news:

Notícias

China substituirá soja dos EUA por produto do Brasil e de outros países

Publicado por TV Minas em 04/09/2018

foto_principal.jpg

Previsão é de grande esmagadora de grãos chinesa.

 

A China substituirá quase inteiramente suas importações de soja dos Estados Unidos por grãos brasileiros e de outros países na próxima temporada, mas poderá ficar sem a oleaginosa no início de 2019, prevê Guo Yanchao, vice-presidente da Jiusan Group, nesta terça-feira. A Jiusan é uma das grandes esmagadoras de soja da China.

 

A soja americana foi alvo de um sobretaxa chinesa de 25% em meio à guerra comercial entre os dois países. As importações dos Estados Unidos, que normalmente ocupam o segundo lugar entre os maiores fornecedores da China, vão cair para apenas 700 mil toneladas na temporada 2018/19 a partir deste mês, disse Yanchao. Isso se compara a 27,85 milhões de toneladas de soja em grão importada nos EUA no ano anterior.


As importações do Brasil, por sua vez, devem saltar para 71,06 milhões de toneladas, com o restante vindo da Argentina, Canadá, Rússia e outros países, disse Guo em uma conferência do setor. No entanto, admite o executivo, os estoques podem acabar até fevereiro ou março do ano que vem, quando a oferta de soja do Brasil é limitada.

 

Este ano, até agosto, as exportações de soja do Brasil atingiram 64,6 milhões de toneladas, crescimento de 13,5% na comparação com o volume exportado no mesmo período do ano passado

Previsão é de grande esmagadora de grãos chinesa.


 


A China substituirá quase inteiramente suas importações de soja dos Estados Unidos por grãos brasileiros e de outros países na próxima temporada, mas poderá ficar sem a oleaginosa no início de 2019, prevê Guo Yanchao, vice-presidente da Jiusan Group, nesta terça-feira. A Jiusan é uma das grandes esmagadoras de soja da China.


 


PATROCINADORES

A soja americana foi alvo de um sobretaxa chinesa de 25% em meio à guerra comercial entre os dois países. As importações dos Estados Unidos, que normalmente ocupam o segundo lugar entre os maiores fornecedores da China, vão cair para apenas 700 mil toneladas na temporada 2018/19 a partir deste mês, disse Yanchao. Isso se compara a 27,85 milhões de toneladas de soja em grão importada nos EUA no ano anterior.



As importações do Brasil, por sua vez, devem saltar para 71,06 milhões de toneladas, com o restante vindo da Argentina, Canadá, Rússia e outros países, disse Guo em uma conferência do setor. No entanto, admite o executivo, os estoques podem acabar até fevereiro ou março do ano que vem, quando a oferta de soja do Brasil é limitada.


 


Este ano, até agosto, as exportações de soja do Brasil atingiram 64,6 milhões de toneladas, crescimento de 13,5% na comparação com o volume exportado no mesmo período do ano passado


Previsão é de grande esmagadora de grãos chinesa.



A China substituirá quase inteiramente suas importações de soja dos Estados Unidos por grãos brasileiros e de outros países na próxima temporada, mas poderá ficar sem a oleaginosa no início de 2019, prevê Guo Yanchao, vice-presidente da Jiusan Group, nesta terça-feira. A Jiusan é uma das grandes esmagadoras de soja da China.



A soja americana foi alvo de um sobretaxa chinesa de 25% em meio à guerra comercial entre os dois países. As importações dos Estados Unidos, que normalmente ocupam o segundo lugar entre os maiores fornecedores da China, vão cair para apenas 700 mil toneladas na temporada 2018/19 a partir deste mês, disse Yanchao. Isso se compara a 27,85 milhões de toneladas de soja em grão importada nos EUA no ano anterior.



PATROCINADORES


As importações do Brasil, por sua vez, devem saltar para 71,06 milhões de toneladas, com o restante vindo da Argentina, Canadá, Rússia e outros países, disse Guo em uma conferência do setor. No entanto, admite o executivo, os estoques podem acabar até fevereiro ou março do ano que vem, quando a oferta de soja do Brasil é limitada.



Este ano, até agosto, as exportações de soja do Brasil atingiram 64,6 milhões de toneladas, crescimento de 13,5% na comparação com o volume exportado no mesmo período do ano passado



Veja Também