news:

Entretenimento e Curiosidade

Pai cria música com sons de batimentos cardíacos dos filhos

Publicado por TV Minas em 26/07/2020 às 19h08

foto_principal.jpg

"O primeiro ritmo que a gente escuta na vida é o coração da mãe. Quando a gente sai do útero, aquele ritmo tocou no nosso ouvido".

 

Após se tornar pai de gêmeos na primeira semana de quarentena e em meio às preocupações trazidas pela pandemia do novo coronavírus, o músico Luccas Soares, de Campinas (SP), criou uma música utilizando os sons dos batimentos cardíacos do exame pré-natal dos filhos. 

 

O pai dos irmãos João e Rebecca, que é fundador e coordenador do Instituto Anelo, uma associação civil sem fins lucrativos que faz da música um instrumento de transformação para jovens e crianças da cidade, contou com a ajuda de um amigo e produtor musical para transformar o som do coração dos filhos em arte.

 

"Eu pedi para o médico deixar eu gravar e eu levei esse som pra casa. Fiquei no piano, ouvindo, e me veio esse ritmo do baião. Aí, eu comecei a tocar em cima do som e a música foi acontecendo. Eu fiz primeiro a melodia, coloquei a harmonia e apresentei para um amigo", conta Luccas.

 

 

Desafio


Após o produtor musical Vinadhara Wassuprem aceitar o desafio de sincronizar as batidas dos corações com o baião, os músicos se reuniram por videoconferência, cada um em sua casa, e gravaram a canção.

 

"O primeiro ritmo que a gente escuta na vida é o coração da mãe. Quando a gente sai do útero, aquele ritmo tocou no nosso ouvido. O aparelho auditivo fica pronto ainda dentro do útero da mãe, né? Então essa é a primeira referência que a gente tem de qualquer ritmo na vida", explica o produtor musical.


Para os novos pais, a melodia traz esperança em meio à a tensão e as preocupações que permeiam o momento de pandemia e os cuidados com os bebês, que neste fim de semana completam três meses de vida.

 

"Eu diria que existe vida em meio ao caos, né? É acreditar, ter fé que isso vai passar e que fique o aprendizado, que a gente possa aprender e ter um mundo bem melhor depois que isso passar", diz o músico Luccas Soares.

 

 

Gêmeos João e Rebecca completam três meses de vida neste fim de semana.

 

Patrocinador:

"O primeiro ritmo que a gente escuta na vida é o coração da mãe. Quando a gente sai do útero, aquele ritmo tocou no nosso ouvido".


 


Após se tornar pai de gêmeos na primeira semana de quarentena e em meio às preocupações trazidas pela pandemia do novo coronavírus, o músico Luccas Soares, de Campinas (SP), criou uma música utilizando os sons dos batimentos cardíacos do exame pré-natal dos filhos. 


 


O pai dos irmãos João e Rebecca, que é fundador e coordenador do Instituto Anelo, uma associação civil sem fins lucrativos que faz da música um instrumento de transformação para jovens e crianças da cidade, contou com a ajuda de um amigo e produtor musical para transformar o som do coração dos filhos em arte.


 


"Eu pedi para o médico deixar eu gravar e eu levei esse som pra casa. Fiquei no piano, ouvindo, e me veio esse ritmo do baião. Aí, eu comecei a tocar em cima do som e a música foi acontecendo. Eu fiz primeiro a melodia, coloquei a harmonia e apresentei para um amigo", conta Luccas.


 


 


Desafio



Após o produtor musical Vinadhara Wassuprem aceitar o desafio de sincronizar as batidas dos corações com o baião, os músicos se reuniram por videoconferência, cada um em sua casa, e gravaram a canção.


PATROCINADORES

 


"O primeiro ritmo que a gente escuta na vida é o coração da mãe. Quando a gente sai do útero, aquele ritmo tocou no nosso ouvido. O aparelho auditivo fica pronto ainda dentro do útero da mãe, né? Então essa é a primeira referência que a gente tem de qualquer ritmo na vida", explica o produtor musical.



Para os novos pais, a melodia traz esperança em meio à a tensão e as preocupações que permeiam o momento de pandemia e os cuidados com os bebês, que neste fim de semana completam três meses de vida.


 


"Eu diria que existe vida em meio ao caos, né? É acreditar, ter fé que isso vai passar e que fique o aprendizado, que a gente possa aprender e ter um mundo bem melhor depois que isso passar", diz o músico Luccas Soares.


 


 



Gêmeos João e Rebecca completam três meses de vida neste fim de semana.


 


Patrocinador:



"O primeiro ritmo que a gente escuta na vida é o coração da mãe. Quando a gente sai do útero, aquele ritmo tocou no nosso ouvido".



Após se tornar pai de gêmeos na primeira semana de quarentena e em meio às preocupações trazidas pela pandemia do novo coronavírus, o músico Luccas Soares, de Campinas (SP), criou uma música utilizando os sons dos batimentos cardíacos do exame pré-natal dos filhos. 



O pai dos irmãos João e Rebecca, que é fundador e coordenador do Instituto Anelo, uma associação civil sem fins lucrativos que faz da música um instrumento de transformação para jovens e crianças da cidade, contou com a ajuda de um amigo e produtor musical para transformar o som do coração dos filhos em arte.



"Eu pedi para o médico deixar eu gravar e eu levei esse som pra casa. Fiquei no piano, ouvindo, e me veio esse ritmo do baião. Aí, eu comecei a tocar em cima do som e a música foi acontecendo. Eu fiz primeiro a melodia, coloquei a harmonia e apresentei para um amigo", conta Luccas.



PATROCINADORES

Desafio




Após o produtor musical Vinadhara Wassuprem aceitar o desafio de sincronizar as batidas dos corações com o baião, os músicos se reuniram por videoconferência, cada um em sua casa, e gravaram a canção.



"O primeiro ritmo que a gente escuta na vida é o coração da mãe. Quando a gente sai do útero, aquele ritmo tocou no nosso ouvido. O aparelho auditivo fica pronto ainda dentro do útero da mãe, né? Então essa é a primeira referência que a gente tem de qualquer ritmo na vida", explica o produtor musical.




Para os novos pais, a melodia traz esperança em meio à a tensão e as preocupações que permeiam o momento de pandemia e os cuidados com os bebês, que neste fim de semana completam três meses de vida.



PATROCINADORES

"Eu diria que existe vida em meio ao caos, né? É acreditar, ter fé que isso vai passar e que fique o aprendizado, que a gente possa aprender e ter um mundo bem melhor depois que isso passar", diz o músico Luccas Soares.





Gêmeos João e Rebecca completam três meses de vida neste fim de semana.



Patrocinador:





Veja Também