news:

Notícias

Cerca de 100.000 casas continuam sem energia em Portugal após furacão

Publicado por TV Minas em 15/10/2018

foto_principal.jpg

Fenômeno deixou 28 pessoas feridas e 61 desalojadas; tempestade também atingiu Espanha e França.

 

Cerca de 100.000 casas continuam sem energia em Portugal após a passagem do furacão Leslie, durante a madrugada de domingo (14), que afetou especialmente o centro do país e deixou 28 pessoas feridas e 61 desalojadas.

 

O furacão atingiu o país com ventos de 176 km por hora, mas logo foi rebaixado para uma tempestade pós-tropical. Grande parte do país estava em alerta vermelho.

 

No total, as equipes de emergência registraram mais de 2.500 incidentes em Portugal, causados principalmente pelas árvores arrancadas ou por telhados danificados pela força dos ventos.

 

Em Figueira da Foz, no distrito de Coimbra, muitas ruas ainda estão bloqueadas por troncos caídos e pelo trabalho frenético de operários para restabelecer o serviço prestado pela companhia de energia elétrica EDP, que tomou medidas sem precedentes. A empresa declarou “estado de emergência” em Coimbra.

 

Em Soure, uma das cidades mais afetadas, se calcula prejuízos no valor de 1 milhão de euros (4,38 milhões de reais). Leslie também passou pelo norte da Espanha e sul da França, provocando muitos estragos.

 

O Instituto Português de Mar e Atmosfera mantém em alerta amarelo 11 dos 18 distritos de Portugal, nos quais se espera chuva, vento e agitação marítima forte que pode gerar ondas de até cinco metros.

 

As autoridades pediram às frotas de pesca para regressar ao porto e a companhia aérea da TAP cancelou cerca de trinta voos de Lisboa ou para a capital portuguesa.

 

De acordo com registros meteorológicos, Leslie seria o furacão mais poderoso a atingir Portugal desde 1842.

 

Em 2017, os ventos fortes e a onda de calor que levaram o furacão Ofelia ao largo das costas de Portugal e da região espanhola da Galiza provocaram grandes incêndios florestais que deixaram cerca de 40 mortos.

 

Ofelia, em seguida, transformou-se em uma tempestade pós-tropical e chegou à Irlanda, onde matou três pessoas.

 

 

Espanha

 

A tempestade também passou ao norte da Espanha, com menos força. A cidade fronteiriça de Zamora (oeste) registrou rajadas de ventos de 100 km/h durante a madrugada.

 

Na Catalunha, 17 pessoas ficaram feridas. A agência meteorológica EMET havia alertado que as regiões das Astúrias, León e Cantábria seriam especialmente afetadas por fortes chuvas. O mesmo ocorreu na ilha de Mallorca, onde 12 pessoas morreram nas enchentes na terça-feira.

 

Na França, ao menos 13 pessoas morreram pelas enxurradas causadas por fortes chuvas. Os meteorologistas, contudo, ainda não apontam relações diretas entre a passagem do Leslie e as precipitações no país.

Fenômeno deixou 28 pessoas feridas e 61 desalojadas; tempestade também atingiu Espanha e França.


 


Cerca de 100.000 casas continuam sem energia em Portugal após a passagem do furacão Leslie, durante a madrugada de domingo (14), que afetou especialmente o centro do país e deixou 28 pessoas feridas e 61 desalojadas.


 


O furacão atingiu o país com ventos de 176 km por hora, mas logo foi rebaixado para uma tempestade pós-tropical. Grande parte do país estava em alerta vermelho.


 


No total, as equipes de emergência registraram mais de 2.500 incidentes em Portugal, causados principalmente pelas árvores arrancadas ou por telhados danificados pela força dos ventos.


 


Em Figueira da Foz, no distrito de Coimbra, muitas ruas ainda estão bloqueadas por troncos caídos e pelo trabalho frenético de operários para restabelecer o serviço prestado pela companhia de energia elétrica EDP, que tomou medidas sem precedentes. A empresa declarou “estado de emergência” em Coimbra.


 


Em Soure, uma das cidades mais afetadas, se calcula prejuízos no valor de 1 milhão de euros (4,38 milhões de reais). Leslie também passou pelo norte da Espanha e sul da França, provocando muitos estragos.


