news:

Notícias

Petrobras destitui todos os diretores indicados pelo governo Dilma

Publicado por TV Minas em 08/01/2019

foto_principal.jpg

Os diretores afastados por Castello Branco foram indicados para seus postos em 2015, após a saída de Graça Foster da petroleira.

 

O novo presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, destituiu o último diretor indicado pelo governo Dilma Rousseff. Em comunicado ao mercado, a estatal anunciou a saída de Solange Guedes da diretoria de Exploração e Produção. Para seu lugar, Castello Branco indicou Carlos Alberto Pereira de Oliveira.

 

“A companhia agradece a dedicação da Sra. Solange Guedes ao longo de seus trinta e três anos na área de Exploração e Produção da Petrobras e seu importante trabalho à frente desta diretoria desde 2015”, informa a Petrobras.

 

Antes de Solange, Castello Branco já havia substituído os diretores Hugo Repsold e Jorge Celestino. Os três chegaram à diretoria da Petrobras em 2015, após a renúncia coletiva dos executivos comandados por Graça Foster, que foi substituída por Aldemir Bendine.

 

Os dois presidentes seguintes da Petrobras – Pedro Parente e Ivan Monteiro – mantiveram Solange, Hugo e Jorge em seus cargos.

 

Na semana passada, ao assumir o cargo, Castello Branco disse que uma nova era se iniciava na Petrobras. “A Petrobras de hoje é muito melhor do que a de 2015, mas ainda há muito o que fazer, foi salva do rebaixamento da segunda divisão, mas ainda há muito o que fazer para ser uma campeã. Uma nova era se inicia”, afirmou.

 

Ele agradeceu ainda o trabalho de seus antecessores, que assumiram a estatal após a crise de confiança para qual foi arrastada após a Operação Lava Jato. “As crises foram debeladas e sou grato a todos que participaram dessa reconstrução, principalmente meus dois últimos antecessores, Pedro Parente e Ivan Monteiro. Construiu-se sólida governança corporativa, rigorosas normas de ética e integridade foram implementadas e punidos os criminosos.”

 

A companhia informa que o diretor indicado por Castello Branco será “submetido aos procedimentos internos de governança corporativa e encaminhado para apreciação do Comitê de Indicação, Remuneração e Sucessão e posterior deliberação do Conselho de Administração”.

 

Em nota, a estatal informa que Carlos Oliveira atua na Petrobras há 38 anos, onde ingressou em 1981, especializando-se em Engenharia de Petróleo. “Atualmente lidera a Gestão de Portfolio, de Parcerias e de Desempenho da diretoria de Exploração e Produção da Petrobras.”

Os diretores afastados por Castello Branco foram indicados para seus postos em 2015, após a saída de Graça Foster da petroleira.


 


O novo presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, destituiu o último diretor indicado pelo governo Dilma Rousseff. Em comunicado ao mercado, a estatal anunciou a saída de Solange Guedes da diretoria de Exploração e Produção. Para seu lugar, Castello Branco indicou Carlos Alberto Pereira de Oliveira.


 


“A companhia agradece a dedicação da Sra. Solange Guedes ao longo de seus trinta e três anos na área de Exploração e Produção da Petrobras e seu importante trabalho à frente desta diretoria desde 2015”, informa a Petrobras.


 


Antes de Solange, Castello Branco já havia substituído os diretores Hugo Repsold e Jorge Celestino. Os três chegaram à diretoria da Petrobras em 2015, após a renúncia coletiva dos executivos comandados por Graça Foster, que foi substituída por Aldemir Bendine.


 


PATROCINADORES

Os dois presidentes seguintes da Petrobras – Pedro Parente e Ivan Monteiro – mantiveram Solange, Hugo e Jorge em seus cargos.


 


Na semana passada, ao assumir o cargo, Castello Branco disse que uma nova era se iniciava na Petrobras. “A Petrobras de hoje é muito melhor do que a de 2015, mas ainda há muito o que fazer, foi salva do rebaixamento da segunda divisão, mas ainda há muito o que fazer para ser uma campeã. Uma nova era se inicia”, afirmou.


 


Ele agradeceu ainda o trabalho de seus antecessores, que assumiram a estatal após a crise de confiança para qual foi arrastada após a Operação Lava Jato. “As crises foram debeladas e sou grato a todos que participaram dessa reconstrução, principalmente meus dois últimos antecessores, Pedro Parente e Ivan Monteiro. Construiu-se sólida governança corporativa, rigorosas normas de ética e integridade foram implementadas e punidos os criminosos.”


 


A companhia informa que o diretor indicado por Castello Branco será “submetido aos procedimentos internos de governança corporativa e encaminhado para apreciação do Comitê de Indicação, Remuneração e Sucessão e posterior deliberação do Conselho de Administração”.


 


Em nota, a estatal informa que Carlos Oliveira atua na Petrobras há 38 anos, onde ingressou em 1981, especializando-se em Engenharia de Petróleo. “Atualmente lidera a Gestão de Portfolio, de Parcerias e de Desempenho da diretoria de Exploração e Produção da Petrobras.”


Os diretores afastados por Castello Branco foram indicados para seus postos em 2015, após a saída de Graça Foster da petroleira.



O novo presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, destituiu o último diretor indicado pelo governo Dilma Rousseff. Em comunicado ao mercado, a estatal anunciou a saída de Solange Guedes da diretoria de Exploração e Produção. Para seu lugar, Castello Branco indicou Carlos Alberto Pereira de Oliveira.



“A companhia agradece a dedicação da Sra. Solange Guedes ao longo de seus trinta e três anos na área de Exploração e Produção da Petrobras e seu importante trabalho à frente desta diretoria desde 2015”, informa a Petrobras.



PATROCINADORES

Antes de Solange, Castello Branco já havia substituído os diretores Hugo Repsold e Jorge Celestino. Os três chegaram à diretoria da Petrobras em 2015, após a renúncia coletiva dos executivos comandados por Graça Foster, que foi substituída por Aldemir Bendine.



Os dois presidentes seguintes da Petrobras – Pedro Parente e Ivan Monteiro – mantiveram Solange, Hugo e Jorge em seus cargos.



PATROCINADORES

Na semana passada, ao assumir o cargo, Castello Branco disse que uma nova era se iniciava na Petrobras. “A Petrobras de hoje é muito melhor do que a de 2015, mas ainda há muito o que fazer, foi salva do rebaixamento da segunda divisão, mas ainda há muito o que fazer para ser uma campeã. Uma nova era se inicia”, afirmou.



Ele agradeceu ainda o trabalho de seus antecessores, que assumiram a estatal após a crise de confiança para qual foi arrastada após a Operação Lava Jato. “As crises foram debeladas e sou grato a todos que participaram dessa reconstrução, principalmente meus dois últimos antecessores, Pedro Parente e Ivan Monteiro. Construiu-se sólida governança corporativa, rigorosas normas de ética e integridade foram implementadas e punidos os criminosos.”



A companhia informa que o diretor indicado por Castello Branco será “submetido aos procedimentos internos de governança corporativa e encaminhado para apreciação do Comitê de Indicação, Remuneração e Sucessão e posterior deliberação do Conselho de Administração”.



Em nota, a estatal informa que Carlos Oliveira atua na Petrobras há 38 anos, onde ingressou em 1981, especializando-se em Engenharia de Petróleo. “Atualmente lidera a Gestão de Portfolio, de Parcerias e de Desempenho da diretoria de Exploração e Produção da Petrobras.”



Veja Também