news:

Sul de Minas

Polícia conclui que não houve tentativa de sequestro em escola de Alfenas

Publicado por TV Minas em 25/09/2018

foto_principal.png

O caso foi registrado na Escola Municipal Profª Tereza Paulino da Costa e ganhou repercussão em grupos de whatsapp.

 

 

A Polícia Civil concluiu o inquérito que investigava uma suposta tentativa de sequestro em uma escola pública de Alfenas. As investigações apontaram que não houve tentativa de sequestro e que teria ocorrido um mal-entendido no caso, gerando a denúncia.  

 

De acordo com as investigações, a mulher, que seria a suposta sequestradora, foi buscar o neto que estuda na mesma sala da suposta vítima. Com isso, a criança - que teria sido alvo de uma suposta tentativa de sequestro – acompanhou o colega de classe. O caso ocorreu no dia 14 de setembro.

 

A mãe que fez a denúncia encontrou o filho do lado de fora da sala de aula, mas ainda nas dependências da Escola Municipal Profª Tereza Paulino da Costa, no bairro Pinheirinho. Para a Polícia Civil, não houve crime e sim falha no controle feito pela escola.

 

O caso ganhou repercussão nas redes sociais após áudios gravados pela mãe da criança de 4 anos, suposta vítima, circularem em grupos de whatsapp. Na ocasião, a pedido da reportagem do Alfenas Hoje, a Secretaria Municipal de Educação e Cultura divulgou uma nota em que considerava o episódio como um grande mal-entendido por parte da mãe da criança, além de lamentar a “atitude precipitada em divulgar e compartilhar tais fatos em rede social, sem antes primar pela apuração dos acontecimentos”.

O caso foi registrado na Escola Municipal Profª Tereza Paulino da Costa e ganhou repercussão em grupos de whatsapp.


 


 


A Polícia Civil concluiu o inquérito que investigava uma suposta tentativa de sequestro em uma escola pública de Alfenas. As investigações apontaram que não houve tentativa de sequestro e que teria ocorrido um mal-entendido no caso, gerando a denúncia.  


 


PATROCINADORES

De acordo com as investigações, a mulher, que seria a suposta sequestradora, foi buscar o neto que estuda na mesma sala da suposta vítima. Com isso, a criança - que teria sido alvo de uma suposta tentativa de sequestro – acompanhou o colega de classe. O caso ocorreu no dia 14 de setembro.


 


A mãe que fez a denúncia encontrou o filho do lado de fora da sala de aula, mas ainda nas dependências da Escola Municipal Profª Tereza Paulino da Costa, no bairro Pinheirinho. Para a Polícia Civil, não houve crime e sim falha no controle feito pela escola.


 


O caso ganhou repercussão nas redes sociais após áudios gravados pela mãe da criança de 4 anos, suposta vítima, circularem em grupos de whatsapp. Na ocasião, a pedido da reportagem do Alfenas Hoje, a Secretaria Municipal de Educação e Cultura divulgou uma nota em que considerava o episódio como um grande mal-entendido por parte da mãe da criança, além de lamentar a “atitude precipitada em divulgar e compartilhar tais fatos em rede social, sem antes primar pela apuração dos acontecimentos”.


O caso foi registrado na Escola Municipal Profª Tereza Paulino da Costa e ganhou repercussão em grupos de whatsapp.



A Polícia Civil concluiu o inquérito que investigava uma suposta tentativa de sequestro em uma escola pública de Alfenas. As investigações apontaram que não houve tentativa de sequestro e que teria ocorrido um mal-entendido no caso, gerando a denúncia.  



PATROCINADORES

De acordo com as investigações, a mulher, que seria a suposta sequestradora, foi buscar o neto que estuda na mesma sala da suposta vítima. Com isso, a criança - que teria sido alvo de uma suposta tentativa de sequestro – acompanhou o colega de classe. O caso ocorreu no dia 14 de setembro.



A mãe que fez a denúncia encontrou o filho do lado de fora da sala de aula, mas ainda nas dependências da Escola Municipal Profª Tereza Paulino da Costa, no bairro Pinheirinho. Para a Polícia Civil, não houve crime e sim falha no controle feito pela escola.



O caso ganhou repercussão nas redes sociais após áudios gravados pela mãe da criança de 4 anos, suposta vítima, circularem em grupos de whatsapp. Na ocasião, a pedido da reportagem do Alfenas Hoje, a Secretaria Municipal de Educação e Cultura divulgou uma nota em que considerava o episódio como um grande mal-entendido por parte da mãe da criança, além de lamentar a “atitude precipitada em divulgar e compartilhar tais fatos em rede social, sem antes primar pela apuração dos acontecimentos”.



Veja Também