news:

Bem Estar

Saúde prepara programa nacional de vacinação contra covid-19

Publicado por TV Minas em 30/07/2020 às 20h00 - Atualizado em 31/07/2020 às 09h52

foto_principal.jpg

O potencial imunizante, que está na terceira fase de testes clínicos, é considerado pela OMS o "mais avançado" até o momento.

 

O Ministério da Saúde deu início ao desenvolvimento de um programa nacional de vacinação contra a covid-19 no Brasil.

 

Com os recentes avanços do estudo clínico com a potencial vacina da Universidade de Oxford, que está na fase três de testes em seres humanos —inclusive com ensaios no País—, a pasta já conversa com gestores de estados e municípios na articulação por uma "grande campanha". 

 

Eduardo Macario, diretor do Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças, afirmou, nesta quarta-feira (29), que o SUS (Sistema Único de Saúde) está se preparando, seja do ponto de vista tecnológico quanto do aperfeiçoamento do sistema existente, para viabilizar uma ação conjunta em nível nacional. "Uma campanha que vai dar, sim, essa solução para o enfrentamento à covid-19. Principalmente, protegendo toda a população brasileira", disse o diretor durante entrevista coletiva, em Brasília. 

 

Em junho, o governo anunciou um acordo para produzir no Brasil a vacina desenvolvida por Oxford em parceria com a biofarmacêutica AstraZeneca. O potencial imunizante, que está na terceira fase de testes clínicos, é considerado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) o "mais avançado" até o momento.

 

"Nós estamos atentos as vacinas que estão em desenvolvimento no mundo. E pelo óbvio, parece que a vacina de Oxford, a chamada vacina de Oxford, se mostra uma das vacinas mais promissoras. Esse ministério, de maneira célere, entrou numa encomenda tecnológica para comprarmos o quantitativo extremamente importante de vacina", disse Arnaldo Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde. 

 

O acordo tem duas etapas. Começa com uma encomenda em que o Brasil assume também os riscos da pesquisa. Ou seja, será paga pela tecnologia mesmo não tendo os resultados dos ensaios clínicos finais. Em uma segunda fase, caso a vacina se mostre eficaz e segura, será ampliada a compra.

 

Nessa fase inicial, de risco assumido, serão 30,4 milhões de doses da vacina, no valor total de U$ 127 milhões, incluídos os custos de transferência da tecnologia e do processo produtivo da Fiocruz, estimados em U$ 30 milhões. Os dois lotes a serem disponibilizados à Fiocruz, de 15,2 milhões de doses cada, deverão ser entregues em dezembro de 2020 e janeiro de 2021.

 

Questionado sobre a capacidade de distribuição da rede pública, o secretário de Vigilância em Saúde ressaltou que o SUS, até mesmo por conta do histórico de campanhas de imunização, está preparado para aplicar uma possível vacina até mesmo nos "lugares mais remotos" do Brasil. 

 

"Nós estamos falando de Brasil, de SUS, que nós temos capacidade e capilaridade já estabelecidas pelos inúmeros programas de vacinação que esse país já desenvolveu, apresentou e realizou.

 

Hoje mesmo tivemos reuniões de planejamento em nossa secretaria para que, chegando a vacina, a gente possa distribuir aos lugares mais remotos dentro da estratégia de vacinação que está sendo montada no nosso país", completou Medeiros.

 

Patrocinador:

O potencial imunizante, que está na terceira fase de testes clínicos, é considerado pela OMS o "mais avançado" até o momento.


 


O Ministério da Saúde deu início ao desenvolvimento de um programa nacional de vacinação contra a covid-19 no Brasil.


 


Com os recentes avanços do estudo clínico com a potencial vacina da Universidade de Oxford, que está na fase três de testes em seres humanos —inclusive com ensaios no País—, a pasta já conversa com gestores de estados e municípios na articulação por uma "grande campanha". 


 


Eduardo Macario, diretor do Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças, afirmou, nesta quarta-feira (29), que o SUS (Sistema Único de Saúde) está se preparando, seja do ponto de vista tecnológico quanto do aperfeiçoamento do sistema existente, para viabilizar uma ação conjunta em nível nacional. "Uma campanha que vai dar, sim, essa solução para o enfrentamento à covid-19. Principalmente, protegendo toda a população brasileira", disse o diretor durante entrevista coletiva, em Brasília. 


 


Em junho, o governo anunciou um acordo para produzir no Brasil a vacina desenvolvida por Oxford em parceria com a biofarmacêutica AstraZeneca. O potencial imunizante, que está na terceira fase de testes clínicos, é considerado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) o "mais avançado" até o momento.


 


"Nós estamos atentos as vacinas que estão em desenvolvimento no mundo. E pelo óbvio, parece que a vacina de Oxford, a chamada vacina de Oxford, se mostra uma das vacinas mais promissoras. Esse ministério, de maneira célere, entrou numa encomenda tecnológica para comprarmos o quantitativo extremamente importante de vacina", disse Arnaldo Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde. 


