news:

Sul de Minas

Contratação de guardas de vigilância armada causa polêmica em Pouso Alegre

Publicado por TV Minas em 01/07/2018

foto_principal.jpg

Matéria extraída do G1

 

Edital prevê contratação de empresa privada de vigilância, com o uso de arma de fogo.

 

A Prefeitura de Pouso Alegre abriu processo de licitação para contratar 20 guardas de vigilância armada. O edital causou polêmica entre os guardas municipais da cidade. Eles alegam falta de investimento da prefeitura.

 

"No nosso entendimento, há condições da prefeitura municipal investir e capacitar os guardas para que eles possam realizar esse serviço", disse o presidente do sindicato, Leon Camargo.

 

O vereador Luiz Campanha, que também é Guarda Municipal, afirma que a categoria foi abandonada.

 

"Nós acreditamos que o prefeito poderia investir na guarda conforme foi até matéria na campanha dele, está registrado no plano de governo dele", disse o vereador do PROS, Luiz Antônio Campanha.

 

O edital é para contratar uma empresa privada de vigilância, inclusive com o uso de arma de fogo. O pregão prevê até 20 novos guardas que vão trabalhar nas áreas de saúde, educação e cultura.

 

A contratação de vigilância armada, pelo município, não existe nas outras maiores cidades da região. A Prefeitura de Pouso Alegre diz que é algo necessário por conta da ação dos vândalos.

 

Nos últimos meses, foram registradas depredações nos Caics dos bairros São João e Árvore Grande. Em agosto do ano passado, um criminoso entrou na creche do bairro Costa Rios, amarrou um guarda municipal e roubou cerca de R$ 6 mil. Em 2016, a unidade do Samu, que ficava junto à policlínica do bairro São Geraldo, foi apedrejada, assim como uma ambulância.

 

"Nós temos aqui a Câmara Municipal, que é vigilância armada, empresa especializada. Em várias cidades têm a segurança especializada, armada, no corpo civil, isso depende da gestão da cidade", disse o chefe de gabinete, José Dimas Silva Fonseca.

 

O chefe de gabinete da prefeitura diz que a contratação será na modalidade de menor preço oferecido. Mesmo sem um valor definido, ele garante que o investimento em guarda privada é melhor do que treinar a guarda municipal para usar armamento.

 

"O treinamento com armamento, ele demanda não só em valores, aí nós temos que ver a qualificação profissional que o nosso pessoal tem, isso demandaria mais tempo ainda, não é uma situação que a gente resolve de uma hora para outra", completou o chefe de gabinete.

 

Segundo o sindicato, o quadro da prefeitura hoje conta com mais de 150 guardas municipais e muitos estão indignados com o edital. Um grupo chegou a ir até a Câmara de Vereadores para protestar.

 

Segundo o chefe de gabinete da prefeitura, haverá investimento nos guardas do efetivo. Uma licitação será concluída em até 60 dias para aquisição de novas fardas. Ainda conforme o representante, os guardas contratados vão auxiliar no policiamento das ruas, praças e patrimônios públicos. As vagas para a vigilância armada serão abertas no dia 23 de julho.

Matéria extraída do G1


 


Edital prevê contratação de empresa privada de vigilância, com o uso de arma de fogo.


 


A Prefeitura de Pouso Alegre abriu processo de licitação para contratar 20 guardas de vigilância armada. O edital causou polêmica entre os guardas municipais da cidade. Eles alegam falta de investimento da prefeitura.


 


"No nosso entendimento, há condições da prefeitura municipal investir e capacitar os guardas para que eles possam realizar esse serviço", disse o presidente do sindicato, Leon Camargo.


 


O vereador Luiz Campanha, que também é Guarda Municipal, afirma que a categoria foi abandonada.


 


"Nós acreditamos que o prefeito poderia investir na guarda conforme foi até matéria na campanha dele, está registrado no plano de governo dele", disse o vereador do PROS, Luiz Antônio Campanha.


 


O edital é para contratar uma empresa privada de vigilância, inclusive com o uso de arma de fogo. O pregão prevê até 20 novos guardas que vão trabalhar nas áreas de saúde, educação e cultura.


PATROCINADORES

 


A contratação de vigilância armada, pelo município, não existe nas outras maiores cidades da região. A Prefeitura de Pouso Alegre diz que é algo necessário por conta da ação dos vândalos.


