news:

Entretenimento e Curiosidade

'Tempestade em copa d'água', afirma brasileiro de vídeo machista

Publicado por TV Minas em 20/06/2018

foto_principal.jpg

Para o engenheiro Luciano Gil, as pessoas estão exagerando nas críticas ao vídeo gravado na Rússia.

 

O engenheiro civil Luciano Gil, que aparece no vídeo viral das redes sociais gravado na Rússia em que um grupo de brasileiros abordam uma mulher e fazem uma “brincadeira” considerada machista com a cor de sua pele e sua genitália, se manifestou sobre a polêmica e afirmou que os internautas “estão acabando com a vida” dos homens que surgem nas imagens.

 

Ao portal UOL, Luciano diz: “Somos pais de família, trabalhadores e vocês estão acabando com a vida da gente... Quem está brincando carnaval exagera um pouquinho na bebida e às vezes passa do ponto. Peço desculpas às mulheres que possam ter se sentido ofendidas, mas estão transformando um copo d’água em uma tempestade”, afirmou Gil, que é empresário no estado do Piauí.

 

O mesmo declarou ainda que está se sentindo incomodado com a repercussão das imagens e disse que tem recebido ameaças em seu perfil no Instagram.

 

“No Brasil estamos com problema de educação, saúde, corrupção e vão fazer isso com a gente. Estão instigando os russos contra nós. Até agora eles foram muito solícitos, principalmente as russas”, continuou o engenheiro, que revelou ter gravado o vídeo com o consentimento da mulher que, segundo ele, tinha plena ciência do significado das palavras que o grupo de homens a incentivaram reproduzir.

 

“Não foi feita coação, nada ali foi forçado. Tinha mais de 40 meninas ali e os próprios russos que tinham namoradas colocavam elas na brincadeira de livre e espontânea vontade. Só ganhou essa conotação porque aconteceu aqui na Rússia, mas se fosse na favela ou no carnaval, seria considerado normal”, garantiu o empresário, que finalizou dizendo: “Nunca agredi mulher”.

 

Além de Luciano Gil, foram identificados o advogado pernambucano Diego Valença Jatobá e o policial militar de Lages, em Santa Catarina, Eduardo Nunes.

Para o engenheiro Luciano Gil, as pessoas estão exagerando nas críticas ao vídeo gravado na Rússia.


 


O engenheiro civil Luciano Gil, que aparece no vídeo viral das redes sociais gravado na Rússia em que um grupo de brasileiros abordam uma mulher e fazem uma “brincadeira” considerada machista com a cor de sua pele e sua genitália, se manifestou sobre a polêmica e afirmou que os internautas “estão acabando com a vida” dos homens que surgem nas imagens.


 


Ao portal UOL, Luciano diz: “Somos pais de família, trabalhadores e vocês estão acabando com a vida da gente... Quem está brincando carnaval exagera um pouquinho na bebida e às vezes passa do ponto. Peço desculpas às mulheres que possam ter se sentido ofendidas, mas estão transformando um copo d’água em uma tempestade”, afirmou Gil, que é empresário no estado do Piauí.


 


PATROCINADORES

O mesmo declarou ainda que está se sentindo incomodado com a repercussão das imagens e disse que tem recebido ameaças em seu perfil no Instagram.


 


“No Brasil estamos com problema de educação, saúde, corrupção e vão fazer isso com a gente. Estão instigando os russos contra nós. Até agora eles foram muito solícitos, principalmente as russas”, continuou o engenheiro, que revelou ter gravado o vídeo com o consentimento da mulher que, segundo ele, tinha plena ciência do significado das palavras que o grupo de homens a incentivaram reproduzir.


 


“Não foi feita coação, nada ali foi forçado. Tinha mais de 40 meninas ali e os próprios russos que tinham namoradas colocavam elas na brincadeira de livre e espontânea vontade. Só ganhou essa conotação porque aconteceu aqui na Rússia, mas se fosse na favela ou no carnaval, seria considerado normal”, garantiu o empresário, que finalizou dizendo: “Nunca agredi mulher”.


 


Além de Luciano Gil, foram identificados o advogado pernambucano Diego Valença Jatobá e o policial militar de Lages, em Santa Catarina, Eduardo Nunes.


Para o engenheiro Luciano Gil, as pessoas estão exagerando nas críticas ao vídeo gravado na Rússia.



O engenheiro civil Luciano Gil, que aparece no vídeo viral das redes sociais gravado na Rússia em que um grupo de brasileiros abordam uma mulher e fazem uma “brincadeira” considerada machista com a cor de sua pele e sua genitália, se manifestou sobre a polêmica e afirmou que os internautas “estão acabando com a vida” dos homens que surgem nas imagens.



Ao portal UOL, Luciano diz: “Somos pais de família, trabalhadores e vocês estão acabando com a vida da gente... Quem está brincando carnaval exagera um pouquinho na bebida e às vezes passa do ponto. Peço desculpas às mulheres que possam ter se sentido ofendidas, mas estão transformando um copo d’água em uma tempestade”, afirmou Gil, que é empresário no estado do Piauí.



PATROCINADORES

O mesmo declarou ainda que está se sentindo incomodado com a repercussão das imagens e disse que tem recebido ameaças em seu perfil no Instagram.



“No Brasil estamos com problema de educação, saúde, corrupção e vão fazer isso com a gente. Estão instigando os russos contra nós. Até agora eles foram muito solícitos, principalmente as russas”, continuou o engenheiro, que revelou ter gravado o vídeo com o consentimento da mulher que, segundo ele, tinha plena ciência do significado das palavras que o grupo de homens a incentivaram reproduzir.



“Não foi feita coação, nada ali foi forçado. Tinha mais de 40 meninas ali e os próprios russos que tinham namoradas colocavam elas na brincadeira de livre e espontânea vontade. Só ganhou essa conotação porque aconteceu aqui na Rússia, mas se fosse na favela ou no carnaval, seria considerado normal”, garantiu o empresário, que finalizou dizendo: “Nunca agredi mulher”.



Além de Luciano Gil, foram identificados o advogado pernambucano Diego Valença Jatobá e o policial militar de Lages, em Santa Catarina, Eduardo Nunes.



Veja Também