 


PATROCINADORES

O acordo tem duas etapas. Começa com uma encomenda em que o Brasil assume também os riscos da pesquisa. Ou seja, será paga pela tecnologia mesmo não tendo os resultados dos ensaios clínicos finais. Em uma segunda fase, caso a vacina se mostre eficaz e segura, será ampliada a compra.


 


Nessa fase inicial, de risco assumido, serão 30,4 milhões de doses da vacina, no valor total de U$ 127 milhões, incluídos os custos de transferência da tecnologia e do processo produtivo da Fiocruz, estimados em U$ 30 milhões. Os dois lotes a serem disponibilizados à Fiocruz, de 15,2 milhões de doses cada, deverão ser entregues em dezembro de 2020 e janeiro de 2021.


 


Questionado sobre a capacidade de distribuição da rede pública, o secretário de Vigilância em Saúde ressaltou que o SUS, até mesmo por conta do histórico de campanhas de imunização, está preparado para aplicar uma possível vacina até mesmo nos "lugares mais remotos" do Brasil. 


 


"Nós estamos falando de Brasil, de SUS, que nós temos capacidade e capilaridade já estabelecidas pelos inúmeros programas de vacinação que esse país já desenvolveu, apresentou e realizou.


 


Hoje mesmo tivemos reuniões de planejamento em nossa secretaria para que, chegando a vacina, a gente possa distribuir aos lugares mais remotos dentro da estratégia de vacinação que está sendo montada no nosso país", completou Medeiros.


 


Patrocinador:



O potencial imunizante, que está na terceira fase de testes clínicos, é considerado pela OMS o "mais avançado" até o momento.



O Ministério da Saúde deu início ao desenvolvimento de um programa nacional de vacinação contra a covid-19 no Brasil.



Com os recentes avanços do estudo clínico com a potencial vacina da Universidade de Oxford, que está na fase três de testes em seres humanos —inclusive com ensaios no País—, a pasta já conversa com gestores de estados e municípios na articulação por uma "grande campanha". 



Eduardo Macario, diretor do Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças, afirmou, nesta quarta-feira (29), que o SUS (Sistema Único de Saúde) está se preparando, seja do ponto de vista tecnológico quanto do aperfeiçoamento do sistema existente, para viabilizar uma ação conjunta em nível nacional. "Uma campanha que vai dar, sim, essa solução para o enfrentamento à covid-19. Principalmente, protegendo toda a população brasileira", disse o diretor durante entrevista coletiva, em Brasília. 



PATROCINADORES

Em junho, o governo anunciou um acordo para produzir no Brasil a vacina desenvolvida por Oxford em parceria com a biofarmacêutica AstraZeneca. O potencial imunizante, que está na terceira fase de testes clínicos, é considerado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) o "mais avançado" até o momento.



"Nós estamos atentos as vacinas que estão em desenvolvimento no mundo. E pelo óbvio, parece que a vacina de Oxford, a chamada vacina de Oxford, se mostra uma das vacinas mais promissoras. Esse ministério, de maneira célere, entrou numa encomenda tecnológica para comprarmos o quantitativo extremamente importante de vacina", disse Arnaldo Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde. 



O acordo tem duas etapas. Começa com uma encomenda em que o Brasil assume também os riscos da pesquisa. Ou seja, será paga pela tecnologia mesmo não tendo os resultados dos ensaios clínicos finais. Em uma segunda fase, caso a vacina se mostre eficaz e segura, será ampliada a compra.



Nessa fase inicial, de risco assumido, serão 30,4 milhões de doses da vacina, no valor total de U$ 127 milhões, incluídos os custos de transferência da tecnologia e do processo produtivo da Fiocruz, estimados em U$ 30 milhões. Os dois lotes a serem disponibilizados à Fiocruz, de 15,2 milhões de doses cada, deverão ser entregues em dezembro de 2020 e janeiro de 2021.



PATROCINADORES

Questionado sobre a capacidade de distribuição da rede pública, o secretário de Vigilância em Saúde ressaltou que o SUS, até mesmo por conta do histórico de campanhas de imunização, está preparado para aplicar uma possível vacina até mesmo nos "lugares mais remotos" do Brasil. 



"Nós estamos falando de Brasil, de SUS, que nós temos capacidade e capilaridade já estabelecidas pelos inúmeros programas de vacinação que esse país já desenvolveu, apresentou e realizou.



Hoje mesmo tivemos reuniões de planejamento em nossa secretaria para que, chegando a vacina, a gente possa distribuir aos lugares mais remotos dentro da estratégia de vacinação que está sendo montada no nosso país", completou Medeiros.



Patrocinador:





Veja Também