto de micro-organismos – há mais células de bactérias, fungos e vírus presentes em nosso organismo do que células humanas. Em número, os micro-organismos são 57% das células no corpo humano, embora as células humanas sejam maiores e representem mais massa e volume.



O entendimento científico dominante hoje é que esses micro-organismos – o chamado microbioma – têm um papel enorme em diversos fatores na nossa vida e na nossa saúde, incluindo o peso.



Afinal, a maior parte desses organismos estão no nosso sistema digestivo.



"Quanto maior a diversidade de microorganismos, mais magra é a pessoa. Se você tem sobrepeso, seus micróbios não são tão diversos como deveriam ser", explica o epidemologista Tim Spector, do King's College, em Londres.



Um exemplo são as gêmeas Gillian e Jackie: são muito parecidas, mas uma tem 41 quilos a mais do que a outra.



Spector acompanhou a saúde das duas durante 25 anos como parte do projeto de pesquisa Twin Research UK, que registra gêmeos no Reino Unido. Ele diz que a diferença de peso entre as irmãs se deve às diferenças em suas faunas microbianas.



Uma análise das fezes das gêmeas mostra que Gillian, a mais magra das duas, tem uma gama muito mais diversa de micróbios, enquanto Jackie tem poucas espécies de microorganismos vivendo em seu intestino.



Um estudo feito por Spector com 5 mil pessoas mostra resultados similares.





O microbioma afeta o peso.



Diversos fatores afetam a diversidade dos micro-organismos no corpo humano – do tipo de parto aos antibióticos usados durante a vida.



Parte dos microorganismos são herdados da mãe, durante o parto normal. Outros são adquiridos no ambiente. Mas a maior parte vêm – e se prolifera – pela alimentação.



"Toda vez que você come, alimenta cem bilhões de micróbios. Você nunca janta sozinho", diz Spector.



Uma dieta rica em fibras, por exemplo, ajuda o microbioma intestinal a se desenvolver de maneira saudável.



2. A loteria dos genes



Porque algumas pessoas seguem dietas rigorosas e fazem exercício regularmente e mesmo assim sofrem para conseguir perder peso, enquanto outras se alimentam mal e são sedentárias, mas continuam magras?



PATROCINADORES



Os genes também influenciam no nosso peso.



Pesquisadores da Universidade de Cambridge dizem que os genes que herdamos têm uma influência de 40% a 70% sobre nosso peso.



"É uma loteria", diz a médica Sadaf Farooqi, pesquisadora da Universidade de Cambridge. "Os genes estão envolvidas na regulação do peso e – se você tem uma falha em alguns genes, isso pode ser suficiente para estimular a obesidade."



Certos genes afetam o apetite – da quantidade de comida que se tem vontade de comer ao tipo de alimento que alguém pode preferir. Outros afetam a forma que queimamos calorias e se nossos corpos administrarão a quantidade de gordura de maneira eficiente.



Há pelo menos 100 genes que podem afetar o peso, incluindo um chamado MC4R. Acredita-se que uma em cada mil pessoal tenha uma mutação no MC4R, que afeta a fome e o apetite. As pessoas com essa mutação tendem a ter mais fome e comer comida mais gordurosa.



"Realmente não há nada que se possa fazer em relação aos genes. Mas, para algumas pessoas, saber que os genes as predispõem a engordar pode ajudar a lidar com a questão da dieta e dos exercícios", explica a pesquisadora.



3. A rotina



Há um fundo de verdade no velho ditado: "tome café da manhã como um rei, almoce como um lorde e jante como um mendigo".





Pular o café da manhã pode desequilibrar a rotina alimentar.



O médico James Brown, especialista em obesidade, diz que quanto mais tarde comemos, maior a probabilidade de que ganhemos peso. Não porque estamos menos ativos à noite, como muitos acreditam, mas por cuasa de nosso relógio biológico.



"O corpo humano está programado de forma que manejamos com maior eficiência as calorias durante o dia, quando há luz, do que à noite, quando está escuro", explica ele.



Durante a noite, nosso corpo tem mais dificuldade de digerir gorduras e açúcares.





Comida fresca, e não industrializada, é sempre a melhor opção para a saúde.



Na última década, a hora do jantar no Reino Unido, na média, passou das 17h para as 20h – e isso contribuiu para o aumento nos níveis de obesidade do país, segundo Brown.



PATROCINADORES

4. O efeito visual



O pesquisador britânico Hugo Harper, que pesquisa comportamento, diz que existem formas de mudar o comportamento alimentar insconciente em vez de apenas contar calorias.



Uma estratégia, diz o especialista, é eliminar as tentações visuais. Isso pode ser mais efetivo do que confiar na nossa força de vontade consciente.



Portanto é recomendável simplesmente não ter alimentos pouco saudáveis em casa, no ambiente de trabalho ou na bolsa.





É mais fácil "cair em tentação" tendo alimentos cheios de açúcar e gordura por perto.



É melhor ter sempre uma fruta ou algo leve por perto, caso tenha fome do caminho para casa ou no trabalho. Na cozinha, deixar os alimentos saudáveis à vista também aumenta as chances de você consumi-los.



Segundo Harper, temos uma tendência de comer sem pensar. Então uma boa ideia é tentar evitar ao máximo o hábito de comer coisas pouco saudáveis "automaticamente" – escondendo comidas gordurosas ou muito doces ou mesmo diminuindo o tamanho do prato.



5. Os hormônios



Nosso apetite é controlado por hormônios, cuja produção pode ser afetada por diversos fatores.



Alguns dos tratamentos para níveis extremos de obesidade funcionam também por controlar os hormônios.



O resultado da cirurgia bariátrica, por exemplo, não se deve apenas à redução do estômago do paciente, mas também ao efeito que ela provoca na produção de hormônios.





Procurar um médico é sempre o melhor caminho para saber qual tipo de estratégia adotar na redução do peso.



A cirurgia bariátrica faz com que os hormônios da saciedade sejam produzidos em maior quantidade e reduz a produção dos hormônios que causam fome.



No entanto é uma operação arriscada, usada apenas em casos graves de obesidade.



Pesquisadores do Imperial College, em Londres, conseguiram recriar os hormônios que provocam a mudança do apetite após cirurgias do tipo com o objetivo de fazer um estudo clínico sobre isso.



A pesquisa envolve dar aos pacientes, com uma injeção, uma mistura de três hormônios. Eles são utilizadas todos os dias, durante quatro semanas.



"Eles sentem menos fome, estão comendo menos e perdendo entre 2 a 8 quilos em menos de um mês", explica a médica Tricia Tan, que participa do estudo.



Ainda é preciso fazer mais testes para comprovar que o tratamento é seguro. Se for o caso, o plano é tratar os pacientes até que alcancem um peso saudável.



Veja Também