news:

Notícias

O Dia D para o andamento do impeachment de Crivella

Publicado por TV Minas em 12/07/2018

foto_principal.jpg

O estopim do processo foi uma reportagem do jornal O Globo que mostra gravação do prefeito oferecendo vantagens a eleitores evangélicos.

 

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), enfrenta o dia mais sombrio de seu mandato nesta quinta-feira. Será realizada na Câmara dos Vereadores do Rio uma sessão extraordinária para dissertar sobre seu pedido de impeachment. O estopim foi uma reportagem do jornal O Globo que mostra gravação do prefeito oferecendo vantagens a eleitores evangélicos em reunião no último dia 4 a portas fechadas no Palácio da Cidade, sede do governo.

 

Na denúncia, Crivella dá orientações sobre a isenção de IPTU para igrejas e sugere que evangélicos teriam preferência no atendimento de serviços públicos, como cirurgias de catarata. A atitude é considerada crime de responsabilidade e fundamento para o impedimento. O favorecimento do prefeito, bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, não surpreende ninguém, mas agora há provas de que existe.

 

Ontem, o Ministério Público do Rio de Janeiro moveu também uma ação civil pública contra o prefeito, por improbidade administrativa. Cita, segundo O Globo, o uso de escolas da rede municipal para promover a Igreja Universal.

 

Crivella não se deu ao trabalho de dizer que errou. Disse, mais uma vez por meio de sua assessoria de imprensa, em vez de pessoalmente, que a abertura do processo de impeachment é “do jogo político da oposição”.

 

O recesso da Câmara foi suspenso, pois a oposição conseguiu as 17 assinaturas necessárias para que o pedido fosse discutido. A admissibilidade depende de 34 dos 51 votos de vereadores do Rio. A oposição, portanto, correr com os apoios, para que o protocolo não seja engavetado. Se for aprovada a abertura do processo, todo o rito do impeachment deve ser definido em até 90 dias após o recebimento da denúncia pelos parlamentares. O cronômetro está correndo.

O estopim do processo foi uma reportagem do jornal O Globo que mostra gravação do prefeito oferecendo vantagens a eleitores evangélicos.


 


O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), enfrenta o dia mais sombrio de seu mandato nesta quinta-feira. Será realizada na Câmara dos Vereadores do Rio uma sessão extraordinária para dissertar sobre seu pedido de impeachment. O estopim foi uma reportagem do jornal O Globo que mostra gravação do prefeito oferecendo vantagens a eleitores evangélicos em reunião no último dia 4 a portas fechadas no Palácio da Cidade, sede do governo.


 


Na denúncia, Crivella dá orientações sobre a isenção de IPTU para igrejas e sugere que evangélicos teriam preferência no atendimento de serviços públicos, como cirurgias de catarata. A atitude é considerada crime de responsabilidade e fundamento para o impedimento. O favorecimento do prefeito, bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, não surpreende ninguém, mas agora há provas de que existe.


PATROCINADORES

 


Ontem, o Ministério Público do Rio de Janeiro moveu também uma ação civil pública contra o prefeito, por improbidade administrativa. Cita, segundo O Globo, o uso de escolas da rede municipal para promover a Igreja Universal.


 


Crivella não se deu ao trabalho de dizer que errou. Disse, mais uma vez por meio de sua assessoria de imprensa, em vez de pessoalmente, que a abertura do processo de impeachment é “do jogo político da oposição”.


 


O recesso da Câmara foi suspenso, pois a oposição conseguiu as 17 assinaturas necessárias para que o pedido fosse discutido. A admissibilidade depende de 34 dos 51 votos de vereadores do Rio. A oposição, portanto, correr com os apoios, para que o protocolo não seja engavetado. Se for aprovada a abertura do processo, todo o rito do impeachment deve ser definido em até 90 dias após o recebimento da denúncia pelos parlamentares. O cronômetro está correndo.


O estopim do processo foi uma reportagem do jornal O Globo que mostra gravação do prefeito oferecendo vantagens a eleitores evangélicos.



O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), enfrenta o dia mais sombrio de seu mandato nesta quinta-feira. Será realizada na Câmara dos Vereadores do Rio uma sessão extraordinária para dissertar sobre seu pedido de impeachment. O estopim foi uma reportagem do jornal O Globo que mostra gravação do prefeito oferecendo vantagens a eleitores evangélicos em reunião no último dia 4 a portas fechadas no Palácio da Cidade, sede do governo.



Na denúncia, Crivella dá orientações sobre a isenção de IPTU para igrejas e sugere que evangélicos teriam preferência no atendimento de serviços públicos, como cirurgias de catarata. A atitude é considerada crime de responsabilidade e fundamento para o impedimento. O favorecimento do prefeito, bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, não surpreende ninguém, mas agora há provas de que existe.



PATROCINADORES

Ontem, o Ministério Público do Rio de Janeiro moveu também uma ação civil pública contra o prefeito, por improbidade administrativa. Cita, segundo O Globo, o uso de escolas da rede municipal para promover a Igreja Universal.



Crivella não se deu ao trabalho de dizer que errou. Disse, mais uma vez por meio de sua assessoria de imprensa, em vez de pessoalmente, que a abertura do processo de impeachment é “do jogo político da oposição”.



O recesso da Câmara foi suspenso, pois a oposição conseguiu as 17 assinaturas necessárias para que o pedido fosse discutido. A admissibilidade depende de 34 dos 51 votos de vereadores do Rio. A oposição, portanto, correr com os apoios, para que o protocolo não seja engavetado. Se for aprovada a abertura do processo, todo o rito do impeachment deve ser definido em até 90 dias após o recebimento da denúncia pelos parlamentares. O cronômetro está correndo.



Veja Também