 


Nos últimos meses, foram registradas depredações nos Caics dos bairros São João e Árvore Grande. Em agosto do ano passado, um criminoso entrou na creche do bairro Costa Rios, amarrou um guarda municipal e roubou cerca de R$ 6 mil. Em 2016, a unidade do Samu, que ficava junto à policlínica do bairro São Geraldo, foi apedrejada, assim como uma ambulância.


 


"Nós temos aqui a Câmara Municipal, que é vigilância armada, empresa especializada. Em várias cidades têm a segurança especializada, armada, no corpo civil, isso depende da gestão da cidade", disse o chefe de gabinete, José Dimas Silva Fonseca.


 


O chefe de gabinete da prefeitura diz que a contratação será na modalidade de menor preço oferecido. Mesmo sem um valor definido, ele garante que o investimento em guarda privada é melhor do que treinar a guarda municipal para usar armamento.


 


"O treinamento com armamento, ele demanda não só em valores, aí nós temos que ver a qualificação profissional que o nosso pessoal tem, isso demandaria mais tempo ainda, não é uma situação que a gente resolve de uma hora para outra", completou o chefe de gabinete.


 


Segundo o sindicato, o quadro da prefeitura hoje conta com mais de 150 guardas municipais e muitos estão indignados com o edital. Um grupo chegou a ir até a Câmara de Vereadores para protestar.


 


Segundo o chefe de gabinete da prefeitura, haverá investimento nos guardas do efetivo. Uma licitação será concluída em até 60 dias para aquisição de novas fardas. Ainda conforme o representante, os guardas contratados vão auxiliar no policiamento das ruas, praças e patrimônios públicos. As vagas para a vigilância armada serão abertas no dia 23 de julho.


Matéria extraída do G1



Edital prevê contratação de empresa privada de vigilância, com o uso de arma de fogo.



A Prefeitura de Pouso Alegre abriu processo de licitação para contratar 20 guardas de vigilância armada. O edital causou polêmica entre os guardas municipais da cidade. Eles alegam falta de investimento da prefeitura.



"No nosso entendimento, há condições da prefeitura municipal investir e capacitar os guardas para que eles possam realizar esse serviço", disse o presidente do sindicato, Leon Camargo.



O vereador Luiz Campanha, que também é Guarda Municipal, afirma que a categoria foi abandonada.



PATROCINADORES

"Nós acreditamos que o prefeito poderia investir na guarda conforme foi até matéria na campanha dele, está registrado no plano de governo dele", disse o vereador do PROS, Luiz Antônio Campanha.



O edital é para contratar uma empresa privada de vigilância, inclusive com o uso de arma de fogo. O pregão prevê até 20 novos guardas que vão trabalhar nas áreas de saúde, educação e cultura.



A contratação de vigilância armada, pelo município, não existe nas outras maiores cidades da região. A Prefeitura de Pouso Alegre diz que é algo necessário por conta da ação dos vândalos.



Nos últimos meses, foram registradas depredações nos Caics dos bairros São João e Árvore Grande. Em agosto do ano passado, um criminoso entrou na creche do bairro Costa Rios, amarrou um guarda municipal e roubou cerca de R$ 6 mil. Em 2016, a unidade do Samu, que ficava junto à policlínica do bairro São Geraldo, foi apedrejada, assim como uma ambulância.



PATROCINADORES

"Nós temos aqui a Câmara Municipal, que é vigilância armada, empresa especializada. Em várias cidades têm a segurança especializada, armada, no corpo civil, isso depende da gestão da cidade", disse o chefe de gabinete, José Dimas Silva Fonseca.



O chefe de gabinete da prefeitura diz que a contratação será na modalidade de menor preço oferecido. Mesmo sem um valor definido, ele garante que o investimento em guarda privada é melhor do que treinar a guarda municipal para usar armamento.



"O treinamento com armamento, ele demanda não só em valores, aí nós temos que ver a qualificação profissional que o nosso pessoal tem, isso demandaria mais tempo ainda, não é uma situação que a gente resolve de uma hora para outra", completou o chefe de gabinete.



Segundo o sindicato, o quadro da prefeitura hoje conta com mais de 150 guardas municipais e muitos estão indignados com o edital. Um grupo chegou a ir até a Câmara de Vereadores para protestar.



Segundo o chefe de gabinete da prefeitura, haverá investimento nos guardas do efetivo. Uma licitação será concluída em até 60 dias para aquisição de novas fardas. Ainda conforme o representante, os guardas contratados vão auxiliar no policiamento das ruas, praças e patrimônios públicos. As vagas para a vigilância armada serão abertas no dia 23 de julho.



Veja Também