news:

Bem Estar

Solteiro adota menina com Down rejeitada por 20 famílias

Publicado por TV Minas em 24/12/2018

foto_principal.jpg

Um homem solteiro, de 41 anos, adotou uma menina com Down rejeitada por 20 famílias.

 

Luca Trapanese é italiano, gay, católico praticante e desde os 14 anos faz trabalhos sociais em casas que cuidam de crianças com doenças graves e com síndrome de Down.

 

A pequena Alba, hoje com 1 ano e meio, entrou na vida dele quando tinha apenas um mês. Ela foi deixada pela mãe no hospital logo que nasceu.

 

Luca sempre quis adotar uma criança com necessidades especiais e agora conseguiu finalmente realizar o sonho.

 

“Uma criança com deficiência não é uma oportunidade da série B, mas uma escolha consciente em relação à minha vocação e minhas habilidades”, disse o italiano.

 

 

Amor imediato

 

Ao conhecer Alba, Luca conta que o amor foi imediato.

 

Para cuidar da menina, ele conta com a ajuda de Luísa, uma ama, da mãe dele e de uma outra senhora que também tem um filho deficiente, que ele considera como seu irmão.

 

A decisão de Luca de adotar Alba tem inspirado milhares de pessoas, depois que o pai adotivo começou a aparecer em diversos programas de TV da Europa para contar sua história.

 

“Minha página no Facebook e meu perfil atingiram mais de 12.000 pessoas. Eu recebo 500 mensagens por dia. É, portanto, uma reação inesperada. Mas isso nos faz refletir sobre o desejo de mudança por parte de muitos e muitos”, disse o pai adotivo ao GNews.

 

 

Livro

 

Este mês Luca Trapanese lançou um livro chamado “NATA PER TE”  – “Nascido Para Ti”, em tradução livre. Na publicação ele fala sobre o desejo de paternidade, a adoção por parte de pessoas solteiras e a escolha consciente de um filho deficiente.

Um homem solteiro, de 41 anos, adotou uma menina com Down rejeitada por 20 famílias.


 


Luca Trapanese é italiano, gay, católico praticante e desde os 14 anos faz trabalhos sociais em casas que cuidam de crianças com doenças graves e com síndrome de Down.


 


A pequena Alba, hoje com 1 ano e meio, entrou na vida dele quando tinha apenas um mês. Ela foi deixada pela mãe no hospital logo que nasceu.


 


Luca sempre quis adotar uma criança com necessidades especiais e agora conseguiu finalmente realizar o sonho.


 


“Uma criança com deficiência não é uma oportunidade da série B, mas uma escolha consciente em relação à minha vocação e minhas habilidades”, disse o italiano.


 


 


Amor imediato


PATROCINADORES

 


Ao conhecer Alba, Luca conta que o amor foi imediato.


 


Para cuidar da menina, ele conta com a ajuda de Luísa, uma ama, da mãe dele e de uma outra senhora que também tem um filho deficiente, que ele considera como seu irmão.


 


A decisão de Luca de adotar Alba tem inspirado milhares de pessoas, depois que o pai adotivo começou a aparecer em diversos programas de TV da Europa para contar sua história.


 


“Minha página no Facebook e meu perfil atingiram mais de 12.000 pessoas. Eu recebo 500 mensagens por dia. É, portanto, uma reação inesperada. Mas isso nos faz refletir sobre o desejo de mudança por parte de muitos e muitos”, disse o pai adotivo ao GNews.


 


 


Livro


 


Este mês Luca Trapanese lançou um livro chamado “NATA PER TE”  – “Nascido Para Ti”, em tradução livre. Na publicação ele fala sobre o desejo de paternidade, a adoção por parte de pessoas solteiras e a escolha consciente de um filho deficiente.


Um homem solteiro, de 41 anos, adotou uma menina com Down rejeitada por 20 famílias.



Luca Trapanese é italiano, gay, católico praticante e desde os 14 anos faz trabalhos sociais em casas que cuidam de crianças com doenças graves e com síndrome de Down.



A pequena Alba, hoje com 1 ano e meio, entrou na vida dele quando tinha apenas um mês. Ela foi deixada pela mãe no hospital logo que nasceu.



Luca sempre quis adotar uma criança com necessidades especiais e agora conseguiu finalmente realizar o sonho.



PATROCINADORES

“Uma criança com deficiência não é uma oportunidade da série B, mas uma escolha consciente em relação à minha vocação e minhas habilidades”, disse o italiano.



Amor imediato



Ao conhecer Alba, Luca conta que o amor foi imediato.



Para cuidar da menina, ele conta com a ajuda de Luísa, uma ama, da mãe dele e de uma outra senhora que também tem um filho deficiente, que ele considera como seu irmão.



PATROCINADORES

A decisão de Luca de adotar Alba tem inspirado milhares de pessoas, depois que o pai adotivo começou a aparecer em diversos programas de TV da Europa para contar sua história.



“Minha página no Facebook e meu perfil atingiram mais de 12.000 pessoas. Eu recebo 500 mensagens por dia. É, portanto, uma reação inesperada. Mas isso nos faz refletir sobre o desejo de mudança por parte de muitos e muitos”, disse o pai adotivo ao GNews.



Livro



Este mês Luca Trapanese lançou um livro chamado “NATA PER TE”  – “Nascido Para Ti”, em tradução livre. Na publicação ele fala sobre o desejo de paternidade, a adoção por parte de pessoas solteiras e a escolha consciente de um filho deficiente.



Veja Também