news:

Sul de Minas

Jovem é preso por suspeita de assédio a menores no Sul de Minas

Publicado por TV Minas em 26/10/2018

foto_principal.jpg

O caso foi registrado durante um evento promovido no Caic, no Vila Esperança, em Alfenas.

 

Um jovem de 23 anos é suspeito de assediar crianças, de 10 e 11 anos, durante um evento infantil no Caic - Dr. João Januário Magalhães, no bairro Vila Esperança. O rapaz trabalhava como monitor de brinquedos de uma empresa contratada para o evento, realizado na manhã de quarta-feira.

 

O evento, denominado Dia Brincante, foi promovido por meio do programa Cidade Escola numa parceria com a o Cras (Centro de Referência de Assistência Social). A empresa, na qual o suspeito trabalha, foi contratada pela Secretaria de Ação Social. Os responsáveis pelo evento só tomaram conhecimento do problema por meio de uma das mães. 

 

De acordo com a denúncia, o suspeito, responsável por um brinquedo “pula pula”, teria feito elogio a uma criança de 10 anos e pedido a ela o número do whatsapp. À polícia, o suspeito confirmou que chegou a solicitar o número de whatsapp de algumas crianças. 

 

Segundo testemunhas, algumas pessoas tentaram agredir o rapaz, que chegou a ser encaminhado para o Hospital Santa Casa pela Polícia Militar antes de ser levado para a Delegacia. Na Depol, a mãe de uma outra criança, de 11 anos, também acusou o rapaz de abordar a sua filha. A ocorrência foi acompanhada pelo Conselho Tutelar.

O caso foi registrado durante um evento promovido no Caic, no Vila Esperança, em Alfenas.


 


Um jovem de 23 anos é suspeito de assediar crianças, de 10 e 11 anos, durante um evento infantil no Caic - Dr. João Januário Magalhães, no bairro Vila Esperança. O rapaz trabalhava como monitor de brinquedos de uma empresa contratada para o evento, realizado na manhã de quarta-feira.


 


PATROCINADORES

O evento, denominado Dia Brincante, foi promovido por meio do programa Cidade Escola numa parceria com a o Cras (Centro de Referência de Assistência Social). A empresa, na qual o suspeito trabalha, foi contratada pela Secretaria de Ação Social. Os responsáveis pelo evento só tomaram conhecimento do problema por meio de uma das mães. 


 


De acordo com a denúncia, o suspeito, responsável por um brinquedo “pula pula”, teria feito elogio a uma criança de 10 anos e pedido a ela o número do whatsapp. À polícia, o suspeito confirmou que chegou a solicitar o número de whatsapp de algumas crianças. 


 


Segundo testemunhas, algumas pessoas tentaram agredir o rapaz, que chegou a ser encaminhado para o Hospital Santa Casa pela Polícia Militar antes de ser levado para a Delegacia. Na Depol, a mãe de uma outra criança, de 11 anos, também acusou o rapaz de abordar a sua filha. A ocorrência foi acompanhada pelo Conselho Tutelar.


O caso foi registrado durante um evento promovido no Caic, no Vila Esperança, em Alfenas.



Um jovem de 23 anos é suspeito de assediar crianças, de 10 e 11 anos, durante um evento infantil no Caic - Dr. João Januário Magalhães, no bairro Vila Esperança. O rapaz trabalhava como monitor de brinquedos de uma empresa contratada para o evento, realizado na manhã de quarta-feira.



O evento, denominado Dia Brincante, foi promovido por meio do programa Cidade Escola numa parceria com a o Cras (Centro de Referência de Assistência Social). A empresa, na qual o suspeito trabalha, foi contratada pela Secretaria de Ação Social. Os responsáveis pelo evento só tomaram conhecimento do problema por meio de uma das mães. 



PATROCINADORES

De acordo com a denúncia, o suspeito, responsável por um brinquedo “pula pula”, teria feito elogio a uma criança de 10 anos e pedido a ela o número do whatsapp. À polícia, o suspeito confirmou que chegou a solicitar o número de whatsapp de algumas crianças. 



Segundo testemunhas, algumas pessoas tentaram agredir o rapaz, que chegou a ser encaminhado para o Hospital Santa Casa pela Polícia Militar antes de ser levado para a Delegacia. Na Depol, a mãe de uma outra criança, de 11 anos, também acusou o rapaz de abordar a sua filha. A ocorrência foi acompanhada pelo Conselho Tutelar.



Veja Também