news:

Notícias

Juiz Roberto Caldas é acusado de violência física e assédio sexual

Publicado por TV Minas em 12/05/2018

foto_principal.jpg

Presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos teria espancado e ameaçado de morte a ex-mulher; duas babás disseram ter sido assediadas por ele.

 

Aos 55 anos, o juiz Roberto de Figueiredo Caldas está no auge da carreira. O premiado advogado trabalhista e pró-cidadania, como ele se descreve em seu currículo na internet, foi um dos fundadores da Comissão Nacional de Direitos Sociais da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e membro de órgãos importantes como a Comissão para Erradicação do Trabalho Escravo e a Comissão de Ética Pública da Presidência da República.

 

Sempre foi respeitadíssimo, principalmente pelo viés de seu trabalho, voltado à preservação de direitos sociais e trabalhistas. Tanto que, em 2012, a então presidente Dilma Rousseff o indicou para ocupar uma vaga na Corte Interamericana de Direitos Humanos (CorteIDH), entidade reconhecida por vinte países que compõem a Organização dos Estados Americanos (OEA) quando o assunto é violação de garantias básicas.

 

Em 2016, Caldas assumiu a presidência da Corte. Foi o segundo brasileiro a ocupar o posto — o que lhe conferiu mais visibilidade, poder e algum prestígio internacional. Tudo isso, agora, ameaça ruir.

 

O advogado é acusado de injúria, agressão, espancamento e ameaça de morte por Michella Marys, sua companheira até fevereiro passado. Sobre Roberto Caldas recai ainda a acusação de assédio sexual a duas babás de seus filhos. 

Presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos teria espancado e ameaçado de morte a ex-mulher; duas babás disseram ter sido assediadas por ele.


 


Aos 55 anos, o juiz Roberto de Figueiredo Caldas está no auge da carreira. O premiado advogado trabalhista e pró-cidadania, como ele se descreve em seu currículo na internet, foi um dos fundadores da Comissão Nacional de Direitos Sociais da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e membro de órgãos importantes como a Comissão para Erradicação do Trabalho Escravo e a Comissão de Ética Pública da Presidência da República.


 


PATROCINADORES

Sempre foi respeitadíssimo, principalmente pelo viés de seu trabalho, voltado à preservação de direitos sociais e trabalhistas. Tanto que, em 2012, a então presidente Dilma Rousseff o indicou para ocupar uma vaga na Corte Interamericana de Direitos Humanos (CorteIDH), entidade reconhecida por vinte países que compõem a Organização dos Estados Americanos (OEA) quando o assunto é violação de garantias básicas.


 


Em 2016, Caldas assumiu a presidência da Corte. Foi o segundo brasileiro a ocupar o posto — o que lhe conferiu mais visibilidade, poder e algum prestígio internacional. Tudo isso, agora, ameaça ruir.


 


O advogado é acusado de injúria, agressão, espancamento e ameaça de morte por Michella Marys, sua companheira até fevereiro passado. Sobre Roberto Caldas recai ainda a acusação de assédio sexual a duas babás de seus filhos. 


Presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos teria espancado e ameaçado de morte a ex-mulher; duas babás disseram ter sido assediadas por ele.



Aos 55 anos, o juiz Roberto de Figueiredo Caldas está no auge da carreira. O premiado advogado trabalhista e pró-cidadania, como ele se descreve em seu currículo na internet, foi um dos fundadores da Comissão Nacional de Direitos Sociais da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e membro de órgãos importantes como a Comissão para Erradicação do Trabalho Escravo e a Comissão de Ética Pública da Presidência da República.



Sempre foi respeitadíssimo, principalmente pelo viés de seu trabalho, voltado à preservação de direitos sociais e trabalhistas. Tanto que, em 2012, a então presidente Dilma Rousseff o indicou para ocupar uma vaga na Corte Interamericana de Direitos Humanos (CorteIDH), entidade reconhecida por vinte países que compõem a Organização dos Estados Americanos (OEA) quando o assunto é violação de garantias básicas.



PATROCINADORES

Em 2016, Caldas assumiu a presidência da Corte. Foi o segundo brasileiro a ocupar o posto — o que lhe conferiu mais visibilidade, poder e algum prestígio internacional. Tudo isso, agora, ameaça ruir.



O advogado é acusado de injúria, agressão, espancamento e ameaça de morte por Michella Marys, sua companheira até fevereiro passado. Sobre Roberto Caldas recai ainda a acusação de assédio sexual a duas babás de seus filhos. 



Veja Também