 


O Instituto Português de Mar e Atmosfera mantém em alerta amarelo 11 dos 18 distritos de Portugal, nos quais se espera chuva, vento e agitação marítima forte que pode gerar ondas de até cinco metros.


 


As autoridades pediram às frotas de pesca para regressar ao porto e a companhia aérea da TAP cancelou cerca de trinta voos de Lisboa ou para a capital portuguesa.


PATROCINADORES

 


De acordo com registros meteorológicos, Leslie seria o furacão mais poderoso a atingir Portugal desde 1842.


 


Em 2017, os ventos fortes e a onda de calor que levaram o furacão Ofelia ao largo das costas de Portugal e da região espanhola da Galiza provocaram grandes incêndios florestais que deixaram cerca de 40 mortos.


 


Ofelia, em seguida, transformou-se em uma tempestade pós-tropical e chegou à Irlanda, onde matou três pessoas.


 


 


Espanha


 


A tempestade também passou ao norte da Espanha, com menos força. A cidade fronteiriça de Zamora (oeste) registrou rajadas de ventos de 100 km/h durante a madrugada.


 


Na Catalunha, 17 pessoas ficaram feridas. A agência meteorológica EMET havia alertado que as regiões das Astúrias, León e Cantábria seriam especialmente afetadas por fortes chuvas. O mesmo ocorreu na ilha de Mallorca, onde 12 pessoas morreram nas enchentes na terça-feira.


 


Na França, ao menos 13 pessoas morreram pelas enxurradas causadas por fortes chuvas. Os meteorologistas, contudo, ainda não apontam relações diretas entre a passagem do Leslie e as precipitações no país.


Fenômeno deixou 28 pessoas feridas e 61 desalojadas; tempestade também atingiu Espanha e França.



Cerca de 100.000 casas continuam sem energia em Portugal após a passagem do furacão Leslie, durante a madrugada de domingo (14), que afetou especialmente o centro do país e deixou 28 pessoas feridas e 61 desalojadas.



O furacão atingiu o país com ventos de 176 km por hora, mas logo foi rebaixado para uma tempestade pós-tropical. Grande parte do país estava em alerta vermelho.



No total, as equipes de emergência registraram mais de 2.500 incidentes em Portugal, causados principalmente pelas árvores arrancadas ou por telhados danificados pela força dos ventos.



Em Figueira da Foz, no distrito de Coimbra, muitas ruas ainda estão bloqueadas por troncos caídos e pelo trabalho frenético de operários para restabelecer o serviço prestado pela companhia de energia elétrica EDP, que tomou medidas sem precedentes. A empresa declarou “estado de emergência” em Coimbra.



PATROCINADORES

Em Soure, uma das cidades mais afetadas, se calcula prejuízos no valor de 1 milhão de euros (4,38 milhões de reais). Leslie também passou pelo norte da Espanha e sul da França, provocando muitos estragos.



O Instituto Português de Mar e Atmosfera mantém em alerta amarelo 11 dos 18 distritos de Portugal, nos quais se espera chuva, vento e agitação marítima forte que pode gerar ondas de até cinco metros.



As autoridades pediram às frotas de pesca para regressar ao porto e a companhia aérea da TAP cancelou cerca de trinta voos de Lisboa ou para a capital portuguesa.



De acordo com registros meteorológicos, Leslie seria o furacão mais poderoso a atingir Portugal desde 1842.



Em 2017, os ventos fortes e a onda de calor que levaram o furacão Ofelia ao largo das costas de Portugal e da região espanhola da Galiza provocaram grandes incêndios florestais que deixaram cerca de 40 mortos.



PATROCINADORES

Ofelia, em seguida, transformou-se em uma tempestade pós-tropical e chegou à Irlanda, onde matou três pessoas.



Espanha



A tempestade também passou ao norte da Espanha, com menos força. A cidade fronteiriça de Zamora (oeste) registrou rajadas de ventos de 100 km/h durante a madrugada.



Na Catalunha, 17 pessoas ficaram feridas. A agência meteorológica EMET havia alertado que as regiões das Astúrias, León e Cantábria seriam especialmente afetadas por fortes chuvas. O mesmo ocorreu na ilha de Mallorca, onde 12 pessoas morreram nas enchentes na terça-feira.



Na França, ao menos 13 pessoas morreram pelas enxurradas causadas por fortes chuvas. Os meteorologistas, contudo, ainda não apontam relações diretas entre a passagem do Leslie e as precipitações no país.



Veja Também