news:

Esporte

'Isso é Esparta', celebra Djokovic na conquista do Grand Slam dos EUA

Publicado por TV Minas em 14/09/2015

foto_principal.jpg

Djokovic celebra ano especial e solta grito ao lado de ator: ''Isso é Esparta''. Sérvio iguala temporada de 2011, quando também ganhou três Grand Slams. "Creio que é mais difícil repetir o feito do que conquistá-lo pela primeira vez", disse.

 

Novak Djokovic mostrou novamente sua força. Inspirado no filme 300, que conta histórias de guerreiros, o sérvio mostrou que segue com vigor e força para se manter no topo. Assim como em sua temporada de 2011, venceu três Grand Slams neste ano, sendo o último neste domingo, quando derrotou o suíço Roger Federer na final do US Open. Após 3h20 de disputa, Djokovic venceu por 3 sets a 1, parciais de 6/4, 5/7, 6/4 e 6/4, e levantou seu segundo troféu do campeonato. Nos dois anos, ele também conquistou os torneios da Austrália e de Wimbledon. Para o atual número 1 do mundo, a temporada de 2015 vem sendo "mais do que poderia pedir".

 

- Esta vem sendo uma temporada incrível. Tenho muita sorte de poder contar com tanto sucesso neste ano. A temporada não acabou, mas os Grand Slams, sim. Os maiores torneios que disputei este ano, ganhei três de quatro. Definitivamente, é mais do que eu poderia pedir. Claro que tenho muitas expectativas e grandes ambições sempre que se aproxima um Grand Slam ou qualquer outro torneio. Mas, agora sentado aqui junto deste troféu e refletindo sobre o que eu conquistei, é bem incrível. Então, definitivamente estou muito satisfeito e orgulhoso disso - disse o tenista, após a conquista.

 

Nestes quatro anos que separaram os dois feitos, Djokovic casou-se e teve um filho. Para ele, experiências que o tornaram outra pessoa, outro tenista. Mais forte, em todos os sentidos. 

 

- Creio que é definitivamente mais difícil repetir algo como isso do fazê-lo pela primeira vez novamente. Sou outro jogador, uma pessoa diferente do que era em 2011. Como pai e marido, experimentando tantas coisas diferentes na minha vida, é uma abordagem completamente diferente. Sinto-me mais realizado e mais completo como jogador do que era em 2011. Psicologicamente mais forte, mentalmente mais experiente, e mais duro também - afirmou.

 

Após a conquista de seu segundo US Open, Djokovic também falou sobre seu adversário. Antes deste domingo, Roger Federer vinha se uma incrível sequência de 11 partidas vencidas e 28 sets de invencibilidade. Neste período, foi campeão em Cincinnati justamente em cima de Djoko. Para o vencedor da noite, enfrentar o suíço é sinônimo de dar sempre o seu melhor em quadra. E foi o que fez.

 

 

- Como eu disse ainda na quadra, ele (Federer) sempre vai fazer você jogar o seu melhor, caso você queira vencê-lo. Então, esse é o Roger... É por causa disso que ele ganhou tantos títulos de Grand Slam. E eu sabia que isso viria para a quadra. Sabia que ele seria agressivo, que  tentaria atrapalhar o meu ritmo, e que iria colocar muita variedade no seu jogo. O que ele, de fato, o fez. Mas eu estava pronto para isso. Estava pronto para a batalha. Três horas, 20 minutos... Nós nos empurramos para o nosso limite, como sempre fazemos - avaliou.

 

O resultado fez com que Djokovic igualasse o confronto direto entre ele e Federer. Agora, são 21 vitórias para cada lado em 42 jogos disputados no circuito profissional. Com o seu segundo US Open, o sérvio aumenta sua coleção de títulos de Grand Slams para 10. Enquanto isso, o suíço segue o jejum de conquistas a esse nível, sendo a última vez em Wimbledon, em 2012. Porém, segue como o maior vencedor, com 17 Grand Slams conquistados (4 no Aberto do Austrália, 1 em Roland Garros, 7 em Wimbledon e 5 no US Open).

 

Sobre o apoio maciço da torcida norte-americana a Federer, Djokovic afirmou que "não há muito o que se fazer a respeito disso" e que mantém sempre a sua concentração na quadra. O sérvio voltou a dizer que, hoje, é um tenista mais experiente e que, por isso, consegue abstrair situações assim, mantendo o foco apenas no jogo:

 

- Se nós tivéssemos essa conversa uns cinco anos atrás, talvez a situação seria diferente. Porque, como eu disse, eu sou um jogador mais experiente hoje e estive nessas situações antes. Eu joguei contra o Roger mais de 40 vezes, e muitas dessas vezes em finais de Grand Slams. Eu sei como é sentir isso, da multidão, o apoio e tudo mais. Com isso em mente, fui para a quadra sabendo que isso iria acontecer. Não há muito o que se possa fazer a respeito disso. Eu apenas tento manter o meu foco naquilo que preciso e no meu plano de jogo e tento executá-lo da melhor forma possível. É nisso que eu mantenho meu foco. Mas é claro, em uma partida de 3h20, você acaba tendo altos e baixos na sua concentração. Você acaba deixando algumas coisas distraírem você. Mas é importante voltar a sua concentração do porquê de você estar ali e no que você precisa fazer.

