news:

Ciência & Tecnologia

Astrônomos descobrem maior e mais antiga estrutura do Universo

Publicado por TV Minas em 20/10/2018

foto_principal.jpg

Cientistas apelidaram conjunto de galáxias de Hyperion; superaglomerado é visto da Terra tal como era bilhões de anos atrás.

 

Astrônomos que vasculham bilhões de anos-luz no espaço detectaram a maior e mais abrangente coleção de galáxias já registrada nos primeiros dias do universo, um “protossuperaglomerado” que apelidaram de Hyperion em homenagem a um titã da mitologia grega.

 

Ele está tão distante que é visto da Terra tal como era bilhões de anos atrás.

 

“O Hyperion é como 5.000 galáxias da Via Láctea”, disse o astrônomo Steffen Miefke, chefe de operações do Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês). O ESO opera o telescópio VLT do Chile, que detectou o superaglomerado.

 

O Hyperion é um adolescente em termos astronômicos. Por causa de sua distância da Terra, os astrônomos o estão vendo como ele foi criado, pouco mais de 2 bilhões de anos após o Big Bang, que deu origem ao universo cerca de 13,8 bilhões de anos atrás.

 

“Estas são galáxias muito distantes de nós, quase no início do universo, e nos permitem entender melhor como o universo evoluiu do Big Bang até os dias atuais”, explicou Miefke.

 

“O Hyperion tem um sexto da idade do universo. É como se pudéssemos ver a adolescência de um ser humano de 80 anos”.

 

A Via Láctea, que abriga nosso sistema solar, tem cerca de 13,6 bilhões de anos.

 

O Hyperion foi detectado usando o Espectrógrafo de Multiobjetos Visíveis, que segundo seus operadores age como uma “máquina do tempo no meio do deserto, mostrando-nos como o universo se parecia quando só tinha um terço de sua idade atual”.

 

O espectrógrafo está abrigado no VLT do Chile. A descoberta foi feita por uma equipe liderada por Olga Cucciati, do Instituto Nacional de Astrofísica de Bolonha, na Itália.

 

O telescópio se localiza no deserto chileno, cerca de 1.216 quilômetros ao norte da capital Santiago.

 

Brian Lemaux, astrônomo da Universidade da Califórnia em Davis e coautor do relatório, disse que as galáxias se tornam mais densas à medida que a gravidade age sobre elas ao longo de bilhões de anos.

 

“Superaglomerados mais próximos da Terra tendem a (aparecer) como uma distribuição de massa muito mais concentrada, com aspectos estruturais claros”, disse Lemaux. “Mas no Hyperion a massa é distribuída muito mais uniformemente em uma série de bolhas conectadas, povoadas por associações livres de galáxias”.

 

A pesquisa, intitulada “A prole de um Titã Cósmico”, será publicada na edição mais recente da publicação científica Astronomy & Astrophysics.

Cientistas apelidaram conjunto de galáxias de Hyperion; superaglomerado é visto da Terra tal como era bilhões de anos atrás.


 


Astrônomos que vasculham bilhões de anos-luz no espaço detectaram a maior e mais abrangente coleção de galáxias já registrada nos primeiros dias do universo, um “protossuperaglomerado” que apelidaram de Hyperion em homenagem a um titã da mitologia grega.


 


Ele está tão distante que é visto da Terra tal como era bilhões de anos atrás.


 


“O Hyperion é como 5.000 galáxias da Via Láctea”, disse o astrônomo Steffen Miefke, chefe de operações do Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês). O ESO opera o telescópio VLT do Chile, que detectou o superaglomerado.


 


O Hyperion é um adolescente em termos astronômicos. Por causa de sua distância da Terra, os astrônomos o estão vendo como ele foi criado, pouco mais de 2 bilhões de anos após o Big Bang, que deu origem ao universo cerca de 13,8 bilhões de anos atrás.


 


“Estas são galáxias muito distantes de nós, quase no início do universo, e nos permitem entender melhor como o universo evoluiu do Big Bang até os dias atuais”, explicou Miefke.


 


“O Hyperion tem um sexto da idade do universo. É como se pudéssemos ver a adolescência de um ser humano de 80 anos”.


