news:

Ciência & Tecnologia

Apple e Google instalaram app que monitora a covid-19 sem você saber?

Publicado por TV Minas em 21/06/2020 às 15h38

foto_principal.jpg

Esse aplicativo enviaria uma notificação caso o portador do telefone se aproximasse de alguém que tenha confirmado ter contraído o novo coronavírus.

 

Nas redes sociais como Facebook e Twitter, uma multidão de pessoas tem se queixado de que a Apple e o Google teriam instalado sorrateiramente um aplicativo de rastreamento de covid-19 nos telefones celulares delas, sem pedir permissão.

 

Esse aplicativo enviaria uma notificação caso o portador do telefone se aproximasse de alguém que tenha confirmado ter contraído o novo coronavírus.

 

A informação tomou conta das redes sociais nos últimos dias, com pessoas sendo demandas por amigos a checar seus próprios telefones. Mas, segundo as empresas, o download “escondido”, não aconteceu.

 

Na realidade, o aplicativo só será instalado com a permissão do usuário. Num aparelho Android, por exemplo, na parte superior das configurações do Google há um item que indica: “notificações de exposição covid-19”. Mas isso não significa que um aplicativo já  tenha sido instalado.

 

Se a pessoa clicar nesse item, verá uma tela instruindo que ela precisa instalar ou concluir a configuração do aplicativo para ativar as notificações de exposição à covid-19.

 

A confusão surgiu porque, na última atualização do Android e do iOS,  tanto o Google quanto a Apple adicionaram uma API (interface de programação de aplicativos), que permitirá que as notificações de exposição à covid-19 funcionem caso o usuário dê sua permissão.

 

Ou seja, as empresas instalaram um código de programação nos seus sistemas operacionais para possibilitar que o aplicativo de monitoramento funcione, caso esse aplicativo seja disponibilizado por uma agência de saúde pública, por exemplo.

 

No dia 20 de maio, as duas empresas divulgaram um comunicado conjunto a respeito. “O que construímos não é um aplicativo. As agências de saúde pública incorporarão a API em seus próprios aplicativos que as pessoas instalam. Nossa tecnologia foi projetada para fazer com que esses aplicativos funcionem melhor.”

 

Em resumo, não é possível instalar um aplicativo de rastreamento da covid-19 sem a concordância expressa do usuário do telefone.

Esse aplicativo enviaria uma notificação caso o portador do telefone se aproximasse de alguém que tenha confirmado ter contraído o novo coronavírus.


 


Nas redes sociais como Facebook e Twitter, uma multidão de pessoas tem se queixado de que a Apple e o Google teriam instalado sorrateiramente um aplicativo de rastreamento de covid-19 nos telefones celulares delas, sem pedir permissão.


 


Esse aplicativo enviaria uma notificação caso o portador do telefone se aproximasse de alguém que tenha confirmado ter contraído o novo coronavírus.


 


A informação tomou conta das redes sociais nos últimos dias, com pessoas sendo demandas por amigos a checar seus próprios telefones. Mas, segundo as empresas, o download “escondido”, não aconteceu.


 


Na realidade, o aplicativo só será instalado com a permissão do usuário. Num aparelho Android, por exemplo, na parte superior das configurações do Google há um item que indica: “notificações de exposição covid-19”. Mas isso não significa que um aplicativo já  tenha sido instalado.


PATROCINADORES

 


Se a pessoa clicar nesse item, verá uma tela instruindo que ela precisa instalar ou concluir a configuração do aplicativo para ativar as notificações de exposição à covid-19.


 


A confusão surgiu porque, na última atualização do Android e do iOS,  tanto o Google quanto a Apple adicionaram uma API (interface de programação de aplicativos), que permitirá que as notificações de exposição à covid-19 funcionem caso o usuário dê sua permissão.


 


Ou seja, as empresas instalaram um código de programação nos seus sistemas operacionais para possibilitar que o aplicativo de monitoramento funcione, caso esse aplicativo seja disponibilizado por uma agência de saúde pública, por exemplo.


 


No dia 20 de maio, as duas empresas divulgaram um comunicado conjunto a respeito. “O que construímos não é um aplicativo. As agências de saúde pública incorporarão a API em seus próprios aplicativos que as pessoas instalam. Nossa tecnologia foi projetada para fazer com que esses aplicativos funcionem melhor.”


 


Em resumo, não é possível instalar um aplicativo de rastreamento da covid-19 sem a concordância expressa do usuário do telefone.


Esse aplicativo enviaria uma notificação caso o portador do telefone se aproximasse de alguém que tenha confirmado ter contraído o novo coronavírus.



Nas redes sociais como Facebook e Twitter, uma multidão de pessoas tem se queixado de que a Apple e o Google teriam instalado sorrateiramente um aplicativo de rastreamento de covid-19 nos telefones celulares delas, sem pedir permissão.



Esse aplicativo enviaria uma notificação caso o portador do telefone se aproximasse de alguém que tenha confirmado ter contraído o novo coronavírus.



PATROCINADORES

A informação tomou conta das redes sociais nos últimos dias, com pessoas sendo demandas por amigos a checar seus próprios telefones. Mas, segundo as empresas, o download “escondido”, não aconteceu.



Na realidade, o aplicativo só será instalado com a permissão do usuário. Num aparelho Android, por exemplo, na parte superior das configurações do Google há um item que indica: “notificações de exposição covid-19”. Mas isso não significa que um aplicativo já  tenha sido instalado.



Se a pessoa clicar nesse item, verá uma tela instruindo que ela precisa instalar ou concluir a configuração do aplicativo para ativar as notificações de exposição à covid-19.



PATROCINADORES

A confusão surgiu porque, na última atualização do Android e do iOS,  tanto o Google quanto a Apple adicionaram uma API (interface de programação de aplicativos), que permitirá que as notificações de exposição à covid-19 funcionem caso o usuário dê sua permissão.



Ou seja, as empresas instalaram um código de programação nos seus sistemas operacionais para possibilitar que o aplicativo de monitoramento funcione, caso esse aplicativo seja disponibilizado por uma agência de saúde pública, por exemplo.



No dia 20 de maio, as duas empresas divulgaram um comunicado conjunto a respeito. “O que construímos não é um aplicativo. As agências de saúde pública incorporarão a API em seus próprios aplicativos que as pessoas instalam. Nossa tecnologia foi projetada para fazer com que esses aplicativos funcionem melhor.”



Em resumo, não é possível instalar um aplicativo de rastreamento da covid-19 sem a concordância expressa do usuário do telefone.



Veja Também