 

 

ISSO É ESPARTA: DJOKOVIC CELEBRA COM ATOR

 

 

Após o triunfo, Djokovic revelou uma curiosidade que lhe serviu de incentivo para a partida deste domingo. O sérvio contou que assistiu ao filme ''300'' na véspera da decisão do Grand Slam dos Estados Unidos. Depois de ganhar a final, o tenista foi até a arquibancada e abraçou, além de seus familiares, o ator Gerard Butler, protagonista do filme e seu amigo.

 

- Eu enviei uma foto e uma mensagem na noite anterior quando estava assistindo o filme 300. Eu abracei todos os meus familiares e time, olhei para ele e disse: ''Isso é Esparta''. Foi ótimo. Esse é um dos filmes que me inspiram sempre que assisto - disse Novak Djokovic. 

 

Nas redes sociais, a esposa do sérvio, Jelena, publicou um vídeo da comemoração do marido. Ao lado de Buttler, Djokovic grita a frase que ficou eternizada no filme 300: ''This is Sparta'' (em português, Isso é Esparta).

Djokovic celebra ano especial e solta grito ao lado de ator: ''Isso é Esparta''. Sérvio iguala temporada de 2011, quando também ganhou três Grand Slams. "Creio que é mais difícil repetir o feito do que conquistá-lo pela primeira vez", disse.


 


Novak Djokovic mostrou novamente sua força. Inspirado no filme 300, que conta histórias de guerreiros, o sérvio mostrou que segue com vigor e força para se manter no topo. Assim como em sua temporada de 2011, venceu três Grand Slams neste ano, sendo o último neste domingo, quando derrotou o suíço Roger Federer na final do US Open. Após 3h20 de disputa, Djokovic venceu por 3 sets a 1, parciais de 6/4, 5/7, 6/4 e 6/4, e levantou seu segundo troféu do campeonato. Nos dois anos, ele também conquistou os torneios da Austrália e de Wimbledon. Para o atual número 1 do mundo, a temporada de 2015 vem sendo "mais do que poderia pedir".


 


- Esta vem sendo uma temporada incrível. Tenho muita sorte de poder contar com tanto sucesso neste ano. A temporada não acabou, mas os Grand Slams, sim. Os maiores torneios que disputei este ano, ganhei três de quatro. Definitivamente, é mais do que eu poderia pedir. Claro que tenho muitas expectativas e grandes ambições sempre que se aproxima um Grand Slam ou qualquer outro torneio. Mas, agora sentado aqui junto deste troféu e refletindo sobre o que eu conquistei, é bem incrível. Então, definitivamente estou muito satisfeito e orgulhoso disso - disse o tenista, após a conquista.


 


Nestes quatro anos que separaram os dois feitos, Djokovic casou-se e teve um filho. Para ele, experiências que o tornaram outra pessoa, outro tenista. Mais forte, em todos os sentidos. 


 


- Creio que é definitivamente mais difícil repetir algo como isso do fazê-lo pela primeira vez novamente. Sou outro jogador, uma pessoa diferente do que era em 2011. Como pai e marido, experimentando tantas coisas diferentes na minha vida, é uma abordagem completamente diferente. Sinto-me mais realizado e mais completo como jogador do que era em 2011. Psicologicamente mais forte, mentalmente mais experiente, e mais duro também - afirmou.


 


Após a conquista de seu segundo US Open, Djokovic também falou sobre seu adversário. Antes deste domingo, Roger Federer vinha se uma incrível sequência de 11 partidas vencidas e 28 sets de invencibilidade. Neste período, foi campeão em Cincinnati justamente em cima de Djoko. Para o vencedor da noite, enfrentar o suíço é sinônimo de dar sempre o seu melhor em quadra. E foi o que fez.


 



 


- Como eu disse ainda na quadra, ele (Federer) sempre vai fazer você jogar o seu melhor, caso você queira vencê-lo. Então, esse é o Roger... É por causa disso que ele ganhou tantos títulos de Grand Slam. E eu sabia que isso viria para a quadra. Sabia que ele seria agressivo, que  tentaria atrapalhar o meu ritmo, e que iria colocar muita variedade no seu jogo. O que ele, de fato, o fez. Mas eu estava pronto para isso. Estava pronto para a batalha. Três horas, 20 minutos... Nós nos empurramos para o nosso limite, como sempre fazemos - avaliou.


 


PATROCINADORES

O resultado fez com que Djokovic igualasse o confronto direto entre ele e Federer. Agora, são 21 vitórias para cada lado em 42 jogos disputados no circuito profissional. Com o seu segundo US Open, o sérvio aumenta sua coleção de títulos de Grand Slams para 10. Enquanto isso, o suíço segue o jejum de conquistas a esse nível, sendo a última vez em Wimbledon, em 2012. Porém, segue como o maior vencedor, com 17 Grand Slams conquistados (4 no Aberto do Austrália, 1 em Roland Garros, 7 em Wimbledon e 5 no US Open).


 


Sobre o apoio maciço da torcida norte-americana a Federer, Djokovic afirmou que "não há muito o que se fazer a respeito disso" e que mantém sempre a sua concentração na quadra. O sérvio voltou a dizer que, hoje, é um tenista mais experiente e que, por isso, consegue abstrair situações assim, mantendo o foco apenas no jogo:


 


- Se nós tivéssemos essa conversa uns cinco anos atrás, talvez a situação seria diferente. Porque, como eu disse, eu sou um jogador mais experiente hoje e estive nessas situações antes. Eu joguei contra o Roger mais de 40 vezes, e muitas dessas vezes em finais de Grand Slams. Eu sei como é sentir isso, da multidão, o apoio e tudo mais. Com isso em mente, fui para a quadra sabendo que isso iria acontecer. Não há muito o que se possa fazer a respeito disso. Eu apenas tento manter o meu foco naquilo que preciso e no meu plano de jogo e tento executá-lo da melhor forma possível. É nisso que eu mantenho meu foco. Mas é claro, em uma partida de 3h20, você acaba tendo altos e baixos na sua concentração. Você acaba deixando algumas coisas distraírem você. Mas é importante voltar a sua concentração do porquê de você estar ali e no que você precisa fazer.


 


 


ISSO É ESPARTA: DJOKOVIC CELEBRA COM ATOR


 



 


Após o triunfo, Djokovic revelou uma curiosidade que lhe serviu de incentivo para a partida deste domingo. O sérvio contou que assistiu ao filme ''300'' na véspera da decisão do Grand Slam dos Estados Unidos. Depois de ganhar a final, o tenista foi até a arquibancada e abraçou, além de seus familiares, o ator Gerard Butler, protagonista do filme e seu amigo.


 


- Eu enviei uma foto e uma mensagem na noite anterior quando estava assistindo o filme 300. Eu abracei todos os meus familiares e time, olhei para ele e disse: ''Isso é Esparta''. Foi ótimo. Esse é um dos filmes que me inspiram sempre que assisto - disse Novak Djokovic. 


 


Nas redes sociais, a esposa do sérvio, Jelena, publicou um vídeo da comemoração do marido. Ao lado de Buttler, Djokovic grita a frase que ficou eternizada no filme 300: ''This is Sparta'' (em português, Isso é Esparta).


Djokovic celebra ano especial e solta grito ao lado de ator: ''Isso é Esparta''. Sérvio iguala temporada de 2011, quando também ganhou três Grand Slams. "Creio que é mais difícil repetir o feito do que conquistá-lo pela primeira vez", disse.



Novak Djokovic mostrou novamente sua força. Inspirado no filme 300, que conta histórias de guerreiros, o sérvio mostrou que segue com vigor e força para se manter no topo. Assim como em sua temporada de 2011, venceu três Grand Slams neste ano, sendo o último neste domingo, quando derrotou o suíço Roger Federer na final do US Open. Após 3h20 de disputa, Djokovic venceu por 3 sets a 1, parciais de 6/4, 5/7, 6/4 e 6/4, e levantou seu segundo troféu do campeonato. Nos dois anos, ele também conquistou os torneios da Austrália e de Wimbledon. Para o atual número 1 do mundo, a temporada de 2015 vem sendo "mais do que poderia pedir".



- Esta vem sendo uma temporada incrível. Tenho muita sorte de poder contar com tanto sucesso neste ano. A temporada não acabou, mas os Grand Slams, sim. Os maiores torneios que disputei este ano, ganhei três de quatro. Definitivamente, é mais do que eu poderia pedir. Claro que tenho muitas expectativas e grandes ambições sempre que se aproxima um Grand Slam ou qualquer outro torneio. Mas, agora sentado aqui junto deste troféu e refletindo sobre o que eu conquistei, é bem incrível. Então, definitivamente estou muito satisfeito e orgulhoso disso - disse o tenista, após a conquista.



Nestes quatro anos que separaram os dois feitos, Djokovic casou-se e teve um filho. Para ele, experiências que o tornaram outra pessoa, outro tenista. Mais forte, em todos os sentidos. 



- Creio que é definitivamente mais difícil repetir algo como isso do fazê-lo pela primeira vez novamente. Sou outro jogador, uma pessoa diferente do que era em 2011. Como pai e marido, experimentando tantas coisas diferentes na minha vida, é uma abordagem completamente diferente. Sinto-me mais realizado e mais completo como jogador do que era em 2011. Psicologicamente mais forte, mentalmente mais experiente, e mais duro também - afirmou.



PATROCINADORES

Após a conquista de seu segundo US Open, Djokovic também falou sobre seu adversário. Antes deste domingo, Roger Federer vinha se uma incrível sequência de 11 partidas vencidas e 28 sets de invencibilidade. Neste período, foi campeão em Cincinnati justamente em cima de Djoko. Para o vencedor da noite, enfrentar o suíço é sinônimo de dar sempre o seu melhor em quadra. E foi o que fez.





- Como eu disse ainda na quadra, ele (Federer) sempre vai fazer você jogar o seu melhor, caso você queira vencê-lo. Então, esse é o Roger... É por causa disso que ele ganhou tantos títulos de Grand Slam. E eu sabia que isso viria para a quadra. Sabia que ele seria agressivo, que  tentaria atrapalhar o meu ritmo, e que iria colocar muita variedade no seu jogo. O que ele, de fato, o fez. Mas eu estava pronto para isso. Estava pronto para a batalha. Três horas, 20 minutos... Nós nos empurramos para o nosso limite, como sempre fazemos - avaliou.



O resultado fez com que Djokovic igualasse o confronto direto entre ele e Federer. Agora, são 21 vitórias para cada lado em 42 jogos disputados no circuito profissional. Com o seu segundo US Open, o sérvio aumenta sua coleção de títulos de Grand Slams para 10. Enquanto isso, o suíço segue o jejum de conquistas a esse nível, sendo a última vez em Wimbledon, em 2012. Porém, segue como o maior vencedor, com 17 Grand Slams conquistados (4 no Aberto do Austrália, 1 em Roland Garros, 7 em Wimbledon e 5 no US Open).



Sobre o apoio maciço da torcida norte-americana a Federer, Djokovic afirmou que "não há muito o que se fazer a respeito disso" e que mantém sempre a sua concentração na quadra. O sérvio voltou a dizer que, hoje, é um tenista mais experiente e que, por isso, consegue abstrair situações assim, mantendo o foco apenas no jogo:



PATROCINADORES

- Se nós tivéssemos essa conversa uns cinco anos atrás, talvez a situação seria diferente. Porque, como eu disse, eu sou um jogador mais experiente hoje e estive nessas situações antes. Eu joguei contra o Roger mais de 40 vezes, e muitas dessas vezes em finais de Grand Slams. Eu sei como é sentir isso, da multidão, o apoio e tudo mais. Com isso em mente, fui para a quadra sabendo que isso iria acontecer. Não há muito o que se possa fazer a respeito disso. Eu apenas tento manter o meu foco naquilo que preciso e no meu plano de jogo e tento executá-lo da melhor forma possível. É nisso que eu mantenho meu foco. Mas é claro, em uma partida de 3h20, você acaba tendo altos e baixos na sua concentração. Você acaba deixando algumas coisas distraírem você. Mas é importante voltar a sua concentração do porquê de você estar ali e no que você precisa fazer.



ISSO É ESPARTA: DJOKOVIC CELEBRA COM ATOR





Após o triunfo, Djokovic revelou uma curiosidade que lhe serviu de incentivo para a partida deste domingo. O sérvio contou que assistiu ao filme ''300'' na véspera da decisão do Grand Slam dos Estados Unidos. Depois de ganhar a final, o tenista foi até a arquibancada e abraçou, além de seus familiares, o ator Gerard Butler, protagonista do filme e seu amigo.



- Eu enviei uma foto e uma mensagem na noite anterior quando estava assistindo o filme 300. Eu abracei todos os meus familiares e time, olhei para ele e disse: ''Isso é Esparta''. Foi ótimo. Esse é um dos filmes que me inspiram sempre que assisto - disse Novak Djokovic. 



Nas redes sociais, a esposa do sérvio, Jelena, publicou um vídeo da comemoração do marido. Ao lado de Buttler, Djokovic grita a frase que ficou eternizada no filme 300: ''This is Sparta'' (em português, Isso é Esparta).



Veja Também