PATROCINADORES

 


A Via Láctea, que abriga nosso sistema solar, tem cerca de 13,6 bilhões de anos.


 


O Hyperion foi detectado usando o Espectrógrafo de Multiobjetos Visíveis, que segundo seus operadores age como uma “máquina do tempo no meio do deserto, mostrando-nos como o universo se parecia quando só tinha um terço de sua idade atual”.


 


O espectrógrafo está abrigado no VLT do Chile. A descoberta foi feita por uma equipe liderada por Olga Cucciati, do Instituto Nacional de Astrofísica de Bolonha, na Itália.


 


O telescópio se localiza no deserto chileno, cerca de 1.216 quilômetros ao norte da capital Santiago.


 


Brian Lemaux, astrônomo da Universidade da Califórnia em Davis e coautor do relatório, disse que as galáxias se tornam mais densas à medida que a gravidade age sobre elas ao longo de bilhões de anos.


 


“Superaglomerados mais próximos da Terra tendem a (aparecer) como uma distribuição de massa muito mais concentrada, com aspectos estruturais claros”, disse Lemaux. “Mas no Hyperion a massa é distribuída muito mais uniformemente em uma série de bolhas conectadas, povoadas por associações livres de galáxias”.


 


A pesquisa, intitulada “A prole de um Titã Cósmico”, será publicada na edição mais recente da publicação científica Astronomy & Astrophysics.


Cientistas apelidaram conjunto de galáxias de Hyperion; superaglomerado é visto da Terra tal como era bilhões de anos atrás.



Astrônomos que vasculham bilhões de anos-luz no espaço detectaram a maior e mais abrangente coleção de galáxias já registrada nos primeiros dias do universo, um “protossuperaglomerado” que apelidaram de Hyperion em homenagem a um titã da mitologia grega.



Ele está tão distante que é visto da Terra tal como era bilhões de anos atrás.



“O Hyperion é como 5.000 galáxias da Via Láctea”, disse o astrônomo Steffen Miefke, chefe de operações do Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês). O ESO opera o telescópio VLT do Chile, que detectou o superaglomerado.



O Hyperion é um adolescente em termos astronômicos. Por causa de sua distância da Terra, os astrônomos o estão vendo como ele foi criado, pouco mais de 2 bilhões de anos após o Big Bang, que deu origem ao universo cerca de 13,8 bilhões de anos atrás.



PATROCINADORES

“Estas são galáxias muito distantes de nós, quase no início do universo, e nos permitem entender melhor como o universo evoluiu do Big Bang até os dias atuais”, explicou Miefke.



“O Hyperion tem um sexto da idade do universo. É como se pudéssemos ver a adolescência de um ser humano de 80 anos”.



A Via Láctea, que abriga nosso sistema solar, tem cerca de 13,6 bilhões de anos.



O Hyperion foi detectado usando o Espectrógrafo de Multiobjetos Visíveis, que segundo seus operadores age como uma “máquina do tempo no meio do deserto, mostrando-nos como o universo se parecia quando só tinha um terço de sua idade atual”.



PATROCINADORES

O espectrógrafo está abrigado no VLT do Chile. A descoberta foi feita por uma equipe liderada por Olga Cucciati, do Instituto Nacional de Astrofísica de Bolonha, na Itália.



O telescópio se localiza no deserto chileno, cerca de 1.216 quilômetros ao norte da capital Santiago.



Brian Lemaux, astrônomo da Universidade da Califórnia em Davis e coautor do relatório, disse que as galáxias se tornam mais densas à medida que a gravidade age sobre elas ao longo de bilhões de anos.



“Superaglomerados mais próximos da Terra tendem a (aparecer) como uma distribuição de massa muito mais concentrada, com aspectos estruturais claros”, disse Lemaux. “Mas no Hyperion a massa é distribuída muito mais uniformemente em uma série de bolhas conectadas, povoadas por associações livres de galáxias”.



A pesquisa, intitulada “A prole de um Titã Cósmico”, será publicada na edição mais recente da publicação científica Astronomy & Astrophysics.



Veja Também