news:

Bem Estar

Enfrentar seus medos é melhor do que oprimi-los, diz estudo

Publicado por TV Minas em 30/06/2018

foto_principal.jpg

Nova pesquisa, publicada nesta quinta (14) na 'Science', indica que relembrar situações traumáticas ajuda a superá-las.

 

Diante da lembrança de uma situação amedrontadora, o que é melhor: evitar a memória ou confrontá-la? Para a questão de como agir em relação ao seu medo, muito discutida e polêmica, pesquisadores finalmente encontraram a resposta. Ao menos até alguém não ter medo de refutá-los. 

 

Um estudo, conduzido por cientistas da Escola Politécnica Federal de Lausana, na França, e publicado nesta quinta-feira 14 na revista Science revela que, em 29% dos casos, a lembrança de um dano físico ou psicológico grave permanece até o fim da vida. Casos mais extremos, como de stress pós-traumático (normalmente desenvolvido depois de ocorrências traumatizantes, como guerras ou acidentes perigosos), podem prejudicar muito a vida de uma pessoa. Não é raro que pacientes com esse transtorno tenham dificuldade de construir relacionamentos mais íntimos, por exemplo, ou acabem desenvolvendo problemas psicológicos ainda mais profundos.

 

Usando como base a análise do funcionamento dos neurônios e do comportamento geral de ratos, profissionais descobriram que o chamado ‘medo remoto’ (isto é, ativado mesmo longe da situação de perigo, como tempos depois de um acontecimento problemático ou danoso) é tanto mais atenuado quanto mais os neurônios ligados àquele sentimento negativo forem reativados. Ou seja, quanto mais uma pessoa se acostuma a lembrar de uma situação que causa medo, menor será a sensação de medo com o passar do tempo. Assim, de acordo com os pesquisadores, a opressão de um trauma não é útil para aqueles que pretendem ultrapassá-lo.

 

Apesar do sucesso do estudo, os cientistas afirmam que ainda há questões a ser exploradas, especialmente quando se trata do funcionamento do cérebro e da relação de algumas de suas partes com o processo de memória de uma situação assustadora. Além disso, os pesquisadores acreditam que o trabalho possa ajudar outras investigações e, consequentemente, auxiliar na medida da eficácia de intervenções, nos casos de tratamentos de lembranças traumáticas.

Nova pesquisa, publicada nesta quinta (14) na 'Science', indica que relembrar situações traumáticas ajuda a superá-las.


 


Diante da lembrança de uma situação amedrontadora, o que é melhor: evitar a memória ou confrontá-la? Para a questão de como agir em relação ao seu medo, muito discutida e polêmica, pesquisadores finalmente encontraram a resposta. Ao menos até alguém não ter medo de refutá-los. 


 


PATROCINADORES

Um estudo, conduzido por cientistas da Escola Politécnica Federal de Lausana, na França, e publicado nesta quinta-feira 14 na revista Science revela que, em 29% dos casos, a lembrança de um dano físico ou psicológico grave permanece até o fim da vida. Casos mais extremos, como de stress pós-traumático (normalmente desenvolvido depois de ocorrências traumatizantes, como guerras ou acidentes perigosos), podem prejudicar muito a vida de uma pessoa. Não é raro que pacientes com esse transtorno tenham dificuldade de construir relacionamentos mais íntimos, por exemplo, ou acabem desenvolvendo problemas psicológicos ainda mais profundos.


 


Usando como base a análise do funcionamento dos neurônios e do comportamento geral de ratos, profissionais descobriram que o chamado ‘medo remoto’ (isto é, ativado mesmo longe da situação de perigo, como tempos depois de um acontecimento problemático ou danoso) é tanto mais atenuado quanto mais os neurônios ligados àquele sentimento negativo forem reativados. Ou seja, quanto mais uma pessoa se acostuma a lembrar de uma situação que causa medo, menor será a sensação de medo com o passar do tempo. Assim, de acordo com os pesquisadores, a opressão de um trauma não é útil para aqueles que pretendem ultrapassá-lo.


 


Apesar do sucesso do estudo, os cientistas afirmam que ainda há questões a ser exploradas, especialmente quando se trata do funcionamento do cérebro e da relação de algumas de suas partes com o processo de memória de uma situação assustadora. Além disso, os pesquisadores acreditam que o trabalho possa ajudar outras investigações e, consequentemente, auxiliar na medida da eficácia de intervenções, nos casos de tratamentos de lembranças traumáticas.


Nova pesquisa, publicada nesta quinta (14) na 'Science', indica que relembrar situações traumáticas ajuda a superá-las.



Diante da lembrança de uma situação amedrontadora, o que é melhor: evitar a memória ou confrontá-la? Para a questão de como agir em relação ao seu medo, muito discutida e polêmica, pesquisadores finalmente encontraram a resposta. Ao menos até alguém não ter medo de refutá-los. 



Um estudo, conduzido por cientistas da Escola Politécnica Federal de Lausana, na França, e publicado nesta quinta-feira 14 na revista Science revela que, em 29% dos casos, a lembrança de um dano físico ou psicológico grave permanece até o fim da vida. Casos mais extremos, como de stress pós-traumático (normalmente desenvolvido depois de ocorrências traumatizantes, como guerras ou acidentes perigosos), podem prejudicar muito a vida de uma pessoa. Não é raro que pacientes com esse transtorno tenham dificuldade de construir relacionamentos mais íntimos, por exemplo, ou acabem desenvolvendo problemas psicológicos ainda mais profundos.



PATROCINADORES

Usando como base a análise do funcionamento dos neurônios e do comportamento geral de ratos, profissionais descobriram que o chamado ‘medo remoto’ (isto é, ativado mesmo longe da situação de perigo, como tempos depois de um acontecimento problemático ou danoso) é tanto mais atenuado quanto mais os neurônios ligados àquele sentimento negativo forem reativados. Ou seja, quanto mais uma pessoa se acostuma a lembrar de uma situação que causa medo, menor será a sensação de medo com o passar do tempo. Assim, de acordo com os pesquisadores, a opressão de um trauma não é útil para aqueles que pretendem ultrapassá-lo.



Apesar do sucesso do estudo, os cientistas afirmam que ainda há questões a ser exploradas, especialmente quando se trata do funcionamento do cérebro e da relação de algumas de suas partes com o processo de memória de uma situação assustadora. Além disso, os pesquisadores acreditam que o trabalho possa ajudar outras investigações e, consequentemente, auxiliar na medida da eficácia de intervenções, nos casos de tratamentos de lembranças traumáticas.



Veja Também