news:

Sul de Minas

18 cidades do Sul de Minas com risco de infestação do Aedes aegypti

Publicado por TV Minas em 22/06/2018

foto_principal.jpg

Matéria extraída do G1

 

Índice divulgado pelo Ministério da Saúde aponta cidades da região com números acima de 4%, o que indica situação de risco.

 

Dados divulgados pelo Ministério da Saúde, com o Levantamento Rápido de Índices de Infestação (Lira), apontam que 18 cidades do Sul de Minas estão em situação de risco para infestação do mosquito Aedes aegypti. As cidades têm o número acima do esperado, de 4%.

 

A situação mais séria é de São Sebastião do Paraíso, onde o índice de infestação chegou a 9,3%. A cidade já teve uma epidemia de dengue em 2015. Foram mais 1,3 mil casos confirmados. Em 2018, a cidade registrou apenas dois casos, mas há preocupação com os vetores, que ainda são encontrados.

 

Para tentar reduzir o índice, agentes de saúde da prefeitura fazem seis visitas ao ano nas casas, uma a cada dois meses. Os locais onde mais focos do mosquito Aedes aegypti foram encontrados são os quintais das casas.

 

“Não temos a doença hoje no município, mas no mínimo 80% dos focos estão dentro dos quintais”, explica a coordenadora da vigilância em saúde, Daniela Cortez.

 

 

Confira as cidades em situação de risco:

 

São Sebastião do Paraíso - 9,3%

 

Itaú de Minas - 7,7%

 

Cássia - 7,3%

 

Monte Santo de Minas - 6%

 

Santa Rita do Sapucaí- 5,6%

 

Três Pontas - 5,5%

 

Carmo De Minas - 5,4%

 

Capetinga - 5,3%

 

Pouso Alegre - 5,2%

 

Claraval - 5,1%

 

Campo Belo - 4,9%

 

Santana do Jacaré - 4,7%

 

Ibitiura de Minas - 4,6%

 

Paraguaçu - 4,5%

 

Cana Verde - 4,4%

 

Delfinópolis - 4,3%

 

Alpinópolis - 4%

 

Andradas - 4%

Matéria extraída do G1


 


Índice divulgado pelo Ministério da Saúde aponta cidades da região com números acima de 4%, o que indica situação de risco.


 


Dados divulgados pelo Ministério da Saúde, com o Levantamento Rápido de Índices de Infestação (Lira), apontam que 18 cidades do Sul de Minas estão em situação de risco para infestação do mosquito Aedes aegypti. As cidades têm o número acima do esperado, de 4%.


 


A situação mais séria é de São Sebastião do Paraíso, onde o índice de infestação chegou a 9,3%. A cidade já teve uma epidemia de dengue em 2015. Foram mais 1,3 mil casos confirmados. Em 2018, a cidade registrou apenas dois casos, mas há preocupação com os vetores, que ainda são encontrados.


 


Para tentar reduzir o índice, agentes de saúde da prefeitura fazem seis visitas ao ano nas casas, uma a cada dois meses. Os locais onde mais focos do mosquito Aedes aegypti foram encontrados são os quintais das casas.


 


“Não temos a doença hoje no município, mas no mínimo 80% dos focos estão dentro dos quintais”, explica a coordenadora da vigilância em saúde, Daniela Cortez.


 


 


Confira as cidades em situação de risco:


 


São Sebastião do Paraíso - 9,3%


 


Itaú de Minas - 7,7%


 


Cássia - 7,3%


 


Monte Santo de Minas - 6%


 


Santa Rita do Sapucaí- 5,6%


 


PATROCINADORES

Três Pontas - 5,5%


 


Carmo De Minas - 5,4%


 


Capetinga - 5,3%


 


Pouso Alegre - 5,2%


 


Claraval - 5,1%


 


Campo Belo - 4,9%


 


Santana do Jacaré - 4,7%


 


Ibitiura de Minas - 4,6%


 


Paraguaçu - 4,5%


 


Cana Verde - 4,4%


 


Delfinópolis - 4,3%


 


Alpinópolis - 4%


 


Andradas - 4%


Matéria extraída do G1



Índice divulgado pelo Ministério da Saúde aponta cidades da região com números acima de 4%, o que indica situação de risco.



Dados divulgados pelo Ministério da Saúde, com o Levantamento Rápido de Índices de Infestação (Lira), apontam que 18 cidades do Sul de Minas estão em situação de risco para infestação do mosquito Aedes aegypti. As cidades têm o número acima do esperado, de 4%.



A situação mais séria é de São Sebastião do Paraíso, onde o índice de infestação chegou a 9,3%. A cidade já teve uma epidemia de dengue em 2015. Foram mais 1,3 mil casos confirmados. Em 2018, a cidade registrou apenas dois casos, mas há preocupação com os vetores, que ainda são encontrados.



Para tentar reduzir o índice, agentes de saúde da prefeitura fazem seis visitas ao ano nas casas, uma a cada dois meses. Os locais onde mais focos do mosquito Aedes aegypti foram encontrados são os quintais das casas.



“Não temos a doença hoje no município, mas no mínimo 80% dos focos estão dentro dos quintais”, explica a coordenadora da vigilância em saúde, Daniela Cortez.



Confira as cidades em situação de risco:



São Sebastião do Paraíso - 9,3%



PATROCINADORES

Itaú de Minas - 7,7%



Cássia - 7,3%



Monte Santo de Minas - 6%



Santa Rita do Sapucaí- 5,6%



Três Pontas - 5,5%



Carmo De Minas - 5,4%



Capetinga - 5,3%



Pouso Alegre - 5,2%



PATROCINADORES

Claraval - 5,1%



Campo Belo - 4,9%



Santana do Jacaré - 4,7%



Ibitiura de Minas - 4,6%



Paraguaçu - 4,5%



Cana Verde - 4,4%



Delfinópolis - 4,3%



Alpinópolis - 4%



Andradas - 4%



